09 de Novembro de 2019

31ª semana comum Sábado

- por Padre Alexandre Fernandes

SABADO – BASÍLICA DE LATRÃO – CATEDRAL DE ROMA

(branco, glória, creio, pref. próprio– ofício da festa)

 

Antífona da entrada

 

– Eu vi a cidade santa, a nova Jerusalém, descendo do céu, de junto de Deus, ornada como a noiva que se preparou para o seu noivo (Ap 21,2) 

 

Oração do dia

 

-Ó Deus, que edificais o vosso templo eterno com pedras vivas e escolhidas, difundi na vossa Igreja o Espírito que lhe destes, para que vosso povo cresça sempre mais, construindo a Jerusalém celeste Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Ez 47,1-2.8-9.12

 

– Leitura da profecia de Ezequiel: Naqueles dias, 1o homem fez-me voltar até a entrada do Templo e eis que saía água da sua parte subterrânea na direção leste, porque o Templo estava voltado para o oriente; a água corria do lado direito do Templo, a sul do altar. 2Ele fez-me sair pela porta que dá para o norte, e fez-me dar uma volta por fora, até à porta que dá para o leste, onde eu vi a água jorrando do lado direito. 8Então ele me disse: “Estas águas correm para a região oriental, descem para o vale do Jordão, desembocam nas águas salgadas do mar, e elas se tornarão saudáveis. 9Onde o rio chegar, todos os animais que ali se movem poderão viver. Haverá peixes em quantidade, pois ali desembocam as águas que trazem saúde; e haverá vida onde chegar o rio. 12Nas margens junto ao rio, de ambos os lados, crescerá toda espécie de árvores frutíferas; suas folhas não murcharão e seus frutos jamais se acabarão: cada mês darão novos frutos, pois as águas que banham as árvores saem do santuário. Seus frutos servirão de alimento e suas folhas serão remédio”.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 46,2-3.5-6.8-9 (R: 5)

 

– Os braços de um rio vêm trazer alegria à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo.
R: Os braços de um rio vêm trazer alegria à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo.

– O Senhor para nós é refúgio e vigor, sempre pronto, mostrou-se um socorro na angústia; assim não tememos, se a terra estremece, se os montes desabam, caindo nos mares.

R: Os braços de um rio vêm trazer alegria à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo.

– Os braços de um rio vêm trazer alegria à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo. Quem a pode abalar? Deus está no seu meio! Já bem antes da aurora, ele vem ajudá-la.

R: Os braços de um rio vêm trazer alegria à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo.

– Conosco está o Senhor do universo! O nosso refúgio é o Deus de Jacó. Vinde ver, contemplai os prodígios de Deus e a obra estupenda que fez no universo: reprime as guerras na face da terra.

R: Os braços de um rio vêm trazer alegria à Cidade de Deus, à morada do Altíssimo.
 

 Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Esta casa eu escolhi e santifiquei, para nela estar meu nome para sempre.

(2Cr 7,16).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 2,13-22

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.

– Glória a vós, Senhor!   

 

13Estava próxima a Páscoa dos judeus e Jesus subiu a Jerusalém. 14No Templo, encontrou os vendedores de bois, ovelhas e pombas e os cambistas que estavam aí sentados. 15Fez então um chicote de cordas e expulsou todos do Templo, junto com as ovelhas e os bois; espalhou as moedas e derrubou as mesas dos cambistas. 16E disse aos que vendiam pombas: “Tirai isto daqui! Não façais da casa de meu Pai uma casa de comércio!” 17Seus discípulos lembraram-se, mais tarde, que a Escritura diz: “O zelo por tua casa me consumirá”. 18Então os judeus perguntaram a Jesus: “Que sinal nos mostras para agir assim?” 19Ele respondeu: “Destruí este Templo, e em três dias o levantarei”. 20Os Judeus disseram: “Quarenta e seis anos foram precisos para a construção deste santuário e tu o levantarás em três dias?” 21Mas Jesus estava falando do Templo do seu corpo. 22Quando Jesus ressuscitou, os discípulos lembraram-se do que ele tinha dito e acreditaram na Escritura e na palavra dele.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

São Teodoro

- por Padre Alexandre Fernandes

São Teodoro é um dos “três grandes soldados mártires” para os Orientais

O santo de hoje, São Teodoro, foi um soldado que acabou sendo decapitado na Província do Ponto por confessar a fé cristã.

Era já venerado no século IV. Achaita (Tchorum, Turquia), onde se encontra o seu túmulo, atraiu durante muito tempo os peregrinos.

A lenda depressa lhe embelezou a memória, atribuindo-lhe toda a espécie de aventuras, em particular, como a São Jorge, ter matado um dragão.

Com São Jorge e São Demétrio, é um dos “três grandes soldados mártires”, para os Orientais.

São Teodoro, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

A casa de meu Pai… (Jo 2,13-22)

 

            A palavra “casa” é uma nota musical rica de harmônicos. Lembra o lar paterno, alude à Terra Prometida, recorda o Paraíso Perdido, o próprio Planeta que nos foi dado como ninho. Humanos, além da história, precisamos de uma geografia.

 

            No caso de Jesus, as ressonâncias são ainda mais fortes. Afinal, ao se encarnar, ele “saíra da Casa do Pai”, vindo estender sua tenda entre os homens…

 

            Um dia, reencontrado após três dias de procura, o jovem Jesus interpela Maria e José: “Por que me procuráveis? Não sabíeis que eu devo estar na Casa de meu Pai?” (Lc 2,49.) Ele se referia ao Templo de Jerusalém, o único lugar da Terra onde Yahweh habitava, segundo a mentalidade dos judeus. Por isso mesmo, todos os anos, atravessavam mares e desertos para ali adorar o Senhor.

 

            Neste Evangelho, Jesus chega ao Templo e vê com desgosto que o pátio do lugar sagrado fora transformado em feira, onde eram vendidos os animais a serem sacrificados como vítimas cultuais. O mesmo comércio em torno da religião aglomerava os cambistas, que trocavam moedas para os fiéis provenientes do estrangeiro. Jesus viu um ambiente de ruídos, mau cheiro, cacofonia, movido por lucro e cobiça. Nada que dirigisse os corações para o Pai celeste.

 

            É quando se manifesta em Jesus o “zelo pela Tua casa”. Com um chicote improvisado de cordas, ele enxota os animais e derruba as bancadas dos cambistas, provocando revolta e contestações. Como sinal de sua autoridade, Jesus fala de um “templo” (o seu próprio corpo), a ser reconstruído (pela ressurreição) três dias após sua destruição (pela morte). Realmente, muito mais que no edifício do Templo, Deus habitava na pessoa de Jesus Cristo. Hoje, além de morar em nossas igrejas, Deus habita no coração dos homens, na menininha deficiente, no órfão abandonado, no embrião indefeso que pretendem transformar em matéria-prima de pesquisa genética.

 

            A Igreja sabe disso. Daí manter sua firme posição em defesa da vida, sem temer o rótulo de “conservadora”. Pois de nada nos adianta adorar a Deus nos templos de pedra, se não somos capazes de reconhecer a sua presença em templos humanos… Criado à imagem e semelhança de Deus, o ser humano não pode ser visto como objeto de lucro e de comércio. Seu coração é o verdadeiro templo onde Deus quer habitar. Já no mundo neopagão, os homens são pesados e medidos. As mulheres têm um preço. Órgãos para transplante são objeto de contrabando. Nada é sagrado.

 

            E nós? Ainda somos sagrados para Deus?

 

Orai sem cessar: “Antes de modelar-te no seio de tua mãe, eu te consagrei…” (Jr 1, 5)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.