01 de Agosto de 2019

17ª semana comum- Quinta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

QUINTA FEIRA- SANTO AFONSO DE LIGÓRIO BISPO E DOUTOR
(branco, pref. comum ou dos pastores – ofício da memória)

 

Antífona da entrada

 

– Velarei sobre as minhas ovelhas, diz o Senhor; chamarei um pastor que as conduza e serei o seu Deus (Ez 34,11.23).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que suscitais continuamente em vossa Igreja novos exemplos de virtude, dai-nos seguir de tal modo os passos do bispo santo Afonso Maria, no zelo pela salvação de todos, que alcancemos com ele a recompensa celeste. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Ex 40,16-21.34-38

 

– Leitura do livro do Êxodo: Naqueles dias, 16Moisés fez tudo o que o Senhor lhe havia ordenado. 17No primeiro mês do segundo ano, no primeiro dia do mês, o santuário foi levantado. 18Moisés levantou o santuário, colocou as bases e as tábuas, assentou as vigas e ergueu as colunas. 19Estendeu a tenda sobre o santuário, pondo em cima a cobertura da tenda, como o Senhor lhe havia mandado. 20Depois, tomando o documento da aliança, depositou-o dentro da arca e colocou sobre ela o propiciatório. 21E, introduzindo a arca no santuário, pendurou diante dela o véu de proteção, como o Senhor tinha prescrito a Moisés. 34Então a nuvem cobriu a Tenda da Reunião e a glória do Senhor encheu o santuário. 35Moisés não podia entrar na Tenda da Reunião, porque a nuvem permanecia sobre ela, e a glória do Senhor tomava todo o santuário.
36Em todas as etapas da viagem, sempre que a nuvem se elevava de cima do santuário, os filhos de Israel punham-se a caminho; 37e nunca partiam antes que a nuvem se levantasse. 38Pois, de dia, a nuvem do Senhor repousava sobre o santuário, e de noite aparecia sobre ela um fogo, que todos os filhos de Israel viam, em todas as suas etapas.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 84,3-4.5-6a.8a.11 (R: 2)

 

– Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!
R: Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!

– Minha alma desfalece de saudades e anseia pelos átrios do Senhor! Meu coração e minha carne rejubilam e exultam de alegria no Deus vivo!

R: Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!

– Mesmo o pardal encontra abrigo em vossa casa, e a andorinha ali prepara o seu ninho, para nele seus filhotes colocar; vossos altares, ó Senhor Deus do universo! Vossos altares, ó meu Rei e meu Senhor!

R: Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!

– Felizes os que habitam vossa casa; para sempre haverão de vos louvar! Felizes os que em vós têm sua força caminharão com um ardor sempre crescente.

R: Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!

– Na verdade, um só dia em vosso templo vale mais do que milhares fora dele! Prefiro estar no limiar de vossa casa, a hospedar-me na mansão dos pecadores!

R: Quão amável, ó Senhor, é vossa casa!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Abre-nos, ó Senhor, o coração, para ouvirmos a palavra de Jesus! (At 16,14).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 13,47-53

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

– Glória a vós, Senhor!   

 

– Naquele tempo, disse Jesus à multidão: 47“O Reino dos Céus é ainda como uma rede lançada ao mar e que apanha peixes de todo tipo. 48Quando está cheia, os pescadores puxam a rede para a praia, sentam-se e recolhem os peixes bons em cestos e jogam fora os que não prestam. 49Assim acontecerá no fim dos tempos: os anjos virão para separar os homens maus dos que são justos, 50e lançarão os maus na fornalha de fogo. E aí, haverá choro e ranger de dentes. 51Com­preendestes tudo isso?” Eles responderam: “Sim”.
52Então Jesus acrescentou: “Assim, pois, todo mestre da Lei, que se torna discípulo do Reino dos Céus, é como um pai de família que tira do seu tesouro coisas novas e velhas”. 53Quando Jesus terminou de contar essas parábolas, partiu dali.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

 

Santo Afonso Maria de Ligório

- por Padre Alexandre Fernandes

Santo Afonso Maria de Ligório, pastoreou com prudência e santidade o povo de Deus

Celebramos, neste dia, a memória de um santo Bispo e Doutor da Igreja que se tornou pelo seu testemunho “Patrono dos confessores e teólogos de doutrina moral”. Afonso Maria de Ligório nasceu em Nápoles, na Itália, em 1696, numa nobre família que, ao saber das qualidades do menino prodígio, proporcionaram-lhe o caminho dos estudos a fim de levá-lo à fama.

Com 16 anos doutorou-se em direito civil e eclesiástico e já se destacava em sua posição social quando se deparou, involuntariamente, sustentando uma falsidade, isto levou Afonso a profundas reflexões, a ponto de passar três dias seguidos em frente ao crucifixo. Escolhendo a renúncia profissional, a herança e títulos de nobreza, Santo Afonso acolheu sua via vocacional, já que o Senhor o queria advogando as causas do Cristo.

Santo Afonso Maria de Ligório colocou todos os seus dons a serviço do Reino dos Céus, por isso, como sacerdote, desenvolveu várias missões entre os mendigos da periferia de Nápoles e camponeses; isto até contagiar vários e fundar a Congregação do Santíssimo Redentor, ou Redentoristas. Depois de percorrer várias cidades e vilas do sul da Itália convertendo pecadores, reformando costumes e santificando as famílias, Santo Afonso de Ligório, com 60 anos, foi eleito Bispo e assim pastoreou com prudência e santidade o povo de Deus, mesmo com a realidade de ter perdido a amizade do Papa e sido expulso de sua fundação.

Entrou no Céu com 91 anos, depois de deixar vários escritos sobre a Doutrina Moral, sobre a devoção ao Santíssimo Sacramento e a respeito da Mãe de Deus, sendo o mais conhecido: “As Glórias de Maria”.

Santo Afonso Maria de Ligório, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Os anjos virão separar… (Mt 13,47-53)

             

            Aqui em baixo, as coisas costumam andar meio misturadas. Às vezes, parece difícil distinguir entre verdade e mentira, virtude e pecado, lícito e ilícito. Até os sexos andam confusos! E os impacientes acusam o próprio Deus de neutralidade e indiferença perante a situação…

 

            Nesta situação, é fácil cair no desespero, como se nada tivesse remédio. É comum também assumir uma atitude de cinismo, a ponto de professar orgulho dos próprios erros, gabar-se dos próprios crimes, da própria corrupção. Pena que a justiça humana não tem sido muito animadora, deixando no ar um clima de impunidade que gera consequências no campo da educação e da vida social.

 

            Bem, o filme ainda não acabou. O desfecho da história pode demorar, mas acabará por vir. E se as redes voltam do fundo trazendo, lado a lado, atuns e cocorocas, dourados e lambaris, os pescadores sabem distinguir entre o peixe bom e o peixe ruim. E logo virá o tempo da separação.

 

            A imagem da rede foi escolhida por Jesus ao falar do julgamento no fim dos tempos. Nós o chamamos de Juízo Final, quando a glorificação de Cristo chegará a seu clímax e haverá um acerto de contas para toda a humanidade.

 

            Eis o que ensina o “Catecismo da Igreja Católica” [678]: “Na linha dos profetas e de João Batista, Jesus anunciou em sua pregação o Juízo do Último Dia. Então será revelada a conduta de cada um e o segredo dos corações. Será também condenada a incredulidade culpada que fez pouco caso da graça oferecida por Deus. A atitude em relação ao próximo revelará o acolhimento ou a recusa da graça e do amor divino”.

 

            Ora, Jesus não veio para condenar, mas para salvar. Quem se condena é o próprio homem que prefere o erro e escolhe intencionalmente o caminho do ódio e da rapina, da violência e do abuso do próximo. E isto não ficará impune!

 

            No fim do mundo, diz Jesus, “os anjos virão para separar os maus dos justos, e lançarão os maus na fornalha de fogo”. A imagem do fogo – hoje objeto de zombarias – deve ser levada a sério. O fogo aquece e cauteriza, mas também queima e destrói. E a 2ª Vinda do Senhor destruirá o mal pela raiz no novo Reino por ele anunciado.

 

            Quando o homem se arrepende e faz penitência, quando confessa seus pecados e assume um caminho de conversão, recebendo ainda na história o perdão e a graça, ele antecipa o próprio julgamento e escapa do fogo eterno.

 

            Que tipo de peixe sou eu?

 

Orai sem cessar: “Escolhi o caminho da verdade!” (Sl 119,30)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

 

14º Domingo do Tempo Comum