01 de Julho de 2020

13a Semana Comum Quarta-feira

- por Pe. Alexandre

QUARTA FEIRA – XIII SEMANA DO TEMPO COMUM
(Verde – Ofício do dia)

 

Antífona da entrada

– Povos todos, aplaudi e aclamai a Deus com brados de alegria. (Sl 46,2)

 

Oração do dia

– Ó Deus, pela vossa graça, nos fizestes filhos da luz. Concedei que não sejamos envolvidos pelas trevas do erro, mas brilhe em nossas vidas a luz da vossa verdade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Am 5,14-15.21-24

– Leitura da profecia de Amós: 14Buscai o bem, não o mal, para terdes mais vida, só assim o Senhor Deus dos exércitos vos assistirá, como tendes afirmado. 15Odiai o mal, amai o bem, res­tabelecei a justiça no julgamento, talvez o Senhor Deus dos exércitos se compadeça do resto da tribo de José. 21“Aborreço, rejeito vossas festas, diz o Senhor, não me agradam vossas assembleias de culto. 22Se me oferecerdes holo­caustos, não aceitarei vossas oblações e não farei caso de vossos gordos animais de sacrifício. 23Livra-me da balbúrdia dos teus cantos, não quero ouvir a toada de tuas liras. 24Que a justiça seja abundante como água e a vida honesta, como torrente perene”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 50,7.8-9.10-11.12-13.16bc-17 (R: 23b)

– A todos que procedem re­ta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.
R: A todos que procedem re­ta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Escuta, ó meu povo, eu vou falar; ouve, Israel, eu testemunho contra ti: Eu, o Senhor, somente eu, sou o teu Deus!

R: A todos que procedem re­ta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Eu não venho censurar teus sacrifícios, pois sempre estão perante mim teus holocaustos; não preciso dos novilhos de tua casa nem dos carneiros que estão nos teus rebanhos.

R: A todos que procedem re­ta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Porque as feras da floresta me pertencem e os animais que estão nos montes aos milhares. Conheço os pássaros que voam pelos céus e os seres vivos que se movem pelos campos.

R: A todos que procedem re­ta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Não te diria, se com fome eu estivesse, porque é meu o universo e todo ser. Porventura comerei carne de touros? Beberei, acaso, o sangue de carneiros?

R: A todos que procedem re­ta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Como ousas repetir os meus preceitos e trazer minha Aliança em tua boca? Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos e deste as costas às palavras dos meus lábios!

R: A todos que procedem re­ta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

Aclamação ao santo Evangelho

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

– Deus nos gerou pela palavra da verdade como as primícias de suas criaturas (Tg 1,18).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 8,28-34

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

– Glória a vós, Senhor!   

 

– Naquele tempo, 28quando Jesus chegou à outra margem do lago, na região dos gadarenos, vieram ao seu encontro dois homens possuídos pelo demônio, saindo dos túmulos. Eram tão violentos, que ninguém podia passar por aquele caminho. 29Eles então gritaram: “Que tens a ver conosco, Filho de Deus? Tu vieste aqui para nos atormentar antes do tempo?”. 30Ora, a certa distância deles estava pastando uma grande manada de porcos. 31Os demônios suplicavam-lhe: “Se nos expulsas, manda-nos para a manada de porcos”.
32Jesus disse: “Ide”. Os demônios saíram, e foram para os porcos. E logo toda a manada atirou-se monte abaixo para dentro do mar, afogando-se nas águas. 33Os homens que guardavam os porcos fugiram e, indo até a cidade, contaram tudo, inclusive o caso dos possuídos pelo demônio. 34Então a cidade toda saiu ao encontro de Jesus. Quando o viram, pediram-lhe que fosse embora.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

Santo Aarão

- por Pe. Alexandre

Pertence aos santos do Antigo Testamento. O santo de hoje era irmão de sangue de Moisés.

Seu testemunho está nas Sagradas Escrituras no Pentateuco, no Salmo 98 e no livro do Eclesiástico.

“Exaltou também a Aarão, santo como ele, seu irmão, da tribo de Levi. Confirmou para ele uma aliança eterna, deu-lhe o sacerdócio do seu povo, encheu-o de felicidade e de glória. Moisés consagrou-lhe as mãos e o ungiu com o óleo santo. Foi-lhe, pois, concedido por aliança eterna, a ele e à sua descendência, enquanto durar o céu: servir ao Senhor e exercer o sacerdócio, e abençoar o povo em seu nome.” (Eclo 45,7-8.18-19)

Aarão é exemplo de fidelidade e de ‘sim’ a Deus.

Santo Aarão, rogai por nós!

Meditação

- por Pe. Alexandre

Pediram que fosse embora… (Mt 8,28-34)

 

Os exegetas racionalistas afirmam que os demônios não existem. São figuras nascidas da superstição. Segundo esses doutores, os antigos chamavam de possessão aos casos de epilepsia, alucinações, demência.

Ora, para desespero dos sábios, o Evangelho de hoje registra uma anomalia médica: a epilepsia suína. Os demônios expulsos dos dois possessos invadem a grande manada (2000 porcos, anota São Marcos! Cf. Mc 5,13) e, subitamente infectados pela “moléstia”, os porcos têm um acesso de epilepsia (sic) e se lançam ao mar, em lamentável episódio de suicídio coletivo!

Ironia à parte, o fato é que os moradores da cidade próxima (Gadara? Gerasa?) não se alegraram com a libertação dos dois infelizes. Ao contrário, ficaram chocados com o grande prejuízo e pediram a Jesus – aquele desmancha-prazeres – que se retirasse da região. Com mais alguns milagres da mesma natureza, iriam todos à falência…

Até poderíamos achar graça se o mesmo não acontecesse conosco… Quanta gente mantém distância do Senhor, temendo que ele peça algum sacrifício, proponha alguma privação, algum gesto de heroísmo espiritual? Quanta gente vive em busca de um Deus lucrativo, que faça da religião um investimento? Quanta gente seguindo a “teologia da retribuição”, segundo a qual Deus fica obrigado a multiplicar os dons e ofertas que damos à Igreja! E quanto mais somos fiéis, mais ricos ficamos!

Ora, nosso Deus é pobre. Jesus Cristo não tinha onde reclinar a cabeça. Andava a pé. Não foi aclamado sobre um cavalo puro-sangue, com arreios de prata, mas sobre um ridículo jumentinho! E os ricos que se aproximavam do Mestre não demoravam a empobrecer, como Zaqueu a distribuir os bens acumulados de modo fraudulento.

E que tal o elogio feito por Jesus àquela viúva pobre, que jogou no cofre das esmolas seus dois últimos tostões? (Cf. Mc 12,42-44.) E a condição imposta ao jovem rico que ansiava por segui-lo: vender todos os seus bens e doar aos pobres? (Cf. Lc 18,22-23.) Não temos outra escolha: ou Deus ou as riquezas. (Cf. Mt 6,24b.) Se tentamos conciliar as duas coisas, acabamos por chegar à situação dos Gadarenos: lamentar os prejuízos causados por Jesus. E pediremos que ele vá para bem longe de nós…

 

A quem escolher? Jesus? Ou os porcos?

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.