05 de Abril de 2019

4ª Semana da Quaresma - Sexta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

 

 SEXTA FEIRA DA IV SEMANA DA QUARESMA
(roxo – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Salvai-me, ó Deus, por vosso nome, libertai-me por vosso poder. Deus ouvi a minha oração, escutai as palavras que vos digo (Sl 53,3).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que preparastes para a nossa fraqueza os auxílios necessários à nossa renovação, dai-nos recebê-los com alegria e vê-los frutificar em nossa vida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Sb 2, 1a.12-22

– Leitura do livro da Sabedoria – 1aDizem entre si os ímpios, em seus falsos raciocínios:12 "Armemos ciladas ao justo, porque sua presença nos incomoda: ele se opõe ao nosso modo de agir, repreende em nós as transgressões da lei e nos reprovam as faltas contra a nossa disciplina. 13Ele declara possuir o conhecimento de Deus e chama-se 'filho de Deus'. 14Tornou-se uma censura aos nossos pensamentos e só o vê-lo nos é insuportável; 15sua vida é muito diferente da dos outros, e seus caminhos são imutáveis. 16Somos comparados por ele à moeda falsa e foge de nossos caminhos como de impurezas; proclama feliz a sorte final dos justos e gloria-se de ter a Deus por pai. 17Vejamos, pois, se é verdade o que ele diz, e comprovaremos o que vai acontecer com ele. 18Se, de fato, o justo é 'filho de Deus', Deus o defenderá e o livrará das mãos dos seus inimigos. 19Vamos pô-lo à prova com ofensas e torturas, para ver a sua serenidade e provar a sua paciência; 20vamos condená-lo à morte vergonhosa, porque, de acordo com suas palavras, virá alguém em seu socorro". 21Tais são os pensamentos dos ímpios, mas enganam-se; pois a malícia os torna cegos, 22não conhecem os segredos de Deus, não esperam recompensa para a santidade e não dão valor ao prêmio reservado às vidas puras.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 34,17-18.19-20.21.23 (R: 19a)

 

– Do coração atribulado está perto o Senhor.

R: Do coração atribulado está perto o Senhor.

 

– O Senhor volta a sua face contra os maus, para da terra apagar sua lembrança. Clamam os justos, e o Senhor bondoso escuta e de todas as angústias os liberta.

R: Do coração atribulado está perto o Senhor.

 

– Do coração atribulado ele está perto e conforta os de espírito abatido. Muitos males se abatem sobre os justos, mas o Senhor de todos eles os liberta.

R: Do coração atribulado está perto o Senhor.

 

– Mesmo os seus ossos ele os guarda e os protege, e nenhum deles haverá de se quebrar. Mas o Senhor liberta a vida dos seus servos, e castigado não será quem nele espera.

R: Do coração atribulado está perto o Senhor.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 7,1-2.10.25-30

 

Glória a Cristo imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

Glória a Cristo imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

 

– O homem não vive somente do pão, mas de toda palavra da boca de Deus.

 

Glória a Cristo imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.

– Glória a vós, Senhor!

 

 – Naquele tempo, 1Jesus andava percorrendo a Galiléia. Evitava andar pela Galileia, porque os judeus procuravam matá-lo. 2Entretanto, aproximava-se a festa judaica das Tendas. 10Quando seus irmãos já tinham subido, então também ele subiu para a festa, não publicamente mas sim como que às escondidas. 25Alguns habitantes de Jerusalém disseram então: "Não é este a quem procuram matar? 26Eis que fala em público e nada lhe dizem. Será que, na verdade, as autoridades reconheceram que ele é o Messias? 27Mas este, nós sabemos donde é. O Cristo, quando vier, ninguém saberá donde é".  28Em alta voz, Jesus ensinava no Templo, dizendo: "Vós me conheceis e sabeis de onde sou; eu não vim por mim mesmo, mas o que me enviou é fidedigno. Aquele que vós não conheceis, 29mas eu o conheço, porque venho da parte dele, e ele foi quem me enviou". 30Então, queriam prendê-lo, mas ninguém pôs a mão nele, porque ainda não tinha chegado a sua hora.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

São Vicente Ferrer

- por Padre Alexandre Fernandes

Nascido na Espanha em 1350, viveu em tempos difíceis pois, por influência política, havia um cisma na Igreja do Ocidente: por Cardeais foi declarada inválida a eleição de Urbano VI como Papa, e foi escolhido Roberto de Genebra que tomou o nome de Clemente VII. As coroas ibéricas procuraram manter-se neutras entre os dois Papas, mas o de Avinhão esforçou-se por conquistar a obediência delas e mandou como seu legado o Cardeal Pedro de Luna. Este procurou o apoio de Vicente, que lho deu em boa fé e escreveu um tratado sobre o cisma.

São Vicente acompanhou o mesmo legado nalgumas viagens por esses reinos, regressando depois ao ensino e à pregação em Valência. Pouco depois, volta Pedro de Luna a Avinhão e sucede a Clemente VII como Papa, tomando o nome de Bento XIII. E é reclamada a presença de Vicente em Avinhão, onde passa uns anos.

São Vicente Ferrer foi um santo religioso dominicano, grande pregador e fiel ao carisma. Ele pregava sobre a segunda vinda de Jesus, o Juízo Final, mas de uma maneira que provocava uma conversão nas pessoas. Sua pregação, Deus a confirmava com sinais, milagres e conversões.

Um homem de penitência, da verdade, da esperança, que semeava a unidade e essa expectativa do Senhor que voltará.

Vicente pôde contribuir para a eleição do Papa e pôde deixar bem claro, pela sua vida, que a Palavra de Deus precisa ser anunciada com o espírito e com uma vida a serviço da verdade e da Igreja.

São Vicente Ferrer, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Foi Ele quem me enviou… (Jo 7,1-2.10.25-30)

 

            Jesus Cristo é o missionário do Pai. Sua descida do seio da Trindade corresponde a um desígnio do Pai que deseja a salvação de toda a humanidade. Ao desejo do Pai, o Filho responde com seu sim integral, também ele revelador de um duplo amor: amor de compaixão pelos homens a serem salvos, mas também um amor de obediência ao Pai, que não quer a perdição de ninguém. Daí a resposta obediente do Filho: “Eis-me aqui, ó Pai, para fazer a tua vontade!” (Hb 10,7.9)

 

            A atitude do Filho aponta o modelo a ser seguido por todo evangelizador. Não se trata de uma “profissão” escolhida pelo indivíduo; é claramente uma “vocação”, isto é, um chamado que vem de Deus, através da Igreja, que nos convoca a divulgar a Boa Notícia da qual ela é portadora: o Reino está próximo, a salvação permanece disponível a todos, Jesus morreu por nossos pecados. E Paulo grita: “já não há condenação para os que estão em Cristo Jesus”. (Rm 8,1)

 

            Em sua Carta apostólica “Evangelii Gaudium”, o Papa Francisco recorda a todos nós, os batizados, que a vocação ao anúncio do Evangelho não é algo opcional, mas um “dever” de todo cristão. Anúncio que não pode ser imposto, mas que deveria ocorrer por uma espécie de magnetismo, ao contemplarem nossa alegria e nosso estilo de vida.

 

“Por fim, frisamos que a evangelização está essencialmente relacionada com a proclamação do Evangelho àqueles que não conhecem Jesus Cristo ou que sempre O recusaram. Muitos deles buscam secretamente a Deus, movidos pela nostalgia do seu rosto, mesmo em países de antiga tradição cristã. Todos têm o direito de receber o Evangelho. Os cristãos têm o dever de o anunciar, sem excluir ninguém, e não como quem impõe uma nova obrigação, mas como quem partilha uma alegria, indica um horizonte estupendo, oferece um banquete apetecível. A Igreja não cresce por proselitismo, mas por atração.” (EG, 14)

 

            Na fonte de uma vida dedicada ao Evangelho, verifica-se uma experiência filial. É por ser Filho que Jesus acolhe o íntimo anseio do Pai e, prontamente, se despoja dos privilégios divinos para assumir – em toda a sua fragilidade – nossa condição humana. E é com voz e sentimentos humanos que o amor do Pai nos é apresentado pelo Filho encarnado.

 

            Assim também não estaremos dispostos a assumir o anúncio da Boa Nova se não experimentarmos em nós “os mesmos sentimentos de Cristo “ (cf. Fl 2,5), ou seja, se não chegarmos a vivenciar a paternidade de Deus em nossas vidas. É exatamente esta “filiação” que nos faz ver todos os homens como nossos irmãos e desperta nossa responsabilidade por sua salvação. Até lá, seremos estranhos…

 

Orai sem cessar: “Anunciarei teu Nome aos meus irmãos!” (Sl 22,23)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.