05 de Março de 2019

8ª Semana do Tempo Comum - Terça-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

TERÇA FEIRA – VIII SEMANA COMUM

(Verde – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– O Senhor se tornou o meu apoio, libertou-me da angústia e me salvou porque me ama (Sl 17,19).

 

Oração do dia

 

– Fazei, ó Deus, que os acontecimentos deste mundo decorram da paz que desejais e vossa Igreja vos possa servir alegre e tranquila. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Eclo 35,1-15

 

– Leitura do livro do Eclesiástico: 1Aquele que guarda a lei faz muitas oferendas; 2aquele que cumpre os preceitos oferece um sacrifício salutar (3).4Aquele que mostra agradecimento, oferece flor de farinha, e o que pratica a beneficência oferece um sacrifício de louvor. 5O que agrada ao Senhor é afastar-se do mal, e o que o aplaca é deixar a injustiça. 6Não te apresentes na presença de Deus de mãos vazias, 7porque tudo isso se faz em virtude do preceito. 8O sacrifício do justo enriquece o altar, o seu perfume sobe ao Altíssimo. 9A oblação do justo é aceitável, e sua memória não cairá no esquecimento. 10Honra ao Senhor com coração generoso e não regateies as primícias que apresentares. 11Faze todas as tuas oferendas com semblante sereno, e com alegria consagra o teu dízimo. 12Dá a Deus segundo a doação que ele te fez, e com generosidade, conforme as tuas posses; 13porque ele é um Deus retri­buidor, e te recompensará sete vezes mais. 14Não tentes corrompê-lo com presentes: ele não os aceita; 15nem confies em sacrifício injusto, porque o Senhor é um juiz que não faz discriminação de pessoas.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 50,5-6.7-8.14.23 (R: 23b)

 

– A todos que procedem retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.
R: A todos que procedem reta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– “Reuni à minha frente os meus eleitos, que selaram a Aliança em sacrifícios!” Testemunha o próprio céu seu julgamento, porque Deus mesmo é juiz e vai julgar.

R: A todos que procedem reta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– “Escuta, ó meu povo, eu vou falar; ouve, Israel, eu testemunho contra ti: Eu, o Senhor, somente eu, sou o teu Deus! Eu não venho censurar teus sacrifícios, pois sempre estão perante mim teus holocaustos.

R: A todos que procedem reta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Imola a Deus um sacrifício de louvor e cumpre os votos que fizeste ao Altíssimo. Quem me oferece um sacrifício de louvor, este sim é que me honra de verdade. A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus

R: A todos que procedem reta­mente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.
 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Graças te dou ó, Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelastes os mistérios do teu reino aos pequeninos, escondendo-os dos doutores  (Mt 11,25).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 10,28-31.

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, 28começou Pedro a dizer a Jesus: “Eis que nós deixamos tudo e te seguimos” 29Respondeu Jesus: “Em verdade vos digo, quem tiver deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, campos, por causa de mim e do Evangelho, 30receberá cem vezes mais agora, durante esta vida – casa, irmãos, irmãs, mães, filhos e campos, com perseguições – e, no mundo futuro, a vida eterna. 31Muitos que agora são os primeiros serão os últimos. E muitos que agora são os últimos serão os primeiros”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

São José da Cruz

- por Padre Alexandre Fernandes

São João José da Cruz, santo do dia de hoje, nasceu no século XVII, em 1625, na Ísquia, em Napóles, na Itália, e ainda muito novo descobriu seu chamado para uma consagração total. Chegou a cogitar a vida sacerdotal, mas então pode perceber que por muitas vezes o sacerdócio era buscado apenas para a obtenção de honras e dignidades.

João José pensou melhor e então descobriu que na verdade o que Deus queria era que ele fosse um religioso. Desta forma, tendo tal discernimento, ele partiu para a vida de eremita, segundo a Ordem de São Pedro de Alcântara.

O santo do dia então passou a viver uma vida de oração profunda. Ele se alimentava e dormia somente o necessário para sobreviver.

São João José da Cruz então recebeu a confiança de seus superiores e foi enviado para Piemonte, em Ávila. O objetivo era que ele começasse lá um novo mosteiro, e de maneira braçal ele iniciou a construção do local.

Foi por meio de sua perseverança, da Providência Divina e com a ajuda do povo que São João José da Cruz conseguiu construir o mosteiro em 1671. Ele recebeu de Deus o dom dos milagres, e assim, muitos eram aqueles que o procuravam. O santo do dia 05 de março apresentava ao povo o Senhor Jesus e levava todos à oração.

O santo do dia de hoje também foi mestre dos noviços e depois provincial e geral da Ordem Franciscana. Sua vida fou austera, despojada de tudo. Sua vestimenta era composta por um hábito de pano grosseiro que ele usou durante 65 anos, até que faleceu.

São José da Cruz fugiu das dignidades eclesiásticas e levou uma vida eremítica para se exercitar unicamente na penitência e na oração. Era profundamente austero, comia pouco e só uma vez ao dia, dormi apoucas horas, levantando-se a meia noite para agradecer a Deus pelo novo dia.

Santo do dia de hoje, São João José da Cruz, ou simplesmente São José da Cruz, dedicou sua vida aos pobres, sempre os socorrendo em suas necessidades.

Ele morreu no ano de 1737, com 84 anos de idade e foi canonizado por pelo Papa Gregório VXI.

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Deixamos tudo… (Mc 10, 28-31)

 

            Então, amigo Pedro, vocês deixaram tudo por Jesus… Tudo, mesmo? Ora, eu sei muito bem o que vocês deixaram… Uma barca velha, cansada de vogar. Umas redes podres, que vocês viviam remendando (cf. Mc 1,19). Um lago pobre, que só dava peixes quando o Mestre fazia milagres (cf. Lc 5,5-7; Mt 17,27; Jo 21,6-8). Grande coisa vocês deixaram!!!

 

            Bem, não devo exagerar: reconheço que deixaram também o velho pai e por certo romperam com certas garantias. Levi-Mateus deixou sua “produtiva” coletoria de impostos. Mesmo assim, que bela vantagem vocês levaram! Entre Jesus e “tudo”, vocês não tinham mesmo que hesitar…

 

            Você se lembra de Paulo de Tarso? Após conhecer Jesus na estrada de Damasco, também ele abriu mão de tudo para seguir o Mestre: pátria, raça, a Lei, a cidadania. Lembra suas palavras? “Todas essas coisas, que para mim eram ganhos, eu as considerei como esterco por causa de Cristo!” (Fl 3,7)

 

            Desde esse dia, à margem do lago, vocês levaram vida de peregrinos, quase uns mendigos, palmilhando as estradas da Palestina poeirenta. Mas valeu a pena ser mendigo de coisas e ter o coração cheio de amor, não é?

 

            Aliás, foi pensando nisso que escrevi meu soneto “O Mendigo Feliz”:

 

Nada tenho de meu. Nada de mim.

Meu derradeiro asse – meu seguro –

Caiu das minhas calças pelo furo

E do bolso rolou pelo jardim.

 

            Assento-me no banco, entre o jasmim

            E a roseira de hálito tão puro,

            Que estende suas flores sobre o muro,

            Sangrando no cimento o seu carmim…

 

Sou mendigo. Assento-me na praça

Para esperar – quem sabe? – o Amor que passa

E traz a esmola humilde que eu nem quis…

 

            Apenas um mendigo sem um nome,

            Mas se o Amor me vem matar a fome,

            Posso morrer… Mendigo, mas feliz…

 

Orai sem cessar: “De todo o meu coração eu te procuro, Senhor!” (Sl 119,10)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

26ª Semana do Tempo Comum