06 de Janeiro de 2020

Epifania do Senhor -Segunda-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

SEGUNDA FEIRA – SEMANA EPIFANIA
(branco, pref. da Epifania ou do Natal – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Raiou para nós um dia de bênçãos: vinde, nações, e adorai o Senhor; grande luz desceu sobre a terra!

 

Oração do dia

 

– Nós vos pedimos, ó Deus, que o esplendor da vossa glória ilumine os nossos corações para que, passando pelas trevas deste mundo, cheguemos à pátria da luz que não se extingue. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho,na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: 1 Jo 3, 22-4,6

 

– Leitura da primeira carta de são João – Caríssimos: 22qualquer coisa que pedimos recebemos dele, porque guardamos os seus mandamentos e fazemos o que é do seu agrado. 23Este é o seu mandamento: que creiamos no nome do seu Filho, Jesus Cristo, e nos amemos uns aos outros, de acordo com o mandamento que ele nos deu.24Quem guarda os seus mandamentos permanece com Deus e Deus permanece com ele. Que ele permanece conosco, sabemo-lo pelo Espírito que ele nos deu. 4,1Caríssimos, não acrediteis em qualquer espírito, mas examinai os espíritos para ver se são de Deus, pois muitos falsos profetas vieram ao mundo. 2Este é o critério para saber se uma inspiração vem de Deus: todo espírito que leva a professar que Jesus Cristo veio na carne é de Deus; 3e todo espírito que não professa a fé em Jesus não é de Deus; é o espírito do Anticristo. Ouvistes dizer que o Anticristo virá; pois bem, ele já está no mundo.4Filhinhos, vós sois de Deus e vós vencestes o Anticristo. Pois convosco está quem é maior do que aquele que está no mundo. 5Os vossos adversários são do mundo; por isso, agem conforme o mundo, e o mundo lhes presta ouvidos. 6Nós somos de Deus. Quem conhece a Deus, escuta-nos; quem não é de Deus não nos escuta. Nisto reconhecemos o espírito da verdade e o espírito do erro.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 2,7-8.10-11 (R: 8a)

 

– Eu te darei por tua herança os povos todos.
R: Eu te darei por tua herança os povos todos.

– O decreto do Senhor promulgarei, foi assim que me falou o Senhor Deus: “Tu és o meu Filho, e eu hoje te gerei”!  Podes pedir-me, e em resposta eu te darei por tua herança os povos todos e as nações, e há de ser a terra inteira o teu domínio.

R: Eu te darei por tua herança os povos todos.

– E agora, poderosos, en­tendei; soberanos, aprendei esta lição: Com temor servi a Deus, rendei-lhe glória e prestai-lhe homenagem com respeito!

R: Eu te darei por tua herança os povos todos.
 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

 – Jesus pregava a boa-nova, o reino anunciando, e curava toda espécie de doenças entre o povo (Mt 4,23).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt  4, 12-17.23-25

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

– Glória a vós, Senhor!  

– Naquele tempo, 12Ao saber que João tinha sido preso, Jesus voltou para a Galileia. 13Deixou Na­zaré e foi morar em Cafarnaum, que fica às margens do mar da Galileia, 14no território de Zabulon e Neftali, para se cumprir o que foi dito pelo profeta Isaías: 15“Terra de Zabulon, terra de Neftali, caminho do mar, região do outro lado do rio Jordão, Galileia dos pagãos! 16O povo que vivia nas trevas viu uma grande luz; e para os que viviam na região escura da morte brilhou uma luz”. 17Daí em diante, Jesus começou a pregar, dizendo: “Convertei-vos, porque o Reino dos Céus está próximo”. 23Jesus andava por toda a Galileia, ensinando em suas sinagogas, pregando o Evangelho do Reino e curando todo tipo de doença e enfermidade do povo. 24E sua fama espalhou-se por toda a Síria. Levaram-lhe todos os doentes, que sofriam diversas enfermidades e tormentos: endemoninhados, epilépticos e paralíticos. E Jesus os curava. 25Numerosas multidões o seguiam, vindas da Galileia, da Decápole, de Jerusalém, da Judeia, e da região além do Jordão.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

Santa Rafaela Maria

- por Padre Alexandre Fernandes

Santa Rafaela, com sua irmã de sangue, fundou a Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus

Nasceu em Córdova, na Espanha, no ano de 1850. Juntamente com sua irmã de sangue, fundou a Congregação das Escravas do Sagrado Coração de Jesus. Dedicadas à adoração ao Santíssimo Sacramento e ao cuidado das crianças, Santa Rafaela ocupou o cargo de Madre Superiora e sua irmã – co-fundadora – de ecônoma geral. Mas, no ano de 1893, a irmã de Santa Rafaela foi partilhando com outras conselheiras a ponto de convencê-las de que sua irmã, Santa Rafaela Maria, por não ser apta na economia, também não poderia continuar governando a congregação. Diante daquele consenso, ela deixou o cargo e sua irmã o ocupou e foi superiora durante 10 anos.

Nos 22 anos de vida que restaram a essa grande serva de Deus, ela viveu na humildade, fazendo os serviços que davam a ela sempre com muito amor e obediência na graça de Deus. Santa Rafaela Maria foi uma verdadeira adoradora diante do Santíssimo Sacramento. Ao falecer, em 1925, partiu para a glória. Não passou muito tempo, veio à luz toda a trama de sua irmã, que não foi reconhecida como santa.

Santa Rafaela Maria, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Convertei-vos! (Mt 4,12-17.23-25)

 

            O mesmo imperativo da pregação de João Batista é agora assumido por Jesus: “Convertei-vos!” Pena que o conceito de “conversão” tenha sido tão distorcido, tão deteriorado!

 

            Quando se fala em “conversão”, logo se pensa em alguma perda. “Eu me converti: deixei de beber.” “Ele se converteu: deixou de fumar.” Ora, a conversão no sentido do Evangelho é uma conversão “para”… É uma reviravolta na direção de Alguém. Na direção de Deus, na pessoa de Jesus Cristo. É um redirecionamento em vista de uma amizade definitiva. Conversão é um encontro pessoal com Cristo.

 

            Na recente Carta apostólica “Evangelii Gaudium” [24/11/2013], o Papa Francisco escrevia: “Não me cansarei de repetir estas palavras de Bento XVI que nos levam ao centro do Evangelho: ‘Ao início do ser cristão, não há uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá à vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo’.

 

Somente graças a este encontro – ou reencontro – com o amor de Deus, que se converte em amizade feliz, é que somos resgatados da nossa consciência isolada e da autorreferencialidade. Chegamos a ser plenamente humanos, quando somos mais do que humanos, quando permitimos a Deus que nos conduza para além de nós mesmos a fim de alcançarmos o nosso ser mais verdadeiro. Aqui está a fonte da ação evangelizadora. Porque, se alguém acolheu este amor que lhe devolve o sentido da vida, como é que pode conter o desejo de o comunicar aos outros?” (EG, 7-8)

 

            Assim sendo, o convite à conversão não significa prejuízo nem perdas, mas, ao contrário, a possibilidade imediata de entrar na posse de um amor pleno e plenificante, fruindo da proximidade, da intimidade e do amor de Deus.

 

            Isto fica bem claro na profecia de Isaías citada neste Evangelho: trata-se de uma “passagem”, uma mudança de situação: “O povo que estava nas trevas viu uma grande luz”.

 

            Claro, segundo o ditado popular, “o pior cego é aquele que não quer ver”. E aí está o terrível mistério da recusa da luz. Acostumado à sombra da caverna, perdido em elucubrações íntimas, o homem corre o risco de preferir as trevas. E isto não se faz sem culpa…

 

Orai sem cessar: “… e à tua luz, vemos a luz.” (Sl 36,9)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.