07 de Julho de 2019

14ª semana comum - Domingo

- por Padre Alexandre Fernandes

DOMINGO DA XIV DO TEMPO COMUM
(verde, glória, creio – II semana do saltério)

 

Antífona da entrada

 

– Recebemos, ó Deus, a vossa misericórdia no meio do vosso templo. Vosso louvor se estenda, como vosso nome, até os confins da terra; toda a justiça se encontra em vossas mãos (Sl 47,10).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que pela humilhação do vosso Filho reerguestes o mundo decaído, enchei os vossos filhos e filhas de santa alegria e daí aos que libertastes da escravidão do pecado o gozo das alegrias eternas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Is: 66,10-14c

– Leitura do livro do profeta Isaías: 10 Alegrai-vos com Jerusalém e exultai com ela, todos vós, que a amais; tomai parte em seu júbilo, todos vós, que choráveis por ela, 11 para poderdes sugar e saciar-vos ao seio de sua consolação, e aleitar-vos e deliciar-vos aos úberes de sua glória. 12 Isto diz o Senhor: “Eis que farei correr para ela a paz como um rio e a glória das nações como torrente transbordante. Sereis amamentados, carregados ao colo e acariciados sobre os joelhos. 13 Como uma mãe que acaricia o filho, assim eu vos consolarei; e sereis consolados em Jerusalém. 14c Tudo isso haveis de ver e o vosso coração exultará, e o vosso vigor se renovará como a relva do campo. A mão do Senhor se manifestará em favor de seus servos”.

 

– Palavra do senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 66, 1-3a.4-5.6-7a.16.20 (R: 1)

 

– Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira!

R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira!

 

– Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, cantai salmos a seu nome glorioso,/ dai a Deus a mais sublime louvação!/ Dizei a Deus: “Como são grandes vossas obras!

R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira!

 

– Toda a terra vos adore com respeito/ e proclame o louvor do vosso nome!” Vinde ver todas as obras do Senhor: seus prodígios estupendos entre os homens!

R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira!

 

– O mar ele mudou em terra firme, e passaram pelo rio a pé enxuto, Exultemos de alegria no Senhor! Ele domina para sempre com poder!

R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira!

 

– Todos vós que a Deus temeis, vinde escutar: vou contar-vos todo bem que ele me fez! Bendito seja o Senhor Deus que me escutou, não rejeitou minha oração e meu clamor, nem afastou longe de mim o seu amor!

R: Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira!

 

2ª Leitura: Gl 6,14-18

– Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas: Irmãos: 14 Quanto a mim, que eu me glorie somente da cruz do Senhor nosso, Jesus Cristo. Por ele, o mundo está crucificado para mim, como eu estou crucificado para o mundo. 15 Pois nem a circuncisão nem a incircuncisão têm valor; o que conta é a criação nova. 16 E para todos os que seguirem esta norma, como para o Israel de Deus, paz e misericórdia. 17 Doravante, que ninguém me moleste, pois eu trago em meu corpo as marcas de Jesus. 18 Irmãos, a graça do Senhor nosso, Jesus Cristo, esteja convosco. Amém!

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

 – A paz de Cristo reine em vossos corações; ricamente habite em vós sua palavra!  (Cl 3,15a).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 10,1-12.17-20

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, 1 o Senhor escolheu outros setenta e dois discípulos e os enviou dois a dois, na sua frente, a toda cidade e lugar aonde ele próprio devia ir. 2 E dizia-lhes: “A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Por isso, pedi ao dono da messe que mande trabalhadores para a colheita. 3 Eis que vos envio como cordeiros para o meio de lobos. 4 Não leveis bolsa, nem sacola, nem sandálias, e não cumprimenteis ninguém pelo caminho! 5 Em qualquer casa em que entrardes, dizei primeiro: ‘A paz esteja nesta casa!’ 6 Se ali morar um amigo da paz, a vossa paz repousará sobre ele; se não, ela voltará para vós. 7 Permanecei naquela mesma casa, comei e bebei do que tiverem, porque o trabalhador merece o seu salário. Não passeis de casa em casa. 8 Quando entrardes numa cidade e fordes bem recebidos, comei do que vos servirem, 9 curai os doentes que nela houver e dizei ao povo: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’. 10 Mas, quando entrardes numa cidade e não fordes bem recebidos, saindo pelas ruas, dizei: 11 ‘Até a poeira de vossa cidade, que se apegou aos nossos pés, sacudimos contra vós. No entanto, sabei que o Reino de Deus está próximo!’ 12 Eu vos digo que, naquele dia, Sodoma será tratada com menos rigor do que essa cidade”. 17 Os setenta e dois voltaram muito contentes, dizendo: “Senhor, até os demônios nos obedeceram por causa do teu nome”. 18 Jesus respondeu: “Eu vi Satanás cair do céu, como um relâmpago. 19 Eu vos dei o poder de pisar em cima de cobras e escorpiões e sobre toda a força do inimigo. E nada vos poderá fazer mal. 20 Contudo, não vos alegreis porque os espíritos vos obedecem. Antes, ficai alegres porque vossos nomes estão escritos no céu”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

Santo Adriano

- por Padre Alexandre Fernandes

Santo Adriano sofreu todas as pressões para negar a fé em Cristo e na Igreja

Adriano viveu no século IV. Era casado com Natália. Recebia oração e via o testemunho de sua esposa nas pequenas coisas, na fidelidade, no amor a Deus e a ele.

Adriano pertencia à chefia da guarda romana, onde o Imperador Diocleciano perseguia duramente os cristãos. Numa ocasião, foram presos 22 cristãos, que testemunharam Jesus perante os tribunais. O coração de Adriano se decidiu por Cristo naquele momento e quis pertencer ao número daqueles heróis do Senhor. Decidiu-se por Cristo, foi preso, sofreu todas as pressões para negar a fé em Cristo e na Igreja.

Natália acompanhou tudo e orava pela fidelidade de seu esposo a Cristo. Adriano teve uma última chance de declarar seu amor à esposa e foi martirizado, queimado vivo, juntamente com os outros 22 cristãos.

Santo Adriano, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

A messe é grande! (Lc 10,1-12.17-20)

 

            A visão do mal deve inspirar o bem. São numerosos os santos que sentiram o chamado de Deus a partir da contemplação da miséria humana. Madre Teresa de Calcutá e Dom Bosco são dois exemplos palpáveis desta experiência. Se a messe não estivesse madura, o Senhor não teria enviado os ceifadores.

 

            Helmut Gollwitzer comenta esta passagem do Evangelho em que Jesus envia os setenta e dois discípulos: “A função do discípulo é um ministério de arauto. O embaixador precede o rei. Ele está a par de sua vontade. Anuncia sua decisão de vir. Ele não pergunta a seus ouvintes se isso lhes convém. Não reclama favor algum para o rei, mas se contenta em declarar: ‘O Reino de Deus está próximo de vós’”.

 

            É evidente a iniciativa do Senhor. É dele que parte esse mandato capaz de arrastar seu enviado para regiões remotas e sustentá-lo entre perseguições e tribunais. “Uma pregação poderosa pressupõe uma ordem de Cristo como fundamento de sua segurança” – diz Gollwitzer. “Como pregar sem ser antes enviado? (cf. Rm 10,15) Jesus não ordena a seus discípulos que contratem trabalhadores ou que se ponham eles mesmos no trabalho, mas manda rezar (cf. Lc 10,2b) para que o Senhor da messe envie ele mesmo operários para seu campo.”

 

            Nossa realidade aponta para outra direção. São tempos de renovado pelagianismo. A ação supera a oração. Os homens e mulheres da Igreja arregaçam as mangas, suam a camisa, atravessam oceanos em missão, contando acima de tudo com os recursos humanos: planos pastorais, campanhas de todo tipo, shows de massa, meios de comunicação, táticas de marketing para “vender a imagem” da Igreja.

 

            Um exemplo desta triste deriva ocorreu nos EUA, nos anos 90: um mosteiro de monjas beneditinas foi (mal) aconselhado a fazer na mídia uma “campanha de vocações”. Investiram um bom dinheiro e, após alguns meses, atraíram 02 candidatas, uma das quais não perseverou.

 

            Sim, a messe é grande. Os operários são poucos. Mas não conseguiremos aumentar o número de operários com métodos humanos. Cada novo missionário do Evangelho é um milagre da graça de Deus, aquele toca os corações e os atrai irresistivelmente, mesmo que seu alvo seja um gozador da vida, como Charles de Foucauld, ou uma freira bem instalada como Teresa de Calcutá.

 

            Quando começaremos a rezar?

 

Orai sem cessar: “Pede-me, e te darei como herança as nações…” (Sl 2,8)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

 

14º Domingo do Tempo Comum