07 de Março de 2020

1a Semana da Quaresma. Sábado

- por Padre Alexandre Fernandes

SABADO – l SEMANA DA QUARESMA

(Roxo, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– A lei do Senhor é perfeita conversão para alma. O testemunho do Senhor é verdadeiro, sabedoria para os simples (Sl 18,8).

 

Oração do dia

 

– Convertei para vós, ó Pai, nossos corações, a fim de que, buscando sempre o único necessário e praticando obras de caridade, nos dediquemos ao vosso culto. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Dt 26,16-19

 

– Leitura do livro do Deuteronômio: Moisés dirigiu a palavra ao povo de Israel e lhe disse: 16“Hoje, o Senhor teu Deus te manda cumprir esses preceitos e decretos. Guarda-os e observa-os com todo o teu coração e com toda a tua alma.  17Tu escolheste hoje o Senhor para ser o teu Deus, para seguires os seus caminhos, e guardares seus preceitos, mandamentos e decretos, e para obedecerdes à sua voz. 18E o Senhor te escolheu, hoje, para que sejas para ele um povo particular, como te prometeu, a fim de observares todos os seus mandamentos. 19Assim ele te fará ilustre entre todas as nações que criou, e te tornará superior em honra e glória, a fim de que sejas o povo santo do Senhor teu Deus, como ele disse”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 119,1-2.4-5.7-8 (R: 1b)

 

– Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo!
R: Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo!

– Feliz o homem sem pecado em seu caminho, que na lei do Senhor Deus vai progredindo! Feliz o homem que observa seus preceitos, e de todo o coração procura Deus!

R: Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo!

– Os vossos mandamentos vós nos destes, para serem fielmente observados. Oxalá seja bem firme a minha vida em cumprir vossa vontade e vossa lei!

R: Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo!

– Quero louvar-vos com sincero coração, pois aprendi as vossas justas decisões. Quero guardar vossa vontade e vossa lei; Senhor, não me deixeis desamparado!

R: Feliz é quem na lei do Senhor Deus vai progredindo!
 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 5,43-48

 

Salve, ó Cristo, imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

Salve, ó Cristo, imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

 

– Eis o tempo de conversão; eis o dia da salvação (2Cor 6,2).

 

Salve, ó Cristo, imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 43“Vós ouvistes o que foi dito: ‘Amarás o teu próximo e odiarás o teu inimigo!’ 44Eu, porém, vos digo: Amai os vossos inimigos e rezai por aqueles que vos perseguem! 45Assim, vos tornareis filhos do vosso Pai que está nos céus, porque ele faz nascer o sol sobre maus e bons, e faz cair a chuva sobre justos e injustos. 46Porque, se amais somente aqueles que vos amam, que recompensa tereis? Os cobradores de impostos não fazem a mesma coisa? 47E se saudais somente os vossos irmãos, o que fazeis de extraordinário? Os pagãos não fazem a mesma coisa? 48Portanto, sede perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

Santas Perpétua e Felicidade - Mártires do segundo século

- por Padre Alexandre Fernandes

Numa perseguição que se desencadeou em Cartago, foram presos nesta cidade cinco catecúmenos, entre os quais uma escrava chamada Felicidade e uma mulher, ainda nova e de posição, chamada Perpétua. A primeira estava grávida de oito meses e a segunda tinha uma criança de peito. Receberam o batismo enquanto estavam presas.

Permitiram a Perpétua que levasse consigo o filho para o cárcere. Chegado o interrogatório, ambas confessaram abertamente a fé e foram condenadas a ser lançadas às feras no aniversário do imperador Geta. A mãe foi então separada do seu filhinho. “Deus permitiu que ele não voltasse a pedir o peito e que ela não fosse mais atormentada com o leite”, escreveu Perpétua no diário que foi fazendo até o dia da sua morte. Narra em seguida uma visão em que lhe apareceu seu irmão Dinócrates, ao sair do Purgatório graças às suas orações, e outra em que lhe foi prometida a assistência divina no último combate.

Felicidade receava que, devido ao seu estado, não lhe permitissem morrer com a companheira, mas, três dias antes dos espetáculos públicos, deu à luz. Como as dores do parto lhe arrancassem gritos, um dos carcereiros observou-lhe: “Se tu te lamentas já dessa maneira, que será quando fores lançada às feras?”. “Hoje sou eu que sofro, respondeu a escrava; nesse dia, sofrerá por mim Aquele por quem eu sofro”. Deu à luz uma menina que foi adotada por uma mulher cristã.

Santas Perpétua e Felicidade foram até as últimas consequências defendendo a fé que professavam

Perpétua e Felicidade entraram alegremente no anfiteatro com os três companheiros. Envolveram-nas numa rede e entregaram-nas às arremetidas duma vaca furiosa. O povo cansou-se depressa de ver torturar as duas jovens mães, uma das quais ia perdendo o leite, e pediu que se acabasse com aquele espetáculo. Abraçaram-se então pela última vez. Felicidade recebeu o golpe de misericórdia impavidamente. Perpétua caiu nas mãos dum gladiador desastrado que falhou o golpe, “tendo-se visto ela própria na necessidade de dirigir contra o pescoço a mão trêmula do gladiador inexperiente”. Estes martírios deram-se na era de 203.

Santas Perpétua e Felicidade, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Amai os vossos inimigos! (Mt 5,43-48)

 

            Os amigos, nós escolhemos. Os inimigos, não. Muitas vezes, já nascemos com inimigos. Perguntem à criança palestina, cujo pai morreu antes que ela nascesse, fuzilado por uma patrulha israelense… Perguntem ao menino negro do Sul dos EUA, que não podia sentar-se no ônibus se houvesse brancos na mesma viagem… Perguntem à jovem croata, cujo filho nasceu depois de ser estuprada por um soldado sérvio… Aí, vem o Senhor Jesus – aquele que mataram em uma cruz – e diz-nos com voz suave e firme: “Amai os vossos inimigos!” Ah! Parece impossível! Fazer como Estevão, o primeiro mártir, que rezou enquanto era lapidado: “Senhor, não lhes leves em conta este pecado!” (At 6,60.)

 

            Bem, pode não ser fácil, mas Jesus Cristo não nos pediria algo impossível. Todos sabem que ele tinha um QI bem alto, não diria nenhuma besteira para nós! É que o Mestre tem algo em mente, um elevado ideal a ser perseguido por nós. É como se dissesse: “Afinal, vocês querem, ou não, ser filhos do Pai do Céu? Ele, que faz o sol nascer para todos – os justos, seus amigos, e os injustos, seus inimigos! E manda a chuva cair no quintal de uns e de outros, igualmente…”

 

            E arremata: “Sede perfeitos como vosso Pai Celeste!”

 

            Então é isto! O Pai Celeste não conhece o ódio. Ele é todo amor. Se nosso coração também ficar cheio de seu amor, também esvaziaremos o ódio de nosso interior. Se o Espírito de Deus mover nossas emoções e sentimentos, então os nossos atos serão também marcados pelo amor.

 

            Alguém dirá: Você não conhece meu patrão! Você não conhece meu vizinho! Você não conhece minha sogra! E eu direi: É verdade. Não os conheço. Mas eu ME conheço. Sei de meus defeitos. Sei de meus pecados. E preciso ser perdoado e amado, senão minha vida será um inferno. E se eu preciso de perdão e de amor, como poderia negar o mesmo amor e o mesmo perdão aos outros?

 

            Bem, vamos fazer um reparo. O cristão não tem inimigos. Pode ser perseguido, caluniado, martirizado, mas se recusa a classificar seu algoz como inimigo. Afinal, se o martírio nos abre a porta do céu, nosso carrasco nos faz imenso bem! E os pequenos algozes de cada dia, aqueles que nos fazem sofrer de mil maneiras, também eles colaboram para nossa santificação. Logo, não são inimigos, são colaboradores…

 

            A quem eu devo perdoar, para merecer o nome de filho de Deus?

 

18ª Semana do Tempo Comum