08 de Outubro de 2019

27ª semana comum Terça-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

TERÇA FEIRA – XXVII SEMANA DO TEMPO COMUM

(Verde, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Senhor, tudo está em vosso poder, e ninguém pode resistir à vossa vontade. Vós fizestes todas as coisas: o céu, a terra e tudo o que eles contêm; sois o Deus do universo! (Est 1,9).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus eterno e todo-poderoso, que nos concedeis, no vosso imenso amor de Pai, mais do que merecemos e pedimos, derramai sobre nós a vossa misericórdia, perdoando o que nos pesa na consciência e dando-nos mais do que ousamos pedir. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Jn 3,1-10

 

– Leitura da profecia de Jonas: 1A palavra do Senhor foi dirigida a Jonas, pela segunda vez: 2“Levanta-te e põe-te a caminho da grande cidade de Nínive e anuncia-lhe a mensagem que eu te vou confiar”. 3Jonas pôs-se a caminho de Nínive, conforme a ordem do Senhor. Ora, Nínive era uma cidade muito grande; eram necessários três dias para ser atravessada. 4Jonas entrou na cidade, percorrendo o caminho de um dia; pregava ao povo, dizendo: “Ainda quarenta dias, e Nínive será destruída”. 5Os ninivitas acreditaram em Deus; aceitaram fazer jejum, e vestiram sacos, desde o superior ao inferior. 6A pregação chegara aos ouvidos do rei de Nínive; ele levantou-se do trono e pôs de lado o manto real, vestiu-se de saco e sentou-se em cima de cinza. 7Em seguida, fez proclamar, em Nínive, como decreto do rei e dos príncipes: “Homens e animais bovinos e ovinos não provarão nada! Não comerão e não beberão água. 8Homens e animais se cobrirão de sacos, e os homens rezarão a Deus com força; cada um deve afastar-se do mau caminho e de suas práticas perversas. 9Deus talvez volte atrás, para perdoar-nos e aplacar sua ira, e assim não venhamos a perecer”. 10Vendo Deus as suas obras de conversão e que os ninivitas se afastavam do mau caminho, compadeceu-se e suspendeu o mal, que tinha ameaçado fazer-lhes, e não o fez.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 130,1-2.3-4ab.7-8 (R: 3)

 

– Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir?
R: Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir?

– Das profundezas eu clamo a vós, Senhor, escutai a minha voz! Vossos ouvidos estejam bem atentos ao clamor da minha prece!

R: Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir?

– Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir? Mas em vós se encontra o perdão, eu vos temo e em vós espero.

R: Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir?

– Espere Israel pelo Senhor mais que o vigia pela aurora! Pois no Senhor se encontra toda graça e copiosa redenção. Ele vem libertar a Israel de toda a sua culpa.

R: Se levardes em conta nossas faltas, quem haverá de subsistir?

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Feliz quem ouve e observa a palavra de Deus (Lc 11,28).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 10,38-42

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

– Glória a vós, Senhor!   

 

– Naquele tempo, 38Jesus entrou num povoado, e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. 39Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor, e escutava a sua palavra. 40Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” 41O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. 42Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

São Luis Beltran

- por Padre Alexandre Fernandes

São Luis se ocupou com a salvação das almas, sem descuidar de profetizar

Luis Beltran nasceu em Valência (Espanha) em 1526, e foi o tipo de jovem aventureiro, aberto aos desafios. Obediente a voz do Senhor, venceu a oposição do pai e ingressou na Ordem Dominicana para ser sacerdote.

Com passos largos em direção à santidade (tinha apenas 23 anos quando recebeu a ordenação sacerdotal), assumiu a importante função de mestre dos noviços, até que decidiu aventurar-se na evangelização do novo mundo. Na Colômbia, Luis Beltran muito se ocupou com a salvação das almas, sem descuidar de profetizar e denunciar as injustiças cometidas contra os indígenas e posteriormente contra os negros escravos.

O preço da conversão de milhares de indígenas espalhados por toda Colômbia foi o sofrimento promovido por exploradores espanhóis. Por duas vezes procuraram envenená-lo e em outras quatro ocasiões o assaltaram ameaçando-o de morte. São Luis não se deixou amedrontar e só voltou para a Espanha pela obediência aos superiores e com a intenção de melhor recrutar e formar apóstolos para a evangelização da América.

Este bondoso amigo de todos assumiu cargos de direção na Ordem Dominicana, exerceu com grande eficácia o ministério da pregação, chegando a operar inúmeras conversões e alcançar milagres. No ano de 1569 São Luis, já na Espanha como formador de futuros missionários, pôde partilhar com palavras o que viveu nas inúmeras missões. Ensinava que a arma mais eficaz na conversão das almas é uma intensa vida de oração e de muito sacrifício, e que a pregação necessita de ser acompanhada pelas boas obras, caso contrário, o mau exemplo destruiria de maneira fatal a proclamação da Boa Nova.

São Luis Beltran faleceu em Valência no ano de 1581, com 56 anos de idade. A tal ponto enriqueceu o povo e a Igreja com sua vivência missionária que o próprio pai, antes de morrer, declarou-lhe: “Meu filho, uma das coisas que mais me afligiu na vida foi ver-te frade, mas hoje, o que me consola é saber-te frade!”

São Luis Beltran, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Andas inquieta… (Lc 10,38-42)

 

            Imagino que Dona Marta tenha muitas qualidades. Muitas virtudes, sem dúvida. Marta é “trabalhadeira”, ativa, está em toda parte. Marta tem mãos de fada na costura e no bordado. Marta é uma excelente cozinheira. Sua casa é um brinco, sem um grão de poeira – dizem as comadres! Mas não é por isso que Marta merece repreensão…

 

            Bem que ela poderia parar um pouquinho, às vezes, e sentar-se para ouvir o Mestre. Mas ela teme por sua imagem: “Que é que vão dizer?” Assim, Marta precisa manter o seu padrão de qualidade aos olhos dos outros. Se vier a interromper sua luta, poderão chamá-la de preguiçosa. E isso, para ela, é intolerável…

 

            Seu pecado maior é a agitação. “Andas inquieta com muitas coisas” – observa o Mestre, abanando a cabeça. Na tradução latina de S. Jerônimo: “turbaris erga plurima”. É o excesso de atividades que a deixa perturbada. Sem paz no coração, como acolher a visita do Senhor?

 

            Neste ruidoso início de milênio, mergulhados até o pescoço em uma sociedade ativa e consumista, muitas pessoas têm sido valorizados por aquilo que, no fundo, é um vício, e não uma virtude: a agitação. Mesmo em plena vida eclesial, ressurge a velha heresia do pelagianismo, que imagina poder salvar (e salvar-se!) à custa de esforço, boa vontade e mangas arregaçadas, sem depender humildemente da graça de Deus. Critérios típicos do mundo socioeconômico – produtividade, eficiência, sucesso – não deixam espaço para a escuta do Espírito que fala aos corações.

 

            Imersos em clima obviamente herético, corremos o risco de centrar em nossas atividades (ou na agitação?) o foco de nossa vida. Em decorrência disso, valoriza-se menos (ou até se despreza…) a oração, a contemplação, a intimidade com a Palavra de Deus. Matriculados na escola de Marta, estes valores passam a ser considerados como “perda de tempo”.

 

            Seria bom olhar em volta e verificar quantos “agentes de pastoral” acabaram vencidos pelo desânimo e pela estafa exatamente por falta do alimento interior que teriam encontrado na vida de oração. Seria imprudência repetir os mesmos erros.

 

            E como disse Jesus, “Maria escolheu a melhor parte”…

 

Orai sem cessar: “Mantenho em calma e sossego a minha alma.” (Sl 131,2)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

18ª Semana do Tempo Comum