09 de Abril de 2019

5ª Semana da Quaresma - Terça-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

TERÇA FEIRA DA V SEMANA DA QUARESMA

(Roxo pref. Paixão I, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Espera no Senhor e sê corajoso! Fortifique-se teu coração; espera no Senhor!  (Sl 26,14).

 

Oração do dia

 

– Concedei-nos ó Deus, perseverar no vosso serviço para que, em nossos dias, cresça em número e santidade o povo que vos serve. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Nm 21,4-9

 

– Leitura do livro dos Números: Naqueles dias, 4os filhos de Israel partiram do monte Hor, pelo caminho que leva ao mar Vermelho, para contornarem o país de Edom. Durante a viagem, o povo começou a impacientar-se, 5e se pôs a falar contra Deus e contra Moisés, dizendo: “Por que nos fizestes sair do Egito para morrermos no deserto? Não há pão, falta água, e já estamos com nojo desse alimento miserável”. 6Então o Senhor mandou contra o povo serpentes venenosas, que os mordiam; e morreu muita gente em Israel. 7O povo foi ter com Moisés e disse: “Pecamos, falando contra o Senhor e contra ti. Roga ao Senhor que afaste de nós as serpentes”. Moisés intercedeu pelo povo, 8e o Senhor respondeu: “Faze uma serpente abrasadora e coloca-a como sinal sobre uma haste; aquele que for mordido e olhar para ela viverá”. 9Moisés fez, pois, uma serpente de bronze e colocou-a como sinal sobre uma haste. Quando alguém era mordido por uma serpente, e olhava para a serpente de bronze, ficava curado.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 102,2-3.16-18.19-21 (R: 2)

 

– Ouvi Senhor, e escutai minha oração e chegue até vós o meu clamor.
R: Ouvi Senhor, e escutai minha oração e chegue até vós o meu clamor.

– Ouvi Senhor, e escutai minha oração, e chegue até vós o meu clamor! De mim não oculteis a vossa face no dia em que estou angustiado! Inclinai o vosso ouvido para mim, ao invocar-vos atendei-me sem demora!

R: Ouvi Senhor, e escutai minha oração e chegue até vós o meu clamor.

– As nações respeitarão o vosso nome, e os reis de toda a terra, a vossa glória; quando o Senhor reconstruir Jerusalém e aparecer com gloriosa majestade, ele ouvirá a oração dos oprimidos e não desprezará a sua prece.

R: Ouvi Senhor, e escutai minha oração e chegue até vós o meu clamor.

– Para as futuras gerações se escreva isto, e um povo novo a ser criado louve a Deus. Ele inclinou-se de seu templo nas alturas, e o Senhor olhou a terra do alto céu, para os gemidos dos cativos escutar e da morte libertar os condenados.

R: Ouvi Senhor, e escutai minha oração e chegue até vós o meu clamor.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 8,21-30

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor.

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor.

 

– Semente é de Deus a palavra, o Cristo é o semeador; todo aquele que o encontra, vida eterna encontrou.

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor.

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo disse Jesus aos fariseus: 21“Eu parto, e vós me procurareis, mas morrereis no vosso pecado. Para onde eu vou, vós não podeis ir”.
22Os judeus comentavam: “Por acaso, vai-se matar? Pois ele diz: ‘Para onde eu vou, vós não podeis ir’?” 23Jesus continuou: “Vós sois daqui debaixo, eu sou do alto. Vós sois deste mundo, eu não sou deste mundo. 24Disse-vos que morrereis nos vossos pecados, porque, se não acreditais que eu sou, morrereis nos vossos pecados”. 25Perguntaram-lhe pois: “Quem és tu, então?” Jesus respondeu: “O que vos digo, desde o começo. 26Tenho muitas coisas a dizer a vosso respeito, e a julgar, também. Mas aquele que me enviou é fidedigno, e o que ouvi da parte dele é o que falo para o mundo”.27Eles não compreenderam que lhes estava falando do Pai. 28Por isso, Jesus continuou: “Quando tiverdes elevado o Filho do Homem, então sabereis que eu sou, e que nada faço por mim mesmo, mas apenas falo aquilo que o Pai me ensinou. 29Aquele que me enviou está comigo. Ele não me deixou sozinho, porque sempre faço o que é de seu agrado”. 30Enquanto Jesus assim falava, muitos acreditaram nele.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

São Leopoldo Mandic

- por Padre Alexandre Fernandes

O santo de hoje foi um herói dos confessionários. Nasceu na Dalmácia (ex-Iugoslávia) no ano de 1866, dentro de uma família croata, que o formou bem para a vida com Deus e para o amor aos irmãos.

Foi discernindo sua vocação, e aos 16 anos tomou uma decisão: queria servir a Deus promovendo a reconciliação, a reunificação dos cristãos ortodoxos na Igreja Católica. E o Espírito Santo o encaminhou para entrar na vida franciscana.

Leopoldo tinha a saúde muito fragilizada e, ao mesmo tempo, aquele desejo de ir para o Oriente e promover a comunhão dos cristãos.

Ingressou na Ordem Franciscana em 1884 e em 1890 já era sacerdote. Seu pedido era insistente a seus superiores, para que o enviasse para essa missão de unificação, mas dentro do discernimento e de sua debilidade física, ele tinha que obedecer e ir de convento em convento, até que em 1909 chegou em Pádua, na Itália, no Convento de Santa Cruz.

Esse frade descobriu em cada alma o seu ‘Oriente’. E por obediência e amor, atendia-os por horas, sempre em espírito de oração e de abertura aos carismas do Espírito Santo.

Com 76 anos partiu para o Céu, e hoje intercede por nós.

São Leopoldo Mandic, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Sou do alto… (Jo 8,21-30)

 

            Diante da figura humana de Jesus, os judeus de seu tempo experimentavam a mais absoluta in-compreensão. “Quem é esse homem?” (Cf. Mc 4,41) E é compreensível a sua estranheza. Jesus de Nazaré não havia estudado nas prestigiosas escolas farisaicas, mas dominava a Lei como ninguém. Falava com humilde sotaque de galileu, mas superava a mais refinada filosofia clássica. Vivera trinta anos como carpinteiro, mas deixava sem saída os doutores da Lei.

 

            Claro, a in-compreensão dos contemporâneos (aqui incluída a própria “família” de Jesus, cf. Mc 3,1) brota de sua incapacidade de ir além da aparência humana e terrestre do Rabi. Ele só poderia ser corretamente entendido a partir do momento em que o reconhecessem como alguém que é “do alto”. E Jesus se apresenta como quem não é aqui “de baixo” (ek ton káto, da região inferior) como seus ouvintes, mas lá “de cima” (ek ton áno, da região superna, isto é, do céu).

 

            “Barrentos” que somos, filhos do primeiro Adão, nós tentamos reduzir tudo às dimensões do húmus (humanas, claro!). E diante de nós, no entanto, está Aquele que “desceu” do Altíssimo e assumiu nossa humanidade, mas permanece divino, superando tudo aquilo que a humana ciência poderia dizer sobre o Cosmo, a matéria e… o psiquismo humano.

 

Em vão se esforçam os céticos e o racionalistas, na insana tentativa de reduzir o Jesus “que vem do alto” a alguma das categorias aqui de baixo: um sábio, um cérebro superior, um “iluminado”, um homem bonzinho tão maltratado, um E.T., um grande líder, um guerrilheiro – sabe-se lá que mais!

 

            Daí a frase aparentemente hermética que Jesus falou a Nicodemos (Jo 3,1-21), na escuridão da noite: “Necessário vos é nascer do alto” (gennethênai ánothen). Enquanto não nascemos do Espírito e permanecemos orientados por uma visão simplesmente terrestre e material, Jesus permanecerá um enigma para nós…

 

            E quando esse re-nascimento nos for dado (você o quer?), nosso coração será invadido por um sentimento da mais suave gratidão, pois então saberemos que Aquele que era “do alto” desceu e veio a nós: “o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14). Na Ascensão, já subindo de volta ao Pai, Jesus abre-nos o caminho para a mesma subida, vivendo (desde já) como quem busca o alto. E entenderemos o conselho de Paulo: “Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto…” (Cl 3,1)

 

            Nós não somos vermes para passar a vida inteira a rastejar. Pulsa em nosso coração uma sede das alturas…

 

Orai sem cessar: “Levanto os olhos para vós, que habitais nos céus.” (Sl 122,1)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.