09 de Abril de 2020

Semana da Santa Quinta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

QUINTA FEIRA – CEIA DO SENHOR

(branco, glória pref. da eucaristia, ofício próprio)

 

Antífona da entrada

 

– A cruz do nosso Senhor Jesus Cristo deve ser nossa glória: nele está nossa vida e ressurreição; foi ele que nos salvou e libertou (Gl 6,14).

 

Oração do dia

 

– Ó Pai, estamos reunidos para santa ceia, na qual o vosso Filho único, ao entregar-se à morte, deu à sua Igreja um novo e eterno sacrifício, como banquete do seu amor. Concedei-nos, por mistério tão excelso, chegar à plenitude da caridade e da vida. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Ex 12,1-8.11-14

 

– Leitura do livro do Êxodo: Naqueles dias: 1O Senhor disse a Moisés e a Aarão no Egito: 2” Este mês será para vós o começo dos meses; será o primeiro mês do ano. 3Falai a toda a comunidade dos filhos de Israel, dizendo: ‘No décimo dia deste mês, cada um tome um cordeiro por família, um cordeiro para cada casa. 4Se a família não for bastante numerosa para comer um cordeiro, convidará também o vizinho mais próximo, de acordo com o número de pessoas. Deveis calcular o número de comensais, conforme o tamanho do cordeiro. 5O cordeiro será sem defeito, macho, de um ano. Podereis escolher tanto um cordeiro, como um cabrito: 6e devereis guardá-lo preso até ao dia catorze deste mês. Então toda a comunidade de Israel reunida o imolará ao cair da tarde. 7Tomareis um pouco do seu sangue e untareis os marcos e a travessa da porta, nas casas em que o comerem. 8Comereis a carne nessa mesma noite, assada ao fogo, com pães ázimos e ervas amargas. 11Assim devereis comê-lo: com os rins cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. E comereis às pressas, pois é a Páscoa, isto é, a ‘Passagem’ do Senhor!
12E naquela noite passarei pela terra do Egito e ferirei na terra do Egito todos os primogênitos, desde os homens até os animais; e infligirei castigos contra todos os deuses do Egito, eu, o Senhor. 13O sangue servirá de sinal nas casas onde estiverdes. Ao ver o sangue, passarei adiante, e não vos atingirá a praga exterminadora, quando eu ferir a terra do Egito. 14Este dia será para vós uma festa memorável em honra do Senhor, que haveis de celebrar por todas as gerações, como instituição perpétua.
 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 116B,12-13.15-16bc.17-18 (R: 1Cor 10,16)

 

– O Cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

R: O Cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

 

– Que poderei retribuir ao Senhor Deus por tudo aquilo que ele fez em meu favor? Levo o cálice da minha salvação, invocando o nome santo do Senhor.

R: O Cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

 

È sentida por demais pelo Senhor a morte de seus santos, seus amigos. Eis que sou o vosso servo, ó Senhor, mas me quebrastes os grilhões da escravidão!

R: O Cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

 

Por isso oferto um sacrifício de louvor, invocando o nome santo do senhor. Vou cumprir minhas promessas ao Senhor na presença de seu povo reunido.

R: O Cálice por nós abençoado é a nossa comunhão com o sangue do Senhor.

 

2ª Leitura: 1 Cor 11,23-26

 

– Leitura da primeira carta de são Paulo aos Coríntios: Irmãos: 23O que eu recebi do Senhor foi isso que eu vos transmiti: Na noite em que foi entregue, o Senhor Jesus tomou o pão 24e, depois de dar graças, partiu-o e disse: “Isto é o meu corpo que é dado por vós. Fazei isto em minha memória”. 25Do mesmo modo, depois da ceia, tomou também o cálice e disse: “Este cálice é a nova aliança, em meu sangue. Todas as vezes que dele beberdes, fazei isto em minha memória”. 26Todas as vezes, de fato, que comerdes deste pão e beberdes deste cálice, estareis proclamando a morte do Senhor, até que ele venha.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 13,1-15

 

Glória, ó Cristo, Verbo de Deus.

Glória, ó Cristo, Verbo de Deus.

 

– Eu vos dou um novo mandamento, nova ordem agora vos dou, que também vos ameis uns aos outros, como eu vos amei, diz o Senhor! (Jo 13,34)

 

Glória, ó Cristo, Verbo de Deus.

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João

– Glória a vós, Senhor!  

 

1Era antes da festa da Páscoa. Jesus sabia que tinha chegado a sua hora de passar deste mundo para o Pai; tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim. 2Estavam tomando a ceia. O diabo já tinha posto no coração de Judas, filho de Simão Iscariotes, o propósito de entregar Jesus. 3Jesus, sabendo que o Pai tinha colocado tudo em suas mãos e que de Deus tinha saído e para Deus voltava, 4levantou-se da mesa, tirou o manto, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura. 5Derramou água numa bacia e começou a lavar os pés dos discípulos, enxugando-os com a toalha com que estava cingido. 6Chegou a vez de Simão Pedro. Pedro disse: “Senhor, tu me lavas os pés?” 7Respondeu Jesus: “Agora, não entendes o que estou fazendo; mais tarde compreenderás”. 8Disse-lhe Pedro: “Tu nunca me lavarás os pés!” Mas Jesus respondeu: “Se eu não te lavar, não terás parte comigo”. 9Simão Pedro disse: “Senhor, então lava não somente os meus pés, mas também as mãos e a cabeça”. 10Jesus respondeu: “Quem já se banhou não precisa lavar senão os pés, porque já está todo limpo. Também vós estais limpos, mas não todos”.
11Jesus sabia quem o ia entregar; por isso disse: “Nem todos estais limpos”.
12Depois de ter lavado os pés dos discípulos, Jesus vestiu o manto e sentou-se de novo. E disse aos discípulos: “Compreendeis o que acabo de fazer? 13Vós me chamais Mestre e Senhor, e dizeis bem, pois eu o sou. 14Portanto, se eu, o Senhor e Mestre, vos lavei os pés, também vós deveis lavar os pés uns dos outros. 15Dei-vos o exemplo, para que façais a mesma coisa que eu fiz.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

São Leopoldo Mandic

- por Padre Alexandre Fernandes

O santo de hoje foi um herói dos confessionários. Nasceu na Dalmácia (ex-Iugoslávia) no ano de 1866, dentro de uma família croata, que o formou bem para a vida com Deus e para o amor aos irmãos.

Foi discernindo sua vocação, e aos 16 anos tomou uma decisão: queria servir a Deus promovendo a reconciliação, a reunificação dos cristãos ortodoxos na Igreja Católica. E o Espírito Santo o encaminhou para entrar na vida franciscana.

Leopoldo tinha a saúde muito fragilizada e, ao mesmo tempo, aquele desejo de ir para o Oriente e promover a comunhão dos cristãos.

Ingressou na Ordem Franciscana em 1884 e em 1890 já era sacerdote. Seu pedido era insistente a seus superiores, para que o enviasse para essa missão de unificação, mas dentro do discernimento e de sua debilidade física, ele tinha que obedecer e ir de convento em convento, até que em 1909 chegou em Pádua, na Itália, no Convento de Santa Cruz.

Esse frade descobriu em cada alma o seu ‘Oriente’. E por obediência e amor, atendia-os por horas, sempre em espírito de oração e de abertura aos carismas do Espírito Santo.

Com 76 anos partiu para o Céu, e hoje intercede por nós.

São Leopoldo Mandic, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

TRÍDUO PASCAL. QUINTA-FEIRA DA CEIA DO SENHOR

44. A ÚLTIMA CEIA DO SENHOR

– Jesus celebra a Última Ceia com os Apóstolos.

– Instituição da Sagrada Eucaristia e do sacerdócio ministerial.

– O mandamento novo do Senhor.

I. A QUINTA-FEIRA SANTA recorda-nos a Última Ceia do Senhor com os Apóstolos. Como nos anos anteriores, Jesus celebra a Páscoa rodeado dos mais íntimos. Mas, desta vez, a celebração tem características muito especiais, por ser a última Páscoa do Senhor antes do seu trânsito para o Pai e em vista dos acontecimentos que nela têm lugar. Todos os momentos desta Última Ceia refletem a Majestade de Jesus, que sabe que morrerá no dia seguinte, e o seu grande amor e ternura pelos homens.

A Páscoa era a principal festa judaica e fora instituída para comemorar a libertação do povo judeu da escravidão do Egito. “Conservareis a memória deste dia, celebrando-o como uma festa em honra do Senhor: fá-lo-eis de geração em geração, pois é uma instituição perpétua”1. Todos os judeus têm obrigação de celebrar esta festa para manter viva a memória do seu nascimento como Povo de Deus.

Jesus encarregou os seus discípulos prediletos, Pedro e João, de preparar as coisas necessárias. Os dois Apóstolos fazem esses preparativos com todo o cuidado. Depois de terem levado o cordeiro ao Templo a fim de imolá-lo, vão à casa onde terá lugar a ceia para assá-lo. Preparam também a água para as abluções2, as “ervas amargas” (que representavam a amargura da escravidão), os “pães ázimos” (que recordavam que os seus antepassados não os tinham cozido pela pressa com que tinham saído do Egito), o vinho, etc. Estes cuidadosos preparativos recordam-nos o esmero com que devemos preparar-nos para participar da Santa Missa. Não nos esqueçamos de que em cada Missa se renova o mesmo Sacrifício de Cristo, que se entregou por nós, e de que nós também somos seus discípulos e ocupamos, portanto, o lugar de Pedro e João.

A Última Ceia começa com o pôr-do-sol. Jesus recita os salmos com voz firme e num tom particulamente expressivo. São João diz-nos que Jesus desejava ardentemente comer essa Páscoa com os seus discípulos3.

Nessas horas aconteceram coisas singulares, que os evangelistas tiveram o cuidado de transmitir-nos em pormenor: a rivalidade entre os Apóstolos, que começaram a discutir qual deles seria o maior; o exemplo surpreendente de humildade e de serviço que Jesus dá quando se ajoelha e executa uma tarefa que se deixava aos servos mais ínfimos: começou a lavar-lhes os pés; o amor e a ternura que manifesta pelos seus discípulos: Filhinhos meus…, chega a dizer-lhes. “O próprio Senhor quis dar àquela reunião tal plenitude de significado, tal riqueza de recordações, tal comoção de palavras e sentimentos, tal novidade de atos e preceitos, que nunca acabaremos de meditá-los e explorá-los. É uma ceia testamentária; é uma ceia afetuosa e imensamente triste, e ao mesmo tempo misteriosamente reveladora de promessas divinas, de perspectivas supremas. Está próxima a morte, com inauditos presságios de traição, de abandono, de imolação; a conversa decai logo, enquanto a palavra de Deus flui aos borbotões, nova, extremamente doce, tensa em confidências supremas, pairando assim entre a vida e a morte”4.

O que Cristo fez pelos seus pode resumir-se nestas breves palavras de São João: amou-os até o fim5. Hoje é um dia especialmente apropriado para meditarmos nesse amor de Jesus por cada um de nós e no modo como lhe estamos correspondendo.

II. E AGORA, ENQUANTO COMIAM, muito provavelmente no fim da ceia, Jesus tem um gesto transcendente e ao mesmo tempo simples, numa atitude que os Apóstolos conheciam tão bem: permanece em silêncio por uns instantes e, a seguir, institui a Eucaristia.

O Senhor antecipa de forma sacramental o sacrifício que consumará no dia seguinte no Calvário. Até aquele momento, a Aliança de Deus com o seu povo estava representada pelo cordeiro pascal sacrificado no altar dos holocaustos, pelo banquete de toda a família na ceia pascal. Agora o Cordeiro imolado é o próprio Cristo6:Esta é a nova aliança no meu sangue… O Corpo de Cristo é o novo banquete que congrega todos os irmãos: Tomai e comei… Com a imolação e oferenda de Si próprio – Corpo e Sangue – ao Pai, como Cordeiro sacrificado, o Senhor inaugura a nova e definitiva Aliança entre Deus e os homens, e com ela redime-os a todos da escravidão do pecado e da morte eterna.

Jesus dá-se-nos na Eucaristia para nos fortalecer na nossa fraqueza, para nos acompanhar na nossa solidão e como antecipação do Céu. Na véspera da sua paixão e morte, dispôs as coisas de modo a que nunca faltasse esse Pão até o fim do mundo. Porque, nessa noite memorável, Jesus deu aos Apóstolos e aos seus sucessores, os bispos e sacerdotes, o poder de renovarem o prodígio até o fim dos tempos: Fazei isto para celebrar a minha memória7. Com a Sagrada Eucaristia, que durará até que o Senhor venha8, instituiu o sacerdócio ministerial.

Jesus permanece conosco para sempre na Sagrada Eucaristia, com uma presença real, verdadeira e substancial. Ele é o mesmo no Cenáculo e no Sacrário. Naquela noite, os discípulos gozaram da presença sensível de Jesus, que se entregava a eles e a todos os homens. Nós, nesta tarde, quando formos adorá-lo publicamente no Monumento, também nos encontraremos novamente com Ele; Ele nos vê e nos reconhece. Poderemos falar-lhe como faziam os Apóstolos e contar-lhe os nossos sonhos e as nossas preocupações, e agradecer-lhe por permanecer conosco, e acompanhá-lo recordando a sua entrega de amor. Jesus sempre nos espera no Sacrário.

III. NISTO CONHECERÃO todos que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros9.

Jesus fala aos Apóstolos da sua iminente partida, e é então que anuncia o mandamento novo, proclamado também em todas as páginas do Evangelho: Este é o meu mandamento: que vos ameis uns aos outros como eu vos amei10. Desde então, sabemos que “a caridade é o caminho para seguir a Deus mais de perto”11 e para encontrá-lo com maior prontidão. Deus é Amor, e a alma entende-o melhor quando pratica a caridade com maior finura, e torna-se mais nobre na medida em que cresce nessa virtude teologal.

O modo como tratarmos e servirmos os que nos rodeiam será o sinal pelo qual nos hão de reconhecer como discípulos do Senhor. “Ele não fala em ressuscitar mortos nem em qualquer outra prova evidente, mas nesta: que vos ameis uns aos outros”12. “Muitos querem saber se amam a Cristo e procuram sinais pelos quais possam descobri-lo. O sinal que nunca engana é a caridade fraterna […]. E essa é também a medida do estado da nossa vida interior, especialmente da nossa vida de oração”13.

Dou-vos um mandamento novo: que vos ameis…14 É um mandamento novo porque são novos os seus motivos: o próximo é uma só coisa com Cristo, e por isso é objeto de um especial amor do Pai. É um mandamento novo porque o Modelo é sempre atual. É um mandamento novo porque estabelece relações novas entre os homens; porque o modo de cumpri-lo será sempre novo: como eu vos amei; porque se dirige a um povo novo e requer corações novos; porque estabelece os alicerces de uma ordem diferente e desconhecida até então. É novo porque sempre será uma novidade para os homens, acostumados aos seus egoísmos e às suas rotinas.

Nesta Quinta-feira Santa, ao cabo deste tempo de oração, podemos perguntar-nos se, nos lugares em que se desenvolve a maior parte da nossa vida, as pessoas sabem que somos discípulos de Cristo pela forma amável, compreensiva e acolhedora com que as tratamos. Podemos perguntar-nos se procuramos não cometer faltas contra a caridade por pensamentos, palavras ou atos; se sabemos pedir desculpas quando tratamos mal a alguém; se temos manifestações de carinho com os que estão ao nosso lado: cordialidade, estima, umas palavras animadoras, a correção fraterna quando for necessária, o sorriso habitual e o bom humor, serviços que prestamos, preocupação verdadeira pelos problemas dos outros, pequenas ajudas que passam despercebidas…

Agora que está já tão próxima a Paixão do Senhor, recordamos a entrega de Maria ao cumprimento da Vontade de Deus e ao serviço dos outros. “A imensa caridade de Maria pela humanidade faz com que também nEla se cumpra a afirmação de Cristo: Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida pelos seus amigos (Ioh XV, 13)15.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.