09 de Março de 2020

2a Semana da Quaresma Segunda-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

SEGUNDA FEIRA – II SEMANA DA QUARESMA

(Roxo, ofício do dia da II semana)

 

Antífona da entrada

 

– Tende compaixão de mim, ó Deus, e libertai-me! Meus pés estão firmes no caminho reto, nas assembleias bendirei ao Senhor (Sl 25,11).

 

Oração do dia

 

– Deus, que para remédio e salvação nossa, nos ordenais a prática da mortificação, concedei que possamos evitar todo pecado e cumprir de coração os mandamentos do vosso amor. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Dn 9,4b-10

 

– Leitura da profecia de Daniel – 4b“Eu te suplico, Senhor, Deus grande e terrível, que preservas a aliança e a benevolência aos que te amam e cumprem teus mandamentos; 5temos pecado, temos praticado a injustiça e a impiedade, temos sido rebeldes, afastando-nos de teus mandamentos e de tua lei; 6não temos prestado ouvidos a teus servos, os profetas, que, em teu nome, falaram a nossos reis e príncipes, a nossos antepassados e a todo povo do país. 7A ti, Senhor, convém a justiça; e a nós, hoje, resta-nos ter vergonha no rosto: seja ao homem de Judá, aos habitantes de Jerusalém e a todo Israel, seja aos que moram perto e aos que moram longe, de todos os países, para onde os escorraçaste por causa das infidelidades cometidas contra ti. 8A nós, Senhor, resta-nos ter vergonha no rosto: a nossos reis e príncipes, e a nossos antepassados, pois que pecamos contra ti; 9mas a ti, Senhor, nosso Deus, cabe misericórdia e perdão, pois nos temos rebelado contra ti, 10e não ouvimos a voz do Senhor, nosso Deus, indicando-nos o caminho de sua lei, que nos propôs mediante seus servos, os profetas”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 79,8.9.11.13 (R: Sl 103,10a)

 

– O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas.

R: O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas.

 

– Não lembreis as nossas culpas do passado, mas venha logo sobre nós vossa bondade, pois estamos humilhados em extremo.

R: O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas.

 

– Ajudai-nos, nosso Deus e salvador! Por vosso nome e vossa glória, libertai-nos! Por vosso nome, perdoai nossos pecados!

R: O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas.

 

– Até vós chegue o gemido dos cativos: libertai com vosso braço poderoso os que foram condenados a morrer! Quanto a nós, vosso rebanho e vosso povo,

celebraremos vosso nome para sempre, de geração em geração vos louvaremos.

R: O Senhor não nos trata como exigem nossas faltas.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 6,36-38

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

 

– Senhor, tuas palavras são espírito, são vida; só tu tens palavras de vida eterna!  (Jo 6,63.68).

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos 36Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso. 37Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados; 38dai, e dar-se-vos-á. Colocar-vos-ão no regaço medida boa, cheia, recalcada e transbordante, porque, com a mesma medida com que medirdes, sereis medidos vós também.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

Santa Francisca Romana

- por Padre Alexandre Fernandes

Santa Francisca Romana se sobressaiu pelas graças extraordinárias, fazendo milagres

Santa Francisca Romana nasceu em Roma, no ano de 1384. Seu pai, Paulo Busa di Leoni pertencia a nobreza romana. Desde sua infância sentiu-se atraída pela pureza e obrigou-se por voto a ser religiosa. Mas, teve de condescender com os desejos do pai, que a deu em matrimônio aos 12 anos ao jovem aristocrata Lourenço de Ponziani. Teve com ele três filhos: Inês, João Evangelista e João Baptista.

A história de Santa Francisca confunde-se com a da Cidade Eterna naquela época. Roma estava dividida em dois bandos que se guerreavam, os Orsíni, que lutavam em favor do Papa, e os Colonnas, que apoiavam Ladislau de Nápoles.

Lourenço ficou gravemente ferido e, perdida a batalha, Ladislau entrou vitorioso em Roma e levou como refém os filhos das famílias mais distintas. Santa Francisca viu-se obrigada a entregar seu filho João Baptista.

Apesar de o marido estar ferido, o filho cativo e o palácio saqueado, Francisca não perdeu a paz de alma, a resignação e o fervor, que a levavam a fazer o bem a todos. Tudo o que caía em suas mãos era em favor dos pobres e doentes.

A sua volta reuniram-se depois outras senhoras, desejosas de imitar seus impulsos generosos. Ela dirigia-as espiritualmente, apartando-as das vaidades do mundo e ensinando-lhes o caminho evangélico da caridade e sacrifício. Assim nasceu a confraria de Oblatas Beneditinas.

Em 1436 seu esposo faleceu, Francisca retirou-se para a casa das suas Oblatas, que a nomearam Superiora Geral, cargo que desempenhou até a morte.

A vida de Santa Francisca se sobressaiu pelas graças extraordinárias, como o poder de fazer milagres e de penetrar nos segredos do outro mundo. Via seu anjo da guarda. Viu o inferno com o seu fogo e os suplícios horríveis, e o purgatório com o seu fogo.

Levada pela mão de Deus penetrou no paraíso no ano de 1440. Em 1608, o Cardeal São Roberto Belarmino junto ao seu voto favorável a declaração de que esta Santa – tendo vivido primeiro em virgindade e depois uma série de anos em casto matrimônio, tendo suportado os incômodos da viúvez e tendo seguido finalmente a vida de perfeição no claustro – merecia tanto mais as honras dos altares, quanto mais podia ser apresentada como modelo de virtude a todos. Francisca foi canonizada no dia 29 de maio de 1608.

Santa Francisca Romana, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Não julgueis! (Lc 6,36-38)

 

            Entendo que alguém chegue a estranhar esta exortação de Jesus: “Não julgueis e não sereis julgados”. O olhar atento há de perceber a cláusula implícita: não julgueis e (em consequência) não sereis julgados. Isto é, aquele que assume o papel de juiz não escapará à condição de réu! Ao contrário, todo aquele que usa de misericórdia também encontrará misericórdia.

 

            De onde vem nossa estranheza? É que nos ensinaram que devíamos ter “espírito crítico”. Em decorrência disso, aprendemos a julgar a tudo e a todos, indiscriminadamente. E nos entregamos à mais crua contabilidade: quem deve tem de pagar! E, ao fazê-lo, não percebemos em nós mesmos os sintomas do desespero…

 

            Sim, querer realizar – – o balanço de um mundo que ainda não está pronto, é mais que ansiedade: é falta de esperança. Significa que, no fundo, não esperamos que as coisas mudem para melhor. Não passa por nossa cabeça que ocorra algum milagre. Não cremos em uma possível (mesmo que improvável) salvação.

 

            Assim, para obedecer a Jesus Cristo e não assumir implacavelmente a beca negra dos magistrados, nós precisamos manter viva a esperança. É dela que eu falo em meu soneto “Noturno”:

 

            Ergue teus olhos para os céus azuis,

            Onde o sol agoniza no poente:

            A claridade se desfaz, dormente,

            Mas o amanhã trará de novo a luz…

 

Se teu jardim tem os canteiros nus

Depois da seca, no verão ardente,

Há de florir a rosa novamente

Para exalar o aroma que seduz…

 

Mesmo na noite, eleva a tua prece,

Pois a esperança sempre prevalece,

Moendo o trigo e amassando o pão!

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.