11 de Abril de 2019

5ª Semana da Quaresma - Quinta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

QUINTA FEIRA DA V SEMANA DA QUARESMA

(Roxo, pref. paixãoI –  ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Cristo é o mediador de uma nova aliança, para que, por meio de sua morte, recebam os eleitos a herança eterna que lhes foi prometida (Hb 9,15).

 

Oração do dia

 

– Assisti, ó Deus, aqueles que vos suplicam e guardai com solicitude os que esperam em vossa misericórdia, para que, libertos de nossos pecados, levemos uma vida santa e sejamos herdeiros das vossas promessas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.
 

1ª Leitura: Gn 17,3-9

 

– Leitura do livro do Gênesis: Naqueles dias, 3Abrão prostrou-se com o rosto por terra. 4E Deus lhe disse: “Eis a minha aliança contigo: tu serás pai de uma multidão de nações. 5Já não te chamarás Abrão, mas o teu nome será Abraão, porque farei de ti o pai de uma multidão de nações. 6Farei crescer tua descendência infinitamente. Farei nascer de ti nações, e reis sairão de ti. 7Estabelecerei minha aliança entre mim e ti e teus descendentes para sempre; uma aliança eterna, para que eu seja teu Deus e o Deus de teus descendentes. 8A ti e aos teus descendentes darei a terra em que vives como estrangeiro, todo o país de Canaã como propriedade para sempre. E eu serei o Deus dos teus descendentes”. 9Deus disse a Abraão: “Guarda a minha aliança, tu e a tua descendência para sempre”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 105,4-5.6-7.8-9 (R: 8a)

 

– O Senhor se lembra sempre da Aliança!
R: O Senhor se lembra sempre da Aliança!

– Procurai o Senhor teu Deus e seu poder, buscai constantemente a sua face! Lembrai as maravilhas que ele fez, seus prodígios e as palavras de seus lábios!

R: O Senhor se lembra sempre da Aliança!

– Descendentes de Abraão, seu servidor, e filhos de Jacó, seu escolhido, ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, vigoram suas leis em toda a terra.

R: O Senhor se lembra sempre da Aliança!

– Ele sempre se recorda da Aliança, promulgada a incontáveis gerações; da Aliança que ele fez com Abraão, e do seu santo juramento a Isaac.

R: O Senhor se lembra sempre da Aliança!
 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 8,51-59

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

 

– Oxalá ouvísseis hoje sua voz. Não fecheis os corações como em Meriba!

 (Sl 94,8)

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, disse Jesus aos judeus: 51“Em verdade, em verdade vos digo: se alguém guardar a minha palavra, jamais verá a morte”. 52Disseram então os judeus: “Agora sabemos que tens um demônio. Abraão morreu e os profetas também, e tu dizes: ‘Se alguém guardar a minha palavra jamais verá a morte’. 53Acaso és maior do que nosso pai Abraão, que morreu, como também os profetas? Quem pretendes ser?” 54Jesus respondeu: “Se me glorifico a mim mesmo, minha glória não vale nada. Quem me glorifica é o meu Pai, aquele que vós dizeis ser o vosso Deus. 55No entanto, não o conheceis. Mas eu o conheço e, se dissesse que não o conheço, seria um mentiroso, como vós! Mas eu o conheço e guardo a sua palavra. 56Vosso pai Abraão exultou, por ver o meu dia; ele o viu, e alegrou-se”. 57Os judeus disseram-lhe então: “Nem sequer cinquenta anos tens, e viste Abraão!” 58Jesus respondeu: “Em verdade, em verdade vos digo, antes que Abraão existisse, eu sou”. 59Então eles pegaram em pedras para apedrejar Jesus, mas ele escondeu-se e saiu do Templo.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

Santo Estanislau

- por Padre Alexandre Fernandes

Celebramos a vida de Santo Estanislau, que nasceu no ano 1030, pouco tempo depois do Cristianismo ter entrado na Polônia. Santo Estanislau foi sacerdote na Igreja de Cracóvia.

O lugar geográfico da Polônia era causa de muitos transtornos internos e externos, porém, nada se comparava ao rei da Polônia – Boleslau II – que era guerreiro, cruel, devasso e opressor. Por escolha do Espírito Santo, Estanislau tornou-se bispo daquela região; e, como tal, teve que se tornar um “João Batista”, já que o rei dava um grande vexame no campo moral.

Estanislau é amado por toda Polônia como um santo que profundamente amou os pobres, evangelizou e morreu mártir. Em 1079, o rei Boleslau num ato de loucura atingiu com um punhal Estanislau, durante a Santa Missa, lugar onde o santo uniu seu sacrifício ao Sacrifício de Cristo.

Santo Estanislau, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova  

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Eu sou! (Jo 8,51-59)

 

            Um dos muitos sentidos do verbo “ser” está ligado à essência da pessoa. Todas as criaturas existem porque foram chamadas à vida pelo Criador. Só Deus, porém, pode dizer “eu sou” de forma radical, pois só Deus “existia antes de todos os séculos”. Em seu magnífico prólogo, o evangelista João fala de Jesus Cristo, Verbo de Deus: “No princípio, era o Verbo […] e o Verbo era Deus! […] Tudo começou a existir por meio dele, e sem Ele nada se fez do que foi feito.” (Jo 1,1.3)

 

            Nós, os pobres descendentes de Adão, “somos” apenas a partir do momento inicial de nossa fecundação. Esta frágil existência terrestre dura um tempo e se acaba, com nossa alma espiritual projetada na eternidade. Nosso “ser” efêmero passa pelo tempo, dura muito pouco. Assim, a Sagrada Escritura compara nossa existência à flor do campo, que fenece e murcha ao fim de um único dia. Só Deus é eterno. Só Deus “é” de modo absoluto. Só Deus existe por si mesmo.

 

            Não admira que, ao se apresentar a Moisés, no episódio da sarça ardente (cf. Ex 3), o Senhor Deus assim lhe desse o seu Nome: “EU SOU”. O termo hebraico que traduzimos por Javé é, na verdade, uma sequência de 4 grafemas impronunciáveis (YHWH), derivada de antiga forma do verbo hawah (ser, ser atuante – diz a TEB). Para o povo da Primeira Aliança, este era o nome de Deus. Sagrado. Impronunciável. Mas suficiente para elevar o ser de Deus acima de nossa “passagem” pelo tempo…

 

            Ora, no Evangelho de hoje, Jesus Cristo se define com a mesma expressão: “Antes de Abraão existir, EU SOU!” É por isso que, entendendo esta frase como a mais extrema blasfêmia, seus ouvintes apanharam pedras para o apedrejar. A leitura atenta dos Evangelhos revela que Jesus insinuou a mesma definição em várias passagens, o que manifesta a consciência de sua unidade com o Pai, a clara consciência de ser algo mais que um simples mortal.

 

            A nota de rodapé da Bíblia de Jerusalém para Jo 8,24 comenta: “Atribuindo este nome a si mesmo – EU SOU -, Jesus se apresenta como o único e verdadeiro Salvador, para o qual tendiam a fé e a esperança de Israel (cf. Jo 8,28.58; 13,19) e também Jo 6,35; 18,5.8)”. Nesta última passagem, diante dos guardas do Templo que procuravam prendê-lo, Jesus se entrega mansamente, dizendo: SOU EU! E diante do poderoso Nome de Deus, os soldados caem por terra…

 

            Recusar Jesus como Salvador significa dizer: “NÃO ÉS!” E assim, na recusa e na rebeldia, começa o inferno…

 

Orai sem cessar: “O Senhor é nosso Rei, ele nos salvará!” (Is 33,22)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.