20 de Fevereiro de 2021

Cinzas Sábado

- por Pe. Alexandre

SABADO DEPOIS DAS CINZAS

 (roxo – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

– Atendei-nos, Senhor, na vossa grande misericórdia; olhai-nos, ó Deus, com toda a vossa bondade (Sl 68, 17).

 

Oração do dia

– Ó Deus eterno e todo poderoso, olhai com bondade a nossa fraqueza e estendei, para proteger-nos, a vossa mão poderosa. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Is 58,9b-14

– Leitura do livro do profeta Isaías –  Assim fala o Senhor, 9b”Se destruíres teus instrumentos de opressão, e deixares os hábitos autoritários e a linguagem maldosa; 10se acolheres de coração aberto o indigente e prestares todo socorro ao necessitado, nascerá nas trevas a tua luz e tua vida obscura será como o meio-dia. 11O Senhor te conduzirá sempre e saciará tua sede na aridez da vida, e renovará o vigor do teu corpo; serás como um jardim bem regado, como uma fonte de águas que jamais secarão. 12Teu povo reconstruirá as ruínas antigas; tu levantarás os fundamentos das gerações passadas: serás chamado reconstrutor de ruínas, restaurador de caminhos, nas terras a povoar. 13Se não puseres o pé fora de casa no sábado, nem tratares de negócios em meu dia santo, se considerares o sábado teu dia favorito, o dia glorioso, consagrado ao Senhor, se o honrares, pondo de lado atividades, negócios e conversações, 14então te deleitarás no Senhor; eu te farei transportar sobre as alturas da terra e desfrutar a herança de Jacó, teu pai. Falou a boca do Senhor.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial, Sl 86,1-2.3-4.5-6 (R: 11a)

 

– Ensinai-me os vossos caminhos e na vossa verdade andarei.

R: Ensinai-me os vossos caminhos e na vossa verdade andarei.

 

– Inclinai, ó Senhor, vosso ouvido, escutai, pois sou pobre e infeliz! Protegei-me, que sou vosso amigo, e salvai vosso servo, meu Deus, que espera e confia em vós!

R: Ensinai-me os vossos caminhos e na vossa verdade andarei.

 

– Piedade de mim, ó Senhor, porque clamo por vós todo o dia! Animai e alegrai vosso servo, pois a vós eu elevo a minha alma.

R: Ensinai-me os vossos caminhos e na vossa verdade andarei.

 

– Ó Senhor, vós sois bom e clemente, sois o perdão para quem vos invoca. Escutai, ó Senhor, minha prece, o lamento da minha oração!

R: Ensinai-me os vossos caminhos e na vossa verdade andarei.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 5,27-32.

 

Glória a vós, Senhor Jesus, primogênito dentre os mortos!

Glória a vós, Senhor Jesus, primogênito dentre os mortos!

 

– Não quero a morte do pecador, diz o Senhor, mas que ele volte se converta e tenha vida (Ex 33,11)

 

Glória a vós, Senhor Jesus, primogênito dentre os mortos!

 

– O Senhor esteja convosco.

Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

Glória a vós, Senhor!   


– Naquele tempo, 27Jesus viu um cobrador de impostos, chamado Levi, sentado na coletoria. Jesus lhe disse: “Segue-me”. 28Levi deixou tudo, levantou-se e o seguiu. 29Depois, Levi preparou em casa um grande banquete para Jesus. Estava aí grande número de cobradores de impostos e outras pessoas sentadas à mesa com eles. 30Os fariseus e seus mestres da Lei murmuravam e diziam aos discípulos de Jesus: “Por que vós comeis e bebeis com os cobradores de impostos e com os pecadores?” 31Jesus respondeu: “Os que são sadios não precisam de médico, mas sim os que estão doentes. 32Eu não vim chamar os justos, mas sim os pecadores para a conversão”.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

Santo Euquério

- por Pe. Alexandre

O bispo francês Euquério foi um grande defensor da Igreja em seu tempo. Defensor não só de seus conceitos e dogmas, mas também dos seus bens, que tanto atraíam os poderosos.

Euquério nasceu em Órleans, na França, e recebeu disciplina e educação cristã desde o berço. Assim que a idade o permitiu, entrou para o mosteiro de Lumièges, às margens do rio Sena. Seus sete anos de atuação ali foram marcados pela autopenitência que, de tão severa, chegava a lembrar os monges eremitas do Oriente. Esse período fez dele o candidato natural à sucessão do bispo de sua cidade natal. Humilde, Euquério tentou recusar, mas foram tantos os pedidos de seus irmãos de hábito e do povo em geral, que acabou aceitando.

Seu bispado foi marcado pelo respeito às tradições e à disciplina. Euquério chegou a enfrentar o rei francês Carlos Martel, que pretendia se apossar de bens da Igreja, dirigindo-lhe censuras graves, como faria a qualquer outra ovelha de seu rebanho, se fosse necessário. O rei, apesar de precisar dos bens para aumentar as finanças e continuar a guerra contra os sarracenos muçulmanos, deixou de lado sua intenção. Entretanto, tramou a transferência do bispo, para afastá-lo de sua querida cidade de Órleans.

Euquério foi transferido para Colônia, na Alemanha, aonde também conquistou o respeito e o carinho do povo e do clero. Então o vingativo rei conseguiu que fosse mandado para mais longe, Liège. Ele viveu seis anos no exílio e passou seus últimos dias no convento de São Trondom. O bispo Euquério morreu no dia 20 de fevereiro de 738 e suas relíquias permaneceram guardadas na igreja desse convento, na diocese de Mastrichiti. O seu culto se perpetua pela devoção dos fiéis tanto na França, quanto na Alemanha e em todo o mundo cristão. Sua festa litúrgica se dá no dia de sua morte.

Meditação

- por Pe. Alexandre

Um grande banquete… (Lc 5,27-32)

 

A Sagrada Escritura fala mais de banquetes que de jejuns. Lá está Abraão preparando um festim para os Três Visitantes. E mesa farta que Lot oferece aos dois anjos visitantes. Ou o banquete oferecido pela Rainha Ester para a ruína do odioso Haman. A Ceia em que Jesus institui a Eucaristia. E o banquete do fim dos tempos, quando o Senhor, toalha na cintura, servirá pessoalmente a seus eleitos…

Bom sinal! Sinal de otimismo em relação à vida. Em suma, sinal de que a alegria é a nossa vocação e o jejum apenas faça contraponto com o júbilo e o louvor. Não admira que nosso principal sacramento seja celebrado em torno de uma mesa! Irmanados em torno da mesa comum, todos com o mesmo e democrático pedaço de pão, somos convivas do Senhor!

Há fome no mundo. Não algo eventual, como os sete anos de vacas magras que o Egito enfrentou no tempo de José, mas algo sistêmico, que resulta da própria natureza do capitalismo. Neste, o Senhor Mercado (com maiúsculas, pois é o ídolo de plantão!) dita as regras, indiferente à dor e à angústia de uma legião de famintos. Escolhido o lucro como o alvo principal, é impensável baixar o preço do trigo para que todos tenham acesso ao pão.

A partir do Séc. XIX, pelo menos, a sociedade se fez refém dos economistas. É deles o princípio cruel de que, primeiro, é preciso deixar o bolo crescer, para depois reparti-lo aos pobres. Pois não era assim no início da Igreja. Não havia pobres entre eles. Quem possuía bens, vendia tudo e partilhava, para que ninguém ficasse sem o mínimo essencial. Se necessário, recorriam a outras comunidades, tal como fez Paulo, ordenando uma coleta em Corinto em favor dos fiéis de Jerusalém (cf. 2Cor 8).

O magistério da Igreja não se cansa de chamar nossa atenção para os mais pobres. Já no Séc. IV, São Basílio de Cesareia ensinava: “Se cada um conservasse apenas o que se requer para as suas necessidades correntes e deixasse o supérfluo para os indigentes, a riqueza e a pobreza seriam abolidas.” (Homilia 6)

Em nosso tempo, é no mínimo um escândalo a desigualdade material entre os fiéis que participam do mesmo banquete eucarístico: enquanto alguns dissipam grandes valores em viagens e festas, o irmão a quem deram o abraço da paz, antes da comunhão, tem a energia elétrica cortada por falta de pagamento…

Não é este o banquete que Deus sonhou…

 

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.