12 de Dezembro de 2019

2a semana do Advento Quinta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

QUINTA FEIRA – NOSSA SENHORA DE GUADALUPE – PADROEIRA DA AMÉRICA LATINA. FESTA

 (branco, glória, prefácio de Maria – ofício da festa)

 

Antífona da entrada

 

– Alegremo-nos todos no Senhor, celebrando a festa de Nossa Senhora de Guadalupe; conosco alegram-se anjos e glorificam o Filho de Deus.

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que nos destes a santa virgem Maria para amparar-nos como mãe solícita, concedei aos povos da América Latina, que hoje se alegram com sua proteção, crescer constantemente na fé e alcançar o desejado progresso no caminho da justiça e da paz. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Gl 4, 4-7

– Leitura da carta de são Paulo aos Gálatas – Irmãos, 4quando se completou o tempo previsto, Deus enviou o seu Filho, nascido de uma mulher, nascido sujeito à Lei, 5a fim de resgatar os que eram sujeitos à Lei e para que todos recebêssemos a filiação adotiva. 6E porque sois filhos, Deus enviou aos nossos corações o Espírito do seu Filho, que clama: Abá – ó Pai! 7Assim, já não és mais escravo, mas filho; e se és filho, és também herdeiro: tudo isso, por graça de Deus.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial Sl 96, 1-2a.2b-3.10 (R: 3a)

 

– Manifestai a sua glória entre as nações.

R: Manifestai a sua glória entre as nações.

 

– Cantai ao Senhor Deus um canto novo, cantai ao Senhor Deus, ó terra inteira! Cantai e bendizei seu Santo nome.

R: Manifestai a sua glória entre as nações.

 

– Dia após dia anunciai sua salvação, manifestai a sua glória entre as nações, e entre os povos do universo seus prodígios!

– Manifestai a sua glória entre as nações.

 

– Publicai entre as nações: "Reina o Senhor! Ele firmou o universo inabalável, e os povos ele julga com justiça".

– Manifestai a sua glória entre as nações.

 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Maria alegra-te, ó cheia de graça, o Senhor é contigo; és bendita entre todas as mulheres da terra! (Lc 1,28)

 

 Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 1, 39-47

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

– Glória a vós, Senhor!

 

39Naqueles dias Maria partiu para a região montanhosa, dirigindo-se, apressadamente, a uma cidade da Judéia. Ela 40entrou na casa de Zacarias e cumprimentou Isabel. 41Quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança pulou em seu ventre e Isabel ficou cheia do Espírito Santo. 42Com um grande grito, exclamou: "Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre! 43Como posso merecer que a mãe do meu Senhor me venha visitar? 44Logo que a tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança pulou de alegria no meu ventre. 45Bem-aventurada aquela que acreditou, porque será cumprido o que o Senhor lhe prometeu". 46Então Maria disse: "A minha alma engrandece o Senhor, 47e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador".

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

Nossa Senhora de Guadalupe

- por Padre Alexandre Fernandes

Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada “Padroeira de toda a América”

Num sábado, no ano de 1531, a Virgem Santíssima apareceu a um indígena que, de seu lugarejo, caminhava para a cidade do México a fim de participar da catequese e da Santa Missa enquanto estava na colina de Tepeyac, perto da capital. Este índio convertido chamava-se Juan Diego (canonizado pelo Papa João Paulo II em 2002).

Nossa Senhora disse então a Juan Diego que fosse até o bispo e lhe pedisse que naquele lugar fosse construído um santuário para a honra e glória de Deus.

O bispo local, usando de prudência, pediu um sinal da Virgem ao indígena que, somente na terceira aparição, foi concedido. Isso ocorreu quando Juan Diego buscava um sacerdote para o tio doente: “Escute, meu filho, não há nada que temer, não fique preocupado nem assustado; não tema esta doença, nem outro qualquer dissabor ou aflição. Não estou eu aqui, a seu lado? Eu sou a sua Mãe dadivosa. Acaso não o escolhi para mim e o tomei aos meus cuidados? Que deseja mais do que isto? Não permita que nada o aflija e o perturbe. Quanto à doença do seu tio, ela não é mortal. Eu lhe peço, acredite agora mesmo, porque ele já está curado. Filho querido, essas rosas são o sinal que você vai levar ao Bispo. Diga-lhe em meu nome que, nessas rosas, ele verá minha vontade e a cumprirá. Você é meu embaixador e merece a minha confiança. Quando chegar diante dele, desdobre a sua “tilma” (manto) e mostre-lhe o que carrega, porém, só em sua presença. Diga-lhe tudo o que viu e ouviu, nada omita…”

O prelado viu não somente as rosas, mas o milagre da imagem de Nossa Senhora de Guadalupe, pintada prodigiosamente no manto do humilde indígena. Ele levou o manto com a imagem da Santíssima Virgem para a capela, e ali, em meio às lágrimas, pediu perdão a Nossa Senhora. Era o dia 12 de dezembro de 1531.

Uma linda confirmação deu-se quando Juan Diego fora visitar o seu tio, que sadio narrou: “Eu também a vi. Ela veio a esta casa e falou a mim. Disse-me também que desejava a construção de um templo na colina de Tepeyac e que sua imagem seria chamada de ‘Santa Maria de Guadalupe’, embora não tenha explicado o porquê”. Diante de tudo isso muitos se converteram e o santuário foi construído.

O grande milagre de Nossa Senhora de Guadalupe é a sua própria imagem. O tecido, feito de cacto, não dura mais de 20 anos e este já existe há mais de quatro séculos e meio. Durante 16 anos, a tela esteve totalmente desprotegida, sendo que a imagem nunca foi retocada e até hoje os peritos em pintura e química não encontraram na tela nenhum sinal de corrupção.

No ano de 1971, alguns peritos inadvertidamente deixaram cair ácido nítrico sobre toda a pintura. E nem a força de um ácido tão corrosivo estragou ou manchou a imagem. Com a invenção e ampliação da fotografia descobriu-se que, assim como a figura das pessoas com as quais falamos se reflete em nossos olhos, da mesma forma a figura de Juan Diego, do referido bispo e do intérprete se refletiu e ficou gravada nos olhos do quadro de Nossa Senhora. Cientistas americanos chegaram à conclusão de que estas três figuras estampadas nos olhos de Nossa Senhora não são pintura, mas imagens gravadas nos olhos de uma pessoa viva.

Declarou o Papa Bento XIV, em 1754: “Nela tudo é milagroso: uma Imagem que provém de flores colhidas num terreno totalmente estéril, no qual só podem crescer espinheiros… uma Imagem estampada numa tela tão rala que através dela pode se enxergar o povo e a nave da Igreja… Deus não agiu assim com nenhuma outra nação”.

Coroada em 1875 durante o Pontificado de Leão XIII, Nossa Senhora de Guadalupe foi declarada “Padroeira de toda a América” pelo Papa Pio XII no dia 12 de outubro de 1945.

No dia 27 de janeiro de 1979, durante sua viagem apostólica ao México, o Papa João Paulo II visitou o Santuário de Nossa Senhora de Guadalupe e consagrou a Mãe Santíssima toda a América Latina, da qual a Virgem de Guadalupe é Padroeira.

Nossa Senhora de Guadalupe, rogai por nós!

 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Ela entrou na casa… (Lc 1,39-47)

 

           O Evangelho de hoje nos fala de um “encontro”. Isabel – imagem da Antiga Aliança – recebe a visita de Maria – a “arca” da Nova Aliança. É o encontro do passado com o presente. Encontro das promessas com o seu cumprimento. Do provisório com o eterno.

 

            Tão logo recebe o anúncio de Gabriel, que lhe revela a sublime missão de ser o canal escolhido para a Encarnação do Filho de Deus, Maria de Nazaré sai às pressas, pelas montanhas de Judá, subindo até Ain Karim, onde morava Isabel de Zacarias, sua parenta idosa, já no sexto mês de gravidez. Ao entrar em casa, Maria saúda Isabel e esta, prontamente, fica cheia do Espírito de Deus.

 

            Estamos diante de uma evidência: a graça de Deus se comunica. A Toda-Santa – a Mãe de Deus – irradia à sua volta o dinamismo espiritual que a inunda. Um abraço apenas, uma palavra – Shalom! – bastam para que o Espírito Santo se derrame do coração de Maria ao coração de Isabel. E esta se espanta diante da honra desmedida de ser visitada pela Mãe de seu Adonai, o Senhor Deus…

 

            Estamos diante de uma situação mais ou menos comum: quem recebeu a visita de uma pessoa santa, experimentou nela uma “presença” que não se explica apenas por fatores humanos. Não é sem motivo que as multidões procuravam pelo Pe. Pio de Pietrelcina, ou fazem romarias ao túmulo do Pe. Eustáquio, e preferem a missa de certos sacerdotes.

 

            Sim. É muito fácil acusar as multidões de simples ignorância ou grosseira superstição. Mas o povo possui uma espécie de “sexto sentido” que lhe aponta as pessoas habitadas por Deus. Na Rússia do Séc. XIX, São Serafim de Sarov precisava ocultar-se na floresta para ter um mínimo de solidão que lhe permitisse rezar. Madre Teresa vivia cercada pelos mendigos de Calcutá, além de atrair milhares de vocações. Os discípulos de São José de Calasanz chegavam a espiá-lo pela fechadura, para vê-lo em oração, levitando centímetros acima do solo.

 

            E nós? Sente-se a presença de Deus em nossa vida? Nossos gestos e palavras manifestam a ação de Deus em nós? Quem faz contato conosco também pode louvar e dar graças a Deus, como Isabel visitada pela Virgem Mãe?

 

Orai sem cessar: “Anunciarei vosso nome a meus irmãos.” (Sl 22 [21], 23)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

18ª Semana do Tempo Comum