14 de Fevereiro de 2020

5a Semana Comum Sexta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

SEXTA FEIRA – SANTOS CIRILO, MONGE, E METÓDIO, BISPO
(Cor branco, pref. comum ou dos pastores – oficio da memória)

 

Antífona da entrada

 

– Como são belos sobre os montes os passos do que anuncia a paz, trazendo a boa-nova e proclamando a salvação (Is 52,7).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, pelos dois irmãos Cirilo e Metódio, levastes a luz do evangelho aos povos eslavos; dai-nos acolher no coração a vossa palavra e fazei de nós um povo unido na verdadeira fé e no fiel testemunho do evangelho. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: 1 Rs 11,29-32; 12,19

 

Leitura do primeiro livro dos Reis: 29Aconteceu, naquele tempo, que, tendo Jeroboão saído de Jerusalém, veio ao seu encontro o profeta Aías, de Silo, coberto com um manto novo. Os dois achavam-se sós no campo. 30Aías, tomando o manto novo que vestia, rasgou-o em doze pedaços 31e disse a Jeroboão: ‘Toma para ti dez pedaços. Pois assim fala o Senhor, Deus de Israel: Eis que vou arrancar o reino das mãos de Salomão e te darei dez tribos.
32Mas ele ficará com uma tribo, por consideração para com meu servo Davi e para com Jerusalém, cidade que escolhi dentre todas as tribos de Israel”. 12,19Israel rebelou-se contra a casa de Davi até o dia de hoje.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 81,10-11b.12-13.14-15 (R:11a.9a)

 

 – Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus!
R: Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus!

– Em teu meio não exista um deus estranho nem adores a um deus desconhecido! Porque eu sou o teu Deus e teu Senhor, que da terra do Egito te arranquei.

R: Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus!

– Mas meu povo não ouviu a minha voz, Israel não quis saber de obedecer-me. Deixei, então, que eles seguissem seus caprichos, abandonei-os ao seu duro coração.

R: Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus!

– Quem me dera que meu povo me escutasse! Que Israel andasse sempre em meus caminhos! Seus inimigos, sem demora, humilharia e voltaria minha mão contra o opressor.

R: Ouve, meu povo, porque eu sou o teu Deus!
 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Abri-nos, ó Senhor, o coração para ouvirmos a palavra de Jesus!

(At 16, 14)

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 7,31-37

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, 31Jesus saiu de novo da região de Tiro, passou por Sidônia e continuou até o mar da Galiléia, atravessando a região da Decápole. 32Trouxeram então um homem surdo, que falava com dificuldade, e pediram que Jesus lhe impusesse a mão. 33Jesus afastou-se com o homem, para fora da multidão; em seguida, colocou os dedos nos seus ouvidos, cuspiu e com a saliva tocou a língua dele. 34Olhando para o céu, suspirou e disse: "Efatá!", que quer dizer: "Abre-te!" 35Imediatamente seus ouvidos se abriram, sua língua se soltou e ele começou a falar sem dificuldade. 36Jesus recomendou com insistência que não contassem a ninguém. Mas, quanto mais ele recomendava, mais eles divulgavam. 37Muito impressionados, diziam: "Ele tem feito bem todas as coisas: Aos surdos faz ouvir e aos mudos falar".

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

São Cirilo e São Metódio

- por Padre Alexandre Fernandes

Nasceu na Grécia, no ano de 826. Vocacionado em busca da verdade, ele estudou, por amor, filosofia e chegou a lecionar. Um homem dado à comunhão ao ponto de ser embaixador, diplomata junto aos povos árabes. Mas tudo isso que tocava a vida de São Cirilo não preenchia completamente o seu coração, porque ele tinha uma vocação à verdade absoluta e queria se consagrar totalmente a ela, a verdade encarnada, Nosso Senhor Jesus Cristo.

São Cirilo abandonou tudo para viver uma grande aventura santa com seu irmão que já era monge: São Metódio. Juntos, movidos pelo Espírito, foram ao encontro dos povos eslavos, conheceram a cultura e se inculturaram. A língua, os costumes, o amor àquele povo, tudo isso foi fundamental para que São Cirilo, juntamente com seu irmão, para que pudessem apresentar o Evangelho vivo, Jesus Cristo.

Devido inovações inspiradas, eles traduziram as liturgias para a língua dos eslavos. Tiveram de ir muitas vezes para Roma e o Papa, percebendo os frutos daquela evangelização, daquela mudança litúrgica, ele pôde discernir o fruto principal que movia aqueles irmãos missionários era o amor àquele povo eslavo e, acima de tudo, o amor a Deus.

Numa dessas viagens para Roma, São Cirilo tinha um pouco mais de 40 anos e ficou enfermo. O Papa quis ordená-lo Bispo, mas Cirilo faleceu. Mas está na glória intercedendo por nós.

São Cirilo e São Metódio, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Jesus gemeu… (Mc 7,31-37)

 

            Ao curar o surdo-mudo, tocando seus ouvidos e passando sua própria saliva na língua do infeliz, Jesus ergue os olhos ao céu e solta um gemido. Algumas traduções dizem que ele “suspirou”, mas o verbo grego original – stenáksen – significa realmente “gemer”, e São Jerônimo, ao verter o texto para o latim, usou apropriadamente o verbo “ingemuit”, gemeu.

 

            Mais uma vez, impressiona o realismo do evangelista e o comovente aspecto da humanidade de Jesus de Nazaré. Ao se encarnar, o Verbo de Deus manifesta nossos traços humanos em lágrimas, suor, inquietações e cansaço. Homem como nós…

 

            Jean Valette afirma que é preciso ir mais além na reflexão sobre este gemido de Jesus. “O verbo ‘gemer’ é encontrado muito raramente no Novo Testamento, mas em passagens importantes e, em particular, na Carta aos Romanos e na 1ª Coríntios, que parecem ser passagens esclarecedoras para o nosso propósito. Nestas passagens, Paulo fala do gemido dos crentes e de toda a Criação à espera da redenção final (cf. Rm 8,22ss), mas também do Espírito que intercede por nós com gemidos inefáveis (cf. Rm 8,26). Estes textos concordam com o nosso de maneira muito expressiva.”

 

            “O gemido de Jesus – prossegue Valette – é assim compreendido como o grito de sua carne e de seu espírito diante do poder do mal e do preço que será preciso pagar pela vitória. O gemido de Jesus diante desse homem cativo que o mal mantém ligado, e que representa todo um povo e, talvez, o mundo todo, é ao mesmo temo o eco da dor dos homens e o eco da dor de Deus. Jesus parece estar naquele ponto de virada de sua existência e de seu ministério, quando ele acaba de descobrir que a paixão dos homens e a Paixão de Deus se encontram e se unem nele, para o conduzir até a cruz.”

 

            O Filho de Deus que assumiu nossa carne “geme” diante da dor humana, a mesma dor que ele assume em seu sacrifício no Calvário. No polo oposto dos deuses do Olimpo e dos panteões antigos, nosso Deus recusa ficar alheio e impassível diante de nosso drama. Por isso, cremos que ele “entende” nossa condição e é capaz de mergulhar nela de corpo e alma.

 

            Como ensina Hebreus 4,15-16, “não temos um sumo sacerdote incapaz de se compadecer de nossas fraquezas, pois ele mesmo foi provado em tudo, à nossa semelhança, sem todavia pecar. Aproximemo-nos, então, seguros e confiantes, do trono da graça, para conseguirmos misericórdia e alcançarmos a graça do auxílio no momento oportuno”.

 

            Quando a dor apertar, quando o caminho parecer um beco sem saída, lembremo-nos de que Jesus gemeu por nós…

 

Orai sem cessar: “Por suas chagas fomos curados… (Is 53,5)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.