15 de Janeiro de 2019

1ª Semana do Tempo Comum - Terça-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

Antífona da entrada

 

– Ergamos os nossos olhos para aquele que tem o céu como trono; a multidão dos anjos o adora, cantando a uma só voz: Eis aquele cujo poder é eterno.

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, atendei como o Pai às preces do vosso povo; dai-nos a compreensão dos nossos deveres e a força de cumpri-los. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Hb 2,5-12

 

– Leitura da carta aos Hebreus: 5Não foi aos anjos que Deus submeteu o mundo futuro, do qual estamos falando. 6A este respeito, porém, houve quem afirmasse: “O que é o homem, para dele te lembrares, ou o filho do homem, para com ele te ocupares? 7Tu o fizeste um pouco menor que os anjos, de glória e honra o coroaste, 8e todas as coisas puseste debaixo de seus pés”. Se Deus lhe submeteu todas as coisas, nada deixou que não lhe fosse submisso. Atualmente, porém, ainda não vemos que tudo lhe esteja submisso. 9Jesus, a quem Deus fez pouco menor do que os anjos, nós o vemos coroado de glória e honra, por ter sofrido a morte. Sim, pela graça de Deus em favor de todos, ele provou a morte. 10Convinha de fato que aquele, por quem e para quem todas as coisas existem, e que desejou conduzir muitos filhos à glória, levasse o iniciador da salvação deles à consumação, por meio de sofrimentos. 11Pois tanto Jesus, o Santificador, como os santificados são descendentes do mesmo ancestral; por esta razão, ele não se envergonha de os chamar irmãos, 12dizendo: “Anunciarei o teu nome a meus irmãos; e no meio da assembleia te louvarei”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 8,2a,6-7.8-9 (R: 7)

 

– Destes domínio ao vosso Filho sobre tudo o que criastes.
R: Destes domínio ao vosso Filho sobre tudo o que criastes.

– Ó Senhor, nosso Deus, como é grande vosso nome por todo o universo! Perguntamos: “Senhor, que é o homem, para dele assim vos lembrardes e o tratardes com tanto carinho?”

R: Destes domínio ao vosso Filho sobre tudo o que criastes.

– Pouco abaixo de Deus o fizestes, coroando-o de glória e esplendor; vós lhe destes poder sobre tudo, vossas obras aos pés lhe pusestes:

R: Destes domínio ao vosso Filho sobre tudo o que criastes.

– as ovelhas, os bois, os rebanhos, todo o gado e as feras da mata; passarinhos e peixes dos mares, todo ser que se move nas águas.

R: Destes domínio ao vosso Filho sobre tudo o que criastes.
 

Aclamação ao santo evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

 – Acolhei a palavra de Deus não como palavra humana, mas como mensagem de Deus, o que ela é, em verdade  (1Ts 2,13).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 1, 21b-28

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

– Glória a vós, Senhor!  

21Estando com seus discípulos em Cafarnaum, Jesus, num dia de sábado, entrou na sinagoga e começou a ensinar. 22Todos ficavam admirados com o seu ensinamento, pois ensinava como quem tem autoridade, não como os mestres da Lei. 23Estava então na sinagoga um homem possuído por um espírito mau. Ele gritou: 24“Que queres de nós, Jesus Nazareno? Vieste para nos destruir? Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus”. 25Jesus o intimou: “Cala-te e sai dele!” 26Então o espírito mau sacudiu o homem com violência, deu um grande grito e saiu. 27E todos ficaram muito espantados e perguntavam uns aos outros: “Que é isso? Um ensinamento novo dado com autoridade: Ele manda até nos espíritos maus, e eles obedecem!” 28E a fama de Jesus logo se espalhou por toda parte, em toda a região da Galileia.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

Santo Amaro

- por Padre Alexandre Fernandes

Santo Amaro foi exemplo de virtude, obediência e abertura à ação do Espírito Santo

Nasceu em Roma e entrou muito cedo para a vida religiosa. Filho espiritual e grande amigo de São Bento, tornou-se um beneditino com apenas 12 anos de idade. Realidades daquele tempo, mas que apontam para uma necessidade dos tempos atuais. Ele foi apontado, desde muito cedo, como um exemplo de silêncio e também de correspondência às exigências da vida monacal. Vida de austeridade, de ação, de oração; “ora et labora” de fato.

Grande amigo de São Bento, viveu momentos que ficaram registrados. São Gregório foi quem deixou o testemunho de que, certa vez, São Bento, por revelação, soube que um jovem estava para se afogar em um açude. Disse ao então discípulo Amaro que fosse ao encontro daquele jovem. Ele foi. Sem perceber, com tanta obediência, ele caminhou sobre as águas e salvou aquele jovem; depois que ele percebeu que havia acontecido aquele milagre. Retribuíram a ele, mas, claro, ele atribuiu a São Bento, pois só obedeceu.

História ou lenda, isso demonstra como Deus pode fazer o impossível aos olhos humanos na vida e através da vida naqueles que acreditam e buscam corresponder à vocação. Todos nós temos uma vocação comum, a mesma que Santo Amaro teve: a vocação à santidade. Esse santo foi quem sucedeu São Bento em Subiaco, quando este foi para Monte Casino. Ele foi exemplo de virtude, obediência e abertura à ação do Espírito Santo.

Santo Amaro, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Sai dele! (Mc 1,21b-28)

 

            Com este imperativo, Jesus liberta um homem habitado por um “espírito impuro”, causando a admiração de todos os presentes na sinagoga de Cafarnaum, pois “até os espíritos impuros lhe obedecem”.

 

            Um dos atributos mais preciosos de Jesus Cristo é a sua missão “libertadora”. Alguns excessos cometidos por partidários de teologias que enfatizavam a libertação social, política e econômica não nos devem indispor com a “libertação humana”, mais necessária do nunca.

 

            De fato, o Evangelho liberta. O apóstolo Paulo não se cansa de lembrar: “É para a liberdade que Cristo nos libertou. Ficai firmes e não vos deixeis amarrar de novo ao jugo da escravidão”. (Gl 5,1) Em uma sociedade onde eram numerosos os escravos, e até conhecidos filósofos justificavam teoricamente o estatuto da escravidão, a pregação do Evangelho constituía absoluta novidade.

 

            Mas Jesus não se prende aos aspectos sociais e econômicos, ele vai além. Ele sabe muito que sua missão inclui a libertação espiritual. Seu “sermão programático” (Lc 4,18ss), inclui a “libertação dos presos” e a “liberdade aos oprimidos”. E não há pior opressão do que a escravidão do pecado.

 

            Macário, o Grande [300-390 d.C.], nos fala dessa terrível escravidão: “A alma que caiu sob a servidão e a autoridade da treva das paixões do pecado é oprimida pela febre da lei do pecado; ela é imobilizada e inibida em relação às obras da vida, as virtudes perfeitas do Espírito Santo, pois é incapaz de cumpri-las de maneira irrepreensível, mas nada a impede de gritar para o único médico, clamar por seu socorro nem esperar pela salvação.

 

            Deus só espera dos homens esta ocasião, pois o poder de fortalecer a alma, curá-la da febre do pecado e arrancá-la da tirania e da influência das paixões, este poder pertence a Deus e somente a ele está reservado. É ele quem irá pô-lo em jogo prontamente, como está escrito: ‘Ele fará justiça àqueles que clamam por ele dia e noite’. (Lc 18,7)

 

            “O próprio Senhor quer ser assim procurado, amado, acreditado e atraído pelo amor da alma para vir e habitar, reger e governar todo o seu pensamento e conduzi-la por inteiro para a vontade de Deus”.

 

            O mesmo Libertador que expulsava os demônios nas sinagogas da Palestina permanece vivo entre nós, para reconduzir à liberdade plena todo aquele que invocar o seu nome.

 

Orai sem cessar: “Clamaram ao Senhor e ele os livrou…” (Sl 107,13)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

13ª Semana do Tempo Comum