17 de Abril de 2019

Semana Santa - Quarta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

QUARTA FEIRA – SEMANA SANTA

(Roxo, pref. da paixão II, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Ao nome de Jesus todo joelho se dobre no céu, na terra e na mansão dos mortos, pois o Senhor se fez obediente até a morte e morte de cruz. E por isso Jesus Cristo é Senhor na glória de Deus Pai  (Fl 2,10.8.11).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que fizestes vosso Filho padecer o suplício da cruz para arrancar-nos à escravidão do pecado, concedei aos vossos servos e servas a graça da ressurreição. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Is 50,4-9a

 

– Leitura do livro do profeta Isaías: 4O Senhor Deus deu-me língua adestrada, para que eu saiba dizer palavras de conforto à pessoa abatida; ele me desperta cada manhã e me excita o meu ouvido, para prestar atenção como um discípulo. 5O Senhor abriu-me os ouvidos; não lhe resisti nem voltei atrás. 6Ofereci as costas para me baterem e as faces para me arrancarem a barba: não desviei o rosto de bofetões e cusparadas. 7Mas o Senhor Deus é o meu Auxiliador, por isso não me deixei abater o ânimo, conservei o rosto impassível como pedra, porque sei que não sairei humilhado. 8A meu lado está quem me justifica; alguém me fará objeções? Vejamos. Quem é meu adversário? Aproxime-se. 9aSim, o Senhor Deus é meu Auxiliador; quem é que me vai condenar?

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 69, 8-10.21bcd-22.31.33-34 (R: 14cb)

 

– Respondei-me pelo vosso imenso amor, neste tempo favorável, Senhor Deus.
R: Respondei-me pelo vosso imenso amor, neste tempo favorável, Senhor Deus.

– Por vossa causa é que sofri tantos insultos, e o meu rosto se cobriu de confusão; eu me tornei como um estranho a meus irmãos, como estrangeiro para os filhos de minha mãe. Pois meu zelo e meu amor por vossa casa me devoram como fogo abrasador: e os insultos de infiéis que vos ultrajam recaíram todos eles sobre mim!

R: Respondei-me pelo vosso imenso amor, neste tempo favorável, Senhor Deus.

– O insulto me partiu o coração; Eu esperei que alguém, de mim tivesse pena; procurei quem me aliviasse e não achei! Deram-me fel como se fosse um alimento, em minha sede ofereceram-me vinagre!

R: Respondei-me pelo vosso imenso amor, neste tempo favorável, Senhor Deus.

– Cantando eu louvarei o vosso nome e agradecido exultarei de alegria! Humildes, vede isto e alegrai-vos: o vosso coração reviverá, se procurardes o Senhor continuamente! Pois nosso Deus atende à prece dos seus pobres, e não despreza o clamor de seus cativos.

R: Respondei-me pelo vosso imenso amor, neste tempo favorável, Senhor Deus.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 26,14-25

 

Salve, Cristo, luz da vida, companheiro na partilha!

Salve, Cristo, luz da vida, companheiro na partilha!

 

– Salve nosso rei, somente vós tendes compaixão dos nossos erros.

 

Salve, Cristo, luz da vida, companheiro na partilha!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, 14um dos doze discípulos, chamado Judas Iscariotes, foi ter com os sumos sacerdotes 15e disse: “Que me dareis se vos entregar Jesus?” Combinaram, então, trinta moedas de prata. 16E daí em diante, Judas procurava uma oportunidade para entregar Jesus. 17No primeiro dia da festa dos Ázimos, os discípulos aproximaram-se de Jesus e perguntaram: “Onde queres que façamos os preparativos para comer a Páscoa?” 18Jesus respondeu: “Ide à cidade, procurai certo homem e dizei-lhe: ‘O Mestre manda dizer: o meu tempo está próximo, vou celebrar a Páscoa em tua casa, junto com meus discípulos’”. 19Os discípulos fizeram como Jesus mandou e prepararam a Páscoa. 20Ao cair da tarde, Jesus pôs-se à mesa com os doze discípulos. 21Enquanto comiam, Jesus disse: “Em verdade eu vos digo, um de vós vai me trair”. 22Eles ficaram muito tristes e, um por um, começaram a lhe perguntar: “Senhor, será que sou eu?” 23Jesus respondeu: “Quem vai me trair é aquele que comigo põe a mão no prato. 24O Filho do Homem vai morrer, conforme diz a Escritura a respeito dele. Contudo, ai daquele que trair o Filho do Homem! Seria melhor que nunca tivesse nascido!” 25Então Judas, o traidor, perguntou: “Mestre, serei eu?” Jesus lhe respondeu: “Tu o dizes”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

Santo Aniceto

- por Padre Alexandre Fernandes

Seu Papado durou 11 anos. Isso no século II.

Deparou-se com a heresia do Gnosticismo, o racionalismo cristão, uma supervalorização do conhecimento, onde bastava isso para a Salvação. Com isso, os méritos de Cristo, os sacramentos e a graça do Senhor ficavam de lado.

Contou muito com a ajuda do filósofo cristão São Justino e do bispo Policarpo. Auxiliado por esses doutores e, com a graça de Deus, combateram esse racionalismo.

A fé e a razão são duas asas que nos levam para a Salvação, Jesus Cristo. Ele que é Caminho, Verdade e Vida. E a vida do santo de hoje demonstrou que aí está a fonte da felicidade.

Santo Aniceto, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Trinta moedas… (Mt 26,14-25)

 

            Trinta moedas de prata não eram uma quantia desprezível. Por este preço, na Palestina, adquiria-se um escravo. Alguém poderia estranhar que o Filho de Deus custasse o preço de um escravo. Ora, a cruz era proibida a um cidadão romano, mas cabia muito bem a um escravo fugido ou revoltoso. E foi na cruz que Jesus se entregou a nós. Paulo apóstolo, cidadão do Império, foi decapitado porque o Direito Romano não permitia que fosse crucificado, assim como seriam Pedro e André.

 

            Quem estranhou não terá entendido, talvez, a passagem clássica de Fl 2,6ss: “Sendo ele [Jesus Cristo] de condição divina (…), despojou-se, tomando a condição de servo [= escravo]… ele se rebaixou, tornando-se obediente até a morte, e morte numa cruz.” Ao abrir mão, livremente, de sua vontade própria – “Pai, não se faça a minha vontade, mas a tua” (cf. Lc 22,42) -, Jesus Cristo se aniquila da mesma forma como os escravos se aniquilavam diante de seus donos.

 

Trata-se de um abandono total, sem reservas, movido pelo amor sem limites, a filantropia de Deus por seu povo, que os Padres gregos chamavam de manikos éros, o louco amor de Deus. Enfim, Zacarias previra o preço do Messias: “Pagaram, de fato, o meu salário: trinta siclos de prata. O Senhor me disse: ‘Lança-o ao fundidor, esse belo preço em que fui avaliado por eles.’”

(Zc 11,12)

 

            Para melhor acolher dom tão precioso, talvez ajude meditar nas palavras de meu soneto O Amor imprudente”:

 

Não peçamos cuidados a quem ama…

Não se espere prudência dos amados…

Na insanidade dos apaixonados.

Arriscam alma, vida, ouro e fama…

 

Quem tem amores já não teme a lama

Nem os seus braços ver crucificados:

Escandaloso, o amor solta mil brados

E uma resposta ao seu amor reclama!

 

Não é amor, decerto, se é prudente.

Não é amor se não for chaga ardente:

Uma noite de trevas e de luz…

 

E o insensato maior que já foi visto

É, com certeza, o próprio Jesus Cristo

Que, apaixonado, se abraçou à Cruz!

 

Orai sem cessar: “São os nossos sofrimentos que Ele carregou.” (Is 53,4)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.