17 de Maio de 2019

4ª Semana da Páscoa - Sexta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

SEXTA FEIRA – IV SEMANA DA PÁSCOA

(Branco, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Vós nos resgataste, Senhor, pelo vosso sangue, de todas as raças, línguas, povos e nações e fizestes de nós um reino e sacerdotes para o nosso Deus, aleluia! (Ap 5,9).

 

Oração do dia

 

– Deus, a quem devemos a liberdade e a salvação, fazei que possamos viver por vossa graça e encontrar em vós a felicidade eterna, pois nos remistes com o sangue do vosso Filho. Que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: At 13,26-33

 

– Leitura dos Atos dos Apóstolos: Naqueles dias, tendo chegado a Antioquia da Pisídia, Paulo disse na sinagoga: 26“Irmãos, descendentes de Abraão, e todos vós que temeis a Deus, a nós foi enviada esta mensagem de salvação. 27Os habitantes de Jerusalém e seus chefes não reconheceram a Jesus e, ao condená-lo, cumpriram as profecias que se leem todos os sábados. 28Embora não encontrassem nenhum motivo para a sua condenação, pediram a Pilatos que fosse morto. 29Depois de realizarem tudo o que a Escritura diz a respeito de Jesus, eles o tiraram da cruz e o puseram num túmulo. 30Mas Deus o ressuscitou dos mortos 31e, durante muitos dias, ele foi visto por aqueles que o acompanharam desde a Galileia até Jerusalém. Agora eles são testemunhas de Jesus diante do povo. 32Por isso, nós vos anunciamos este Evangelho: a promessa que Deus fez aos antepassados, 33ele a cumpriu para nós, seus filhos, quando ressuscitou Jesus, como está escrito no salmo segundo: “Tu és o meu filho, eu hoje te gerei”.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 2,6-7.8.9.10-11 (R: 7)

 

– Tu és meu Filho, eu hoje te gerei!
R: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei!

– “Fui eu mesmo que escolhi este meu Rei e em Sião, meu monte santo, o consagrei!” O decreto do Senhor promulgarei, foi assim que me falou o Senhor Deus: “Tu és meu Filho, e eu hoje te gerei!”

R: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei!

– Podes pedir-me, e em resposta eu te darei por tua herança os povos todos e as nações, e há de ser a terra inteira o teu domínio. Com cetro férreo haverás de dominá-los, e quebrá-los como um vaso de argila!

R: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei!

– E agora, poderosos, entendei; soberanos, aprendei esta lição: Com temor servi a Deus, rendei-lhe glória e prestai-lhe homenagem com respeito!

R: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei!
 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Sou o caminho, a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim

(Jo 14,6).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 14,1-6

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 1“Não se perturbe o vosso coração. Tendes fé em Deus, tende fé em mim também. 2Na casa de meu Pai, há muitas moradas. Se assim não fosse, eu vos teria dito. Vou preparar um lugar para vós, 3e quando eu tiver ido preparar-vos um lugar, voltarei e vos levarei comigo, a fim de que onde eu estiver estejais também vós. 4E para onde eu vou, vós conheceis o caminho”.  5Tomé disse a Jesus: “Senhor, nós não sabemos para onde vais. Como podemos conhecer o caminho?” 6Jesus respondeu: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida. Ninguém vai ao Pai senão por mim”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

São Pascoal Baylon

- por Padre Alexandre Fernandes

Pascoal Baylon nasceu na cidade de Torre Hermosa – Espanha, em 16 de maio de 1540. Filho de uma família humilde, foi pastor de ovelhas desde muito jovem e, aos dezoito anos, seguindo sua vocação, tentou ser admitido no convento franciscano de Santa Maria de Loreto.

Sua primeira tentativa foi frustrada, mas, em 1564, após recusar uma grande herança de um rico senhor que havia sido curado por ele e por causa dos seus dons carismáticos, ele pôde ingressar na Ordem. 
 

Pascoal, por humildade, permaneceu um simples irmão leigo, exercendo as funções de porteiro e ajudante dos serviços gerais. Bom, caridoso e obediente às regras da Ordem, fazia penitência constante, alimentando-se muito pouco e mantendo-se em constante oração. Por causa de sua origem pobre, não possuía nenhuma formação intelectual, porém era rico em dons transmitidos pelo Espírito Santo, possuindo uma sabedoria inata.

A ele recorriam ilustres personalidades para aconselhamento, até mesmo o seu provincial, que lhe confiou a tarefa perigosa de levar documentos importantes para Paris. Essa viagem Pascoal fez a pé, descalço e com o hábito de franciscano, arriscando ser morto pelos calvinistas. 
 

Defensor extremado de sua fé, travou grande luta contra os calvinistas franceses, que negavam a eucaristia. Apesar da sua simplicidade, Pascoal era muito determinado quando se tratava de dissertar sobre sua espiritualidade e conhecimentos eucarísticos. 
 

Foi autor de um pequeno livro de sentenças que comprovam a real presença de Cristo na eucaristia e o poder sagrado transmitido ao sumo pontífice. Por isso foi considerado um dos primeiros e mais importantes teólogos da eucaristia. 
 

Ele morreu no dia 17 de maio de 1592, aos cinqüenta e dois anos, em Villa Real, Valência.

 

Em 1690, foi canonizado. O papa Leão XIII nomeou são Pascoal Baylon patrono das obras e dos congressos eucarísticos.

FONTE: DERRADEIRAS GRAÇAS 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Vós sabeis o Caminho! (Jo 14,1-6)

 

            Hoje, temos mapas e roteiros turísticos. Antes de sair de casa, examinamos o caminho a seguir. E não adianta muita pressa – como na sociedade atual – se não sabemos para onde estamos indo… Do contrário, corremos o risco de sair para as Índias e descobrir o Brasil. Um português já cometeu este engano…

 

            Jesus Cristo afirma a seus discípulos: “Vós sabeis o caminho”. Tomé, porém, se fez de desentendido: “Senhor, nós não sabemos para onde vais…” Ora, o Mestre, já em clima de despedida, estava de viagem marcada para o Pai. E aproveita para recordar a lição mal aprendida pelos discípulos: “EU SOU o Caminho… Ninguém VEM (no latim, venit) ao Pai, a não ser por mim”.

 

            Muitas traduções dizem: “Ninguém vai ao Pai”, como se o Pai estivesse bem longe, lá no céu, e – o que é pior – afastado de Jesus. E Jesus acrescentaria a seguir: “Quem me vê, vê o Pai!” Encontrar-se com Jesus é encontrar-se com o Pai. Aliás, Jesus não é UM caminho entre outras estradas possíveis, à nossa escolha: Ele é O Caminho. Esta exclusividade cristã incomoda, eu sei, parece pretensiosa. Mas é a Verdade.

 

            E a frase completa de Jesus inclui também isto: “EU SOU o Caminho, a Verdade e a Vida”. Os especialistas nos textos joaninos já chamaram a atenção para o fato de que esta é uma das frases de Jesus nas quais surge o Nome de Deus: EU SOU. A mesma frase que, pronunciada diante dos esbirros do Templo que prendiam Jesus, no Monte das Oliveiras, lançou-os todos por terra (cf. Jo 18,6).

 

            Tristes tempos os nossos! Teólogos voláteis reduzindo Jesus Cristo a um caminho entre outros, opcional… Filósofos afirmando que há muitas “verdades”: cada um tem a sua, uma verdade “de algibeira”, que se acomoda à moda dominante. E, natural, acabam por perder a Vida que lhes é oferecida no Filho de Deus.

 

            Nós precisamos urgentemente recuperar a noção de “caminho”: um roteiro ou estrada que nos leva com certeza a algum lugar determinado, um alvo a ser atingido. Não é a mesma coisa que uma pista de Fórmula Um: aqui, o piloto corre a 300 km/h, arrisca a própria vida e, ao final, depois de percorrer centenas de quilômetros, encontra-se exatamente no mesmo lugar de onde saiu!

 

            Jesus é o Caminho. Por ele – só por ele! – chegamos ao Pai…

 

Orai sem cessar: “Tua Palavra é luz para o meu caminho.” (Sl 119,105)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

14º Domingo do Tempo Comum