17de Fevereiro de 2021

Cinzas Quarta-feira

- por Pe. Alexandre

QUARTA FEIRA CINZAS – JEJUM E ABSTINEÇIA
 (roxo, pref. da Quaresma IV – ofício do dia da IV semana)

 

Antífona da entrada

 

– Ó Deus, vós tendes compaixão de todos e nada do que criastes desprezais: perdoais nossos pecados pela penitência porque sois o Senhor nosso Deus

(Sb 11,24-25.27).

 

Oração do dia

 

– Concedei-nos, ó Deus todo poderoso, iniciar com este dia de jejum o tempo da Quaresma, para que a penitência nos fortaleça no combate contra o espírito do mal. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Jl 2, 12-18

– Leitura da profecia de Joel – 12Agora, portanto, diz o Senhor: “voltai para mim com todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e gemidos; 13rasgai o coração, e não as vestes; e voltai para o Senhor, vosso Deus; ele é benigno e compassivo, paciente e cheio de misericórdia, inclinado a perdoar o castigo”. 14Quem sabe, se ele se volta para vós e vos perdoa, e deixa atrás de si a bênção, oblação e libação para o Senhor, vosso Deus? 15Tocai trombeta em Sião, prescrevei o jejum sagrado, convocai a assembléia; 16congregai o povo, realizai cerimônias de culto, reuni anciãos, ajuntai crianças e lactentes; deixe o esposo seu aposento, e a esposa, seu leito. 17Chorem, postos entre o vestíbulo e o altar, os ministros sagrados do Senhor, e digam: “Perdoa, Senhor, a teu povo, e não deixes que esta tua herança sofra infâmia e que as nações a dominem”. Por que se haveria de dizer entre os povos: “Onde está o Deus deles?” 18Então o Senhor encheu-se de zelo por sua terra e perdoou ao seu povo.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 51, 3-4.5-6a.12-13.14.17 (R: 3a)

 

– Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos!

R: Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos!

 

– Tende piedade, ó meu Deus, misericórdia! Na imensidão do vosso amor, purificai-me! Lavai-me todo inteiro do pecado e apagai completamente a minha culpa!

R: Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos!

 

– Eu reconheço toda a minha iniquidade, o meu pecado está sempre à minha frente. Foi contra vós, só contra vós, que eu pequei, pratiquei o que é mau aos vossos olhos!

R: Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos!

 

– Criai em mim um coração que seja puro, dai-me de novo um espírito decidido. Ó Senhor, não me afasteis de vossa face, nem retireis de mim o vosso Santo Espírito!

R: Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos!

 

– Dai-me de novo a alegria de ser salvo e confirmai-me com espírito generoso! Abri meus lábios, ó Senhor, para cantar, e minha boca anunciará vosso louvor!

R: Misericórdia, ó Senhor, pois pecamos!

 

2ª Leitura: 2 Cor 5, 20- 6, 2

– Leitura da segunda carta de são Paulo aos Coríntios – Irmãos: 5,20Somos embaixadores de Cristo, e é Deus mesmo que exorta através de nós. Em nome de Cristo, nós vos suplicamos: deixai-vos reconciliar com Deus. 21Aquele que não cometeu nenhum pecado, Deus o fez pecado por nós, para que nele nós nos tornemos justiça de Deus. 6,1Como colaboradores de Cristo, nós vos exortamos a não receberdes em vão a graça de Deus, 2pois ele diz: “No momento favorável, eu te ouvi e, no dia da salvação, eu te socorri”. É agora o momento favorável, é agora o dia da salvação.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 6, 1-6.16-18

 

Jesus Cristo, sois bendito, sois o ungido de Deus Pai!

Jesus Cristo, sois bendito, sois o ungido de Deus Pai!

 

– Oxalá ouvísseis hoje a sua voz: Não fecheis os corações como em Meriba!

(Sl 94,8)

 

Jesus Cristo, sois bendito, sois o ungido de Deus Pai!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

– Glória a vós, Senhor!

– Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos:1“Ficai atentos para não praticar a vossa justiça na frente dos homens, só para serdes vistos por eles. Caso contrário, não recebereis a recompensa do vosso Pai que está nos céus. 2Por isso, quando deres esmola, não toques a trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem elogiados pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 3Ao contrário, quando deres esmola, que a tua mão esquerda não saiba o que faz a tua mão direita, 4de modo que a tua esmola fique oculta. E o teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. 5Quando orardes, não sejais como os hipócritas, que gostam de rezar de pé, nas sinagogas e nas esquinas das praças, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 6Ao contrário, quando orares, entra no teu quarto, fecha a porta, e reza ao teu Pai que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa. 16Quando jejuardes, não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando. Em verdade vos digo: eles já receberam a sua recompensa. 17Tu, porém, quando jejuares, perfuma a cabeça e lava o rosto, 18para que os homens não vejam que tu estás jejuando, mas somente teu Pai, que está oculto. E o teu Pai, que vê o que está escondido, te dará a recompensa”.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

Sete Santos fundadores da Ordem dos Servitas

- por Pe. Alexandre

Interessante percebermos o contexto do surgimento desta ordem. No século XII e XIII, predominava uma burguesia anticristã na vivência, porque dizer que é cristão, que é católico, não é difícil, mas vivenciar e testemunhar o amor a Cristo, à Igreja e aos pobres, só com muito esforço e muita graça do Senhor.

Providencialmente, Deus, em sua misericórdia, foi suscitando vários santos como verdadeiros caminhos da fé e da felicidade, como os sete santos de hoje que fundaram a Ordem dos Servos de Maria. Eles pertenciam ao grupo de burgueses, até que foram se aproximando de um grupo de oração que se reunia com uma imagem de Nossa Senhora e ali oravam. Aqueles jovens foram se aproximando e a graça de Deus foi conquistando o coração deles.

Foram sete a dar um passo de radicalidade. Abandonaram o luxo, os cavalos, as festas, e foram viver uma vida monástica como sinal de santidade naquela sociedade em decadência. Com exceção de Alessio, que ficou como irmão religioso, os demais tornaram-se sacerdotes. Mas todos eles, como um só sinal de que ser servo de Cristo e da Virgem Maria, é preciso ter muito amor.

Oração, penitência e renúncia são percebidos na vida dos santos. Essas coisas são comuns, porque brotam da vida de Nosso Senhor Jesus Cristo e estão presentes no Evangelho que a Igreja de Cristo prega.

Sete Santos fundadores da Ordem dos Servitas, rogai por nós!

Meditação

- por Pe. Alexandre

Em lugar secreto… (Mt 6,1-6.16-18)

 

Nosso Deus é um Deus misterioso. Gosta de segredos. Não gosta de propaganda…

Não é fácil para nós, imersos em uma sociedade pragmática, em busca de resultados, adoradora da eficiência, conviver com um Deus que age no silêncio. Um Deus que é onipotente, mas encolhe as mãos e se deixa limitar por nossas mediações humanas. Chegamos a reclamar que a Igreja precisa melhorar o seu marketing!… Nós gostaríamos de um Deus espalhafatoso, com os trovões do Sinai e os tsunamis do Mar Vermelho, arrasando os egípcios e filisteus, e convencendo os incrédulos à força. E – naturalmente – nós seríamos os vencedores com o Deus vitorioso!

Deus é diferente. Trabalha ocultamente, sob a casca das coisas. Deus age no interior dos corações. Transforma o mal no bem. E não faz propaganda de sua bondade ativa. Ele não quer convencer. Prefere seduzir…

No tempo de Jesus, os fariseus eram os mais “religiosos” de todos. E faziam questão de demonstrar publicamente como eram cumpridores dos mandamentos e preceitos. Na expressão usada por Jesus, eles “tocavam trombeta” adiante de si… No fundo, faziam o bem para serem louvados e aplaudidos. Sua motivação não era reta. Tal como certos filantropos que usam a filantropia para levar vantagens e “vender uma imagem” positiva de suas pessoas ou de suas empresas.

No tempo da Quaresma, vestida de roxo, a Igreja nos convida a um mergulho em nosso íntimo. Em oração e jejum, temos um encontro marcado com o Senhor no “quarto fechado” de nosso coração. O Evangelho nos alerta: não precisamos fechar a cara, amarrar a tromba, para mostrar algum traço de piedade em nosso exterior. Ao contrário, fala de lavar o rosto e perfumar os cabelos: irradiar alegria e paz à nossa volta.

Só mesmo Deus é capaz de ler os segredos de nosso coração. Só a ele cabe avaliar se o amamos de fato. Se nossa vida é uma resposta amorosa ao seu chamado. Se nossos atos refletem a verdade interior ou se, infelizmente, merecemos o velho ditado: “por fora, bela viola; por dentro, pão bolorento” …

Aliás, o jejum nos exorta a abrir mão de nossa própria força e energia, para contar em tudo com a força que vem de Deus, o dinamismo do Espírito Santo, o único que pode curar o mundo e santificar os homens…

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.