18 de Janeiro de 2021

Segunda semana do tempo Comum- Segunda-feira

- por Pe. Alexandre

SEGUNDA FEIRA DO TEMPO COMUM
(verde ofício do dia)

 

Antífona da entrada

– Que toda a terra se prostre diante de vós, ó Deus, e cante louvores ao vosso nome, Deus altíssimo!  (Sl 65, 4).

 

Oração do dia

– Deus eterno e todo-poderoso, que governais o céu e a terra, escutai com bondade as preces do vosso povo e dai ao nosso tempo a nossa paz. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Hb 5,1-10

 

– Leitura da carta aos Hebreus: 1Todo sumo sacerdote é tirado do meio dos homens e instituído em favor dos homens nas coisas que se referem a Deus, para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados. 2Sabe ter compaixão dos que estão na ignorância e no erro, porque ele mesmo está cercado de fraqueza. 3Por isso, deve oferecer sacrifícios tanto pelos pecados do povo, como pelos seus próprios. 4Ninguém deve atribuir-se esta honra, senão o que foi chamado por Deus, como Aarão. 5Deste modo, também Cristo não se atribuiu a si mesmo a honra de ser sumo sacerdote, mas foi aquele que lhe disse: “Tu és o meu Filho, eu hoje te gerei”. 6Como diz em outra passagem: “Tu és sacerdote para sempre, na ordem de Melquisedec”. 7Cristo, nos dias de sua vida terrestre, dirigiu preces e súplicas, com forte clamor e lágrimas, àquele que era capaz de salvá-lo da morte. E foi atendido, por causa de sua entrega a Deus. 8Mesmo sendo Filho, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que ele sofreu. 9Mas, na consumação de sua vida, tornou-se causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem. 10De fato, ele foi por Deus proclamado sumo sacerdote na ordem de Melquisedec.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 110, 1.2.3.4 (R: 4bc)

 

– Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Mel­qui­sedec!
R: Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedec!

– Palavra do Senhor ao meu Senhor: “Assenta-te ao lado meu direito até que eu ponha os inimigos teus como escabelo por debaixo de teus pés!”

R: Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedec!

– O Senhor estenderá desde Sião vosso cetro de poder, pois Ele diz: “Domina com vigor teus inimigos.

R: Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedec!

– Tu és príncipe desde o dia em que nasceste; na glória e esplendor da santidade, como o orvalho, antes da aurora, eu te gerei!”

R: Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedec!

– Jurou o Senhor e manterá sua palavra: “Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem do rei Melquisedec!”

R: Tu és sacerdote eternamente segundo a ordem do rei Melquisedec!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– A Palavra do Senhor é viva e eficaz: ela julga os pensamentos e as intenções do coração (Hb 4,12).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 2,18-22

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

– Glória a vós, Senhor!  


Naquele tempo, 18os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: “Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?” 19Jesus respondeu: “Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar. 21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos”.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

Santa Prisca, virgem e mártir

- por Pe. Alexandre

 

Santa Prisca, virgem e mártir.

Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém

Hoje a Igreja celebra a memória de Santa Prisca. Santa Prisca foi uma virgem e martir, muito venerada em Roma. A tradição diz que ela teria sido martirizada nas primeiras execuções dos cristãos e teria sido enterrada nas catacumbas. Santa Prisca foi presa com um grande número de cristãos.

O imperador Claudius vendo Santa Prisca tão jovem, acreditava que facilmente a convenceria a deixar a fé, então a levou ao Templo de Apolo para queimar incenso. Porém, apesar de ser esbofeteada até sangrar a boca, não ofereceu o incenso que foi lhe dado. Foi encarcerada numa cela com criminosos que lhe insultaram o tempo todo, mas isso não a abateu. Depois, ela foi torturada com tochas e azeite fervendo, porém diante da aclamação do povo, o Imperador mandou encarcerá-la de novo.

Foi torturada e condenada à morte no anfiteatro para ser devorada pelos leões, mas os dois leões que foram soltos, em vez de atacá-la, para o espanto de todos, foram lamber os seus pés.

Ela então foi enviada de volta à prisão e depois decapitada. Uma águia teria ficado vigiando seu corpo, protegendo-o de qualquer predador, até que o mesmo foi enterrado.

Ela foi enterrada nas catacumbas próximas, que ficaram conhecidas como catacumbas de Santa Priscila.

Santa Prisca ou Priscilla se trata de uma importante Santa, que conquistou a admiração de todos desde os primeiros tempos do Cristianismo.

Além de ser considerada a mais antiga Santa romana também se tornou uma das mulheres mais veneradas na Igreja.

Prisca foi batizada aos treze anos de idade por São Pedro e se tornou a primeira mulher do Ocidente a testemunhar com o martírio, sua fé em Cristo.

Santa Prisca, virgem e mártir Rogai por nós

Abençoe-vos Deus todo poderoso, Pai, Filho e Espírito Santo

Meditação

- por Pe. Alexandre

Vinho novo, odres novos… (Mc 2, 18-22)

A pessoa humana pode ser comparada a um odre: uma espécie de cantil ou reservatório a ser preenchido. Os odres dos orientais eram feitos com a pele de um pequeno animal, depois de limpa e virada do avesso. Naturalmente, um odre novo conserva a elasticidade da pele e tem mais resistência que um odre velho, de pele já ressequida pelo tempo e tornada rígida pelo uso diário.

A graça de Deus e as moções do Espírito Santo bem podem ser comparadas ao vinho. Tal como a bebida, os impulsos do Espírito trazem alegria e animação, acabam com o desânimo e a timidez. Durante o período de fermentação, o vinho novo produz gases, movimenta-se em seu recipiente.

 

Quando Jesus começou a ensinar no meio judaico, tão apegado à Lei Antiga, muitas de suas lições pareciam vinho novo, borbulhante, e eram vistas como ameaça para a morna estabilidade do sistema religioso de seu tempo. Os homens do Templo, sacerdotes e doutores da Lei, temiam por sua implosão.

Hoje também, podemos estar acostumados a um tipo de prática religiosa (novenas, procissões, ladainhas, devoções particulares) e manifestar estranheza diante de alguma “novidade” do Espírito de Deus (orações espontâneas, palmas acompanhando os cânticos, repouso no Espírito ou compromisso político). Especialmente os que se veem como “renovados” devem ter caridade suficiente para aceitar que os irmãos de fé se sintam ameaçados pelo vinho novo, procurando entender sua fixação nas antigas fórmulas.

Por outro lado, os fiéis mais tradicionalistas correm o permanente risco de não acolher autênticas inspirações do Espírito Santo, que sempre sopra onde quer e se manifesta de modo multiforme em lugares e épocas diferentes. O essencial é distinguir entre “formatos” de valor acessório, que mudam naturalmente com o passar dos anos, e a “substância” da fé, esta, sim, essencial.

Rezar em latim ou português não deve ser motivo de inquietação nem de divisões. O importante é rezar. Bater palmas, ou não, durante os cânticos, é um detalhe de pouco significado. O importante é cantar. Mas o conteúdo de nossa fé – como está registrado no “Símbolo dos Apóstolos” – exige de todos nós a mais perfeita unidade. Uma falha neste ponto levaria à divisão e aos cismas.

A lição de Jesus é que a pessoa deve experimentar pessoalmente uma renovação interior antes que tentem forçá-la a recolher o vinho borbulhante do Espírito Santo. Do contrário, o remendo (de linho cru, pano não encolhido) acabará por tornar ainda maior o rasgão do velho tecido. Prudência, pois…

 

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.