18 de Maio de 2019

4ª Semana da Páscoa - Sábado

- por Padre Alexandre Fernandes

SABADO DA IV SEMANA DA PÁSCOA
(branco – ofício do dia )

 

Antífona da entrada

 

– Povo resgatado por Deus, proclamai suas maravilhas; ele vos chamou das trevas à luz admirável, aleluia! (Ap 5,12)

 

Oração do dia

 

– Deus eterno e todo-poderoso, fazei-nos viver sempre mais o mistério pascal para que, renovados pelo santo batismo, possamos, por vossa graça, produzir muitos frutos e chegar às alegrias da vida eterna. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: At 13, 44-52

– Leitura dos Atos dos apóstolos – 44No sábado seguinte, quase toda a cidade se reuniu para ouvir a palavra de Deus. 45Ao verem aquela multidão, os judeus ficaram cheios de inveja e, com blasfêmias, opunham-se ao que Paulo dizia.
46Então, com muita coragem, Paulo e Barnabé declararam: “Era preciso anunciar a palavra de Deus primeiro a vós. Mas, como a rejeitais e vos considerais indignos da vida eterna, sabei que nos vamos dirigir aos pagãos. 47Porque esta é a ordem que o Senhor nos deu: ‘Eu te coloquei como luz para as nações, para que leves a salvação até os confins da terra’”. 48Os pagãos ficaram muito contentes, quando ouviram isso, e glorificaram a Palavra do Senhor. Todos os que eram destinados à vida eterna, abraçaram a fé. 49Desse modo, a palavra do Senhor espalhava-se por toda a região. 50Mas os judeus instigaram as mulheres ricas e religiosas, assim como os homens influentes da cidade, provocaram uma perseguição contra Paulo e Barnabé e expulsaram-nos do seu território. 51Então os apóstolos sacudiram contra eles a poeira dos pés, e foram para a cidade de Icônio. 52Os discípulos, porém, ficaram cheios de alegria e do Espírito Santo.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 98, 1.2-3ab.3cd-4 (R: 3cd)

 

– Os confins do mundo contemplaram a salvação do nosso Deus.
R: Os confins do mundo contemplaram a salvação do nosso Deus.

– Cantai ao Senhor Deus um canto novo, porque ele fez prodígios! Sua mão e o seu braço forte e santo alcançaram-lhe a vitória.

R: Os confins do mundo contemplaram a salvação do nosso Deus.

– O Senhor fez conhecer a salvação, e às nações, sua justiça; recordou o seu amor sempre fiel pela casa de Israel.

R: Os confins do mundo contemplaram a salvação do nosso Deus.

– Os confins do universo contemplaram a salvação do nosso Deus. Aclamai o Senhor Deus, ó terra inteira, alegrai-vos e exultai!

R: Os confins do mundo contemplaram a salvação do nosso Deus.
 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Se guardais minha palavra, diz Jesus, realmente vós sereis os meus discípulos (jo 8,31).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 14, 7-14

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 7“Se vós me conhecêsseis, conheceríeis também o meu Pai. E desde agora o conheceis e o vistes”. 8Disse Filipe: “Senhor, mostra-nos o Pai, isso nos basta!”9Jesus respondeu: “Há tanto tempo estou convosco, e não me conheces Filipe? Quem me viu, viu o Pai. Como é que tu dizes: ‘Mostra-nos o Pai”? 10Não acreditas que eu estou no Pai e o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo, não as digo por mim mesmo, mas é o Pai que, permanecendo em mim, realiza as suas obras. 11Acreditai-me: eu estou no Pai e o Pai está em mim. Acreditai, ao menos, por causa destas mesmas obras. 12Em verdade, em verdade vos digo, quem acredita em mim fará também as obras que eu faço, e fará ainda maiores do que estas. Pois eu vou para o Pai, 13e o que pedirdes em meu nome, eu o realizarei, a fim de que o Pai seja glorificado no Filho. 14Se pedirdes algo em meu nome, eu o farei.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

 

São João I

- por Padre Alexandre Fernandes

João nasceu em Túsculo, uma província da Itália. Foi eleito sucessor do papa Hormisda, em 523, e costuma ser identificado como João Diácono, autor da epístola "Ad senartun", importante para a história da liturgia batismal.

É reconhecido também pela autoria de "A fé católica", transmitida pelos antigos, entre as obras do filósofo e mártir são Severino Boécio, cujo trabalho exerceu grande influencia sobre santo Tomás de Aquino.

 

O papa Hormisda e o imperador Justino tinham feito cessar o cisma entre Roma e Constantinopla, que se iniciara em 484, com o então imperador Zenon, por meio do que parecia impossível: um acordo entre católicos e arianos. Com esse esquema obtivera bons resultados políticos, pois os godos eram arianos. 
 

Porém, no final de 524, o imperador Justino publicou um decreto ordenando o fechamento das igrejas arianas de Constantinopla e a exclusão dos arianos de toda a função civil e militar. 
 

Roma era, então, governada pelo imperador Teodorico, o Grande, o rei dos bárbaros arianos que tinham invadido a Itália. Ele obrigou o papa João I a viajar a Constantinopla para solicitar ao imperador Justino a revogação daquele decreto. 
 

Apesar de o imperador Justino ter-se ajoelhado perante o primeiro sumo pontífice a pisar em Constantinopla, ele não conseguiu demovê-lo da perseguição aos arianos. A solicitação foi atendida apenas em parte, pois o imperador concordou em devolver as igrejas confiscadas aos arianos, mas manteve o impedimento de os arianos convertidos ao catolicismo poderem retornar ao arianismo. 
 

Com o fracasso de sua missão, o papa João I despertou a ira do imperador Teodorico. Assim, quando colocou os pés em Roma, foi detido e aprisionado em Ravena, onde morreu em 18 de maio de 526. Foi, então, declarado mártir da Igreja.

FONTE: DERRADEIRAS GRAÇAS

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Fará também as obras que eu faço… (Jo 14,7-14)

 

            Neste Evangelho, nós estamos diante de uma promessa clara e direta de Jesus a todo aquele que o segue: “Quem crê em mim fará as obras que eu faço, e as fará maiores do que estas.” Diante do aparente absurdo, Santo Agostinho fala por Jesus: “Realizarei mais por meio daquele que crer em Mim, do que realizo agora por mim mesmo”. Ao agir no poder do Ressuscitado, a Igreja parece superá-lo.

 

            A primeira geração cristã estendeu o Evangelho muito além da Palestina, por onde Jesus limitara sua missão. Em poucos anos, a Boa Nova fora anunciada por todo o Império. Não se trata de ser mais que Jesus, mas, em comunhão com Ele, realizar uma tarefa que supera em muito a ação individual de qualquer pessoa.

 

            Francisco Xavier sai  cortando os mares até a Índia, o Japão e a China. Eis Antônio de Pádua a ressuscitar 5 mortos. Eis Teresa de Calcutá atendendo – um por um, um de cada vez – milhares de mendigos, enfermos e leprosos. Hoje, suas numerosas seguidoras também fazem obras maiores do que ela, multiplicando seu carisma, sua presença e sua ação por todo o planeta sofredor…

 

            Bem, Jesus não disse que qualquer um faria isto. Somente aqueles que cressem… E o modelo de nossa fé pode ser encontrado na pessoa de Maria de Nazaré, que acreditou no anúncio de Gabriel e mereceu o elogio de Isabel: “Bem-aventurada és tu que creste, pois se hão de cumprir as coisas que da parte do Senhor te foram ditas!” (Lc 1,45)

 

            E foi por ter acreditado que Maria obteve de Jesus o milagre inaugural, nas Bodas de Cana, com o vinho da alegria multiplicado além de toda expectativa. Foi por sua fé que ela teve forças de permanecer de pé junto à cruz. Foi pela fé que Maria acolheu como filhos toda a multidão dos fiéis que ela gerava no Calvário. É pela fé que a Igreja, a exemplo de Maria, continua gerando novos filhos para Deus.

 

            Escorre a areia pela ampulheta inexoravelmente. Somam-se os séculos. Caem por terra os impérios e os exércitos viram pó. Mas a Igreja, sob o manto de Maria, permanece firme em sua missão, sólida em seu combate, ancorada em sua fé. E é na fé que a Igreja amplia, multiplica e projeta para o futuro – até que venha o Cordeiro – os mesmos sinais que acompanharam Cristo nesta terra.

 

            Minha fé se traduz em ações?

 

Orai sem cessar: “Com o auxílio de Deus faremos proezas!” (Sl 60, 14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

14º Domingo do Tempo Comum