19 de Outubro de 2019

28ª semana comum Sábado

- por Padre Alexandre Fernandes

SABADO – XXVIII SEMANA DO TEMPO COMUM

(Verde – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Senhor, se levardes em conta as nossas faltas, quem poderá subsistir? Mas em vós encontra-se o perdão, Deus de Israel! (Sl 129,3).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, sempre nos preceda e acompanhe a vossa graça, para que estejamos sempre atentos ao bem que devemos fazer. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Rm 4,13.16-18

– Leitura da carta de são Paulo aos Romanos: Irmãos, 13não foi por causa da Lei, mas por causa da justiça que vem da fé, que Deus prometeu o mundo como herança a Abraão ou à sua descendência. 16É em virtude da fé que alguém se torna herdeiro. Logo, a condição de herdeiro é uma graça, um dom gratuito, e a promessa de Deus continua valendo para toda a descendência de Abraão, tanto para a descendência que se apega à Lei, quanto para a que se apóia somente na fé de Abraão, que é o pai de todos nós. 17Pois está escrito: “Eu fiz de ti pai de muitos povos”. Ele é pai diante de Deus, porque creu em Deus que vivifica os mortos e faz existir o que antes não existia. 18Contra toda a humana esperança, ele firmou-se na esperança e na fé. Assim, tornou-se pai de muitos povos, conforme lhe fora dito: “Assim será a tua posteridade”.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 105,6-7.8-9.42-43 (R: 8a)

 

 O Senhor se lembra sempre da Aliança.
R: O Senhor se lembra sempre da Aliança.

– Descendentes de Abraão, seu servidor, e filhos de Jacó, seu escolhido, ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, vigoram suas leis em toda a terra.

R: O Senhor se lembra sempre da Aliança.

– Ele sempre se recorda da Aliança, promulgada a incontáveis gerações; da Aliança que ele fez com Abraão, e do seu santo juramento a Isaac.

R: O Senhor se lembra sempre da Aliança.

– Ele lembrou-se de seu santo juramento, que fizera a Abraão, seu servidor. Fez sair com grande júbilo o seu povo, e seus eleitos, entre gritos de alegria.

R: O Senhor se lembra sempre da Aliança.
 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

 – O Espírito Santo, a verdade, de mim irá testemunhar; e vós minhas testemunhas sereis em todo lugar (Jo 15,26).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: 12,8-12

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas.

– Glória a vós, Senhor!

 

 – Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 8“Todo aquele que der testemunho de mim diante dos homens, o Filho do Homem também dará testemunho dele diante dos anjos de Deus. 9Mas aquele que me renegar diante dos homens, será negado diante dos anjos de Deus. 10Todo aquele que disser alguma coisa contra o Filho do Homem será perdoado. Mas quem blasfemar contra o Espírito Santo não será perdoado. 11Quando vos conduzirem diante das sinagogas, magistrados e autoridades, não fiqueis preocupados como ou com que vos defendereis, ou com o que direis. 12Pois, nessa hora, o Espírito Santo vos ensinará o que deveis dizer”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

São Paulo da Cruz

- por Padre Alexandre Fernandes

São Paulo da Cruz, não abandonou o hábito preto, a cruz branca e as duras penitências

Nasceu em Ovada (Itália) em 1694, de piedosos pais, que muito educaram o filho no Cristianismo. Foi o segundo de 16 filhos. Quando jovem de oração e contemplativo, fez uma aliança com colegas, a fim de meditarem a Paixão e morte de Jesus.

De início, trabalhou com o pai e não sentia o chamado ao sacerdócio, mas, ao apostolado. Aos 19 anos, ouvido uma exortação do pároco, sentiu-se profundamente comovido e resolveu entregar-se inteiramente ao serviço de Deus. Assim, partilhou com um Bispo, o impulso de propagar a devoção à Paixão e morte daquele que morreu por amor à humanidade e salvação de cada um.

Enviado pelo Bispo, tornou-se instrumento de conversão para milhares, até que o Bispo ordenou-o sacerdote e, mais tarde, o Papa deu a licença para aceitar candidatos em seu Noviciado.

Nasceu desta maneira a Congregação dos Padres Passionistas, com a finalidade de firmar nos corações dos fiéis um grande amor à Paixão e morte de Nosso Senhor, através das missões populares. Além da Congregação dos Passionistas, fundou também um instituto feminino de estrita clausura: as Irmãs Passionistas.

Profundo devoto da Sagrada Paixão, o fundador São Paulo da Cruz desde que começou o apostolado sozinho não abandonou o hábito preto, a cruz branca e as duras penitências, como se alimentar de pão e água e dormir no chão. Depois de muito evangelizar (também através de seus muitos escritos) e alcançar milagres para o povo, associou-se à Cruz e à Nossa Senhora das Dores, para entrar como vitorioso no Céu em 1775, somando 81 anos de idade. O Papa Pio IX canonizou-o em 1867. O seu corpo venera-se na basílica dos santos João e Paulo.

São Paulo da Cruz, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

O Espírito Santo vos ensinará… (Lc 12, 8-12)

 

            Gosto de uma passagem do Antigo Testamento que define o Espírito de Deus como alguém encarregado de nos educar: “O Espírito Santo, educador das almas, fugirá da perfídia, afastar-se-á dos pensamentos insensatos…” (Sb 1, 5.) De fato, temos no Espírito de Deus um “mestre interior” – o único que nos pode revelar o mistério divino que se encerra na pessoa de Jesus Cristo. Sem esse Mestre, a Palavra de Deus permanece como linguagem cifrada, impenetrável à lógica dos humanos.

 

            Quando Jesus se preparava para entregar-se à Paixão e separar-se de seus discípulos, falou repetidamente do dom do Espírito Santo como um “revelador”, alguém que poderia devolver aos corações humanos o sentido perdido de sua existência e dos projetos de Deus. Assim, em São João, podemos ler: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Paráclito, para que fique eternamente convosco. É o Espírito da verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conhecereis,, porque permanecerá convosco e estará em vós”. (Jo 14, 16-17.)

 

            Ou logo a seguir: “Mas o Paráclito, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ensinar-vos-á todas as coisas e vos recordará tudo o que vos tenho dito.” (Jo 14, 26.) E nota sua função pedagógica: “Quando vier o Paráclito, o Espírito da verdade, ensinar-vos-á toda a verdade, porque não falará por si mesmo, mas dirá o que ouvir, e anunciar-vos-á as coisas que virão”. (Jo 16, 13.)

 

            Desde Pentecostes, a Igreja percebeu que só poderia ser em verdade o “Corpo de Cristo” se fosse habitada pelo Espírito Santo. O Vaticano II, na Lumen Gentium, reconhece a ação do Espírito na Igreja: “O Espírito habita na Igreja e nos corações dos fiéis como num templo (cf. 1Cor 3, 16; 6, 19). Neles ora e testemunha a adoção de filhos (cf. Gl 4, 6; Rm 8, 15-16.26). Conduz a Igreja a toda a verdade (cf. Jo 16, 13). Unifica-a na comunhão e no ministério. Dota-a e dirige-a mediante os diversos dons hierárquicos e carismáticos. E adorna-a com seus frutos (cf. Ef 4, 11-12; 1Cor 12, 4; Gl 5, 22).” (LG, 4.)

 

            Pairando sobre as águas primordiais da Criação, ungindo os profetas da Primeira Aliança, gerando na Virgem Maria a natureza humana do Salvador, descendo sobre Jesus no Rio Jordão, inflamando os discípulos em Pentecostes – eis a presença universal do Espírito de Deus na história dos homens…

 

Orai sem cessar: “Vinde, Espírito Santo,

                               enchei os corações dos vossos fiéis!”

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.