20 de Janeiro de 2020

2a Semana Comum Segunda-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

SEGUNDA FEIRA DA II SEMANA DO TEMPO COMUM
(cor verde – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Que toda a terra se prostre diante de vós, ó Deus, e cante louvores ao vosso nome, Deus altíssimo! (Sl 65,4)

 

Oração do dia

 

– Deus eterno e todo-poderoso, que governais o céu e a terra, escutai com bondade as preces do vosso povo e dai ao nosso tempo a vossa paz. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: 1Sm 15,16-23

– Leitura do primeiro livro de Samuel: Naqueles dias, 16Samuel disse a Saul: “Basta! Deixa-me dizer-te o que o Senhor me revelou esta noite”. Saul disse: “Fala!” 17Então Samuel começou: “Por menor que sejas aos teus próprios olhos, acaso não és o chefe das tribos de Israel? O Senhor ungiu-te rei sobre Israel 18e te enviou em expedição, com a ordem de eliminar os amalecitas, esses malfeitores, combatendo-os até que fossem exterminados. 19Por que não ouviste a voz do Senhor, e te precipitaste sobre os despojos e fizeste o que desagrada ao Senhor?” 20Saul respondeu a Samuel: “Mas eu obedeci ao Senhor! Realizei a expedição a que ele me enviou. Trouxe Agag, rei de Amalec, para cá, e exterminei os amalecitas. 21Quanto aos despojos, o povo reteve, das ovelhas e dos bois, o melhor do que devia ser eliminado para sacrificar ao Senhor teu Deus em Guilgal”. 22Mas Samuel replicou: “O Senhor quer holocaustos e sacrifícios, ou quer a obediência à sua palavra? A obediência vale mais que o sacrifício, a docilidade mais que oferecer gordura de carneiros. 23A rebelião é um verdadeiro pecado de magia, um crime de idolatria, uma obstinação. Assim, porque rejeitaste a palavra do Senhor, ele te rejeitou: tu não és mais rei”.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 50,8-9.16bc-17.21.23 (R: 23b)

 

– A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.
R: A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Eu não venho censurar teus sacrifícios, pois sempre estão perante mim teus holocaustos; não preciso dos novilhos de tua casa nem dos carneiros que estão nos teus rebanhos.

R: A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– “Como ousas repetir os meus preceitos e trazer minha Aliança em tua boca”? Tu que odiaste minhas leis e meus conselhos e deste as costas às palavras dos meus lábios!

R: A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Diante disso que fizeste, eu calarei? Acaso pensas que eu sou igual a ti? É disso que te acuso e repreendo e manifesto essas coisas aos teus olhos.

R: A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.

– Quem me oferece um sacrifício de louvor, este sim é o que me honra de verdade. “A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus”.

R: A todo homem que procede retamente, eu mostrarei a salvação que vem de Deus.
 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– A palavra do Senhor é viva e eficaz: ela julga os pensamentos e intenções do coração (H 4, 12).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Marcos: Mc 2,18-22

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Marcos.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, 18os discípulos de João Batista e os fariseus estavam jejuando. Então, vieram dizer a Jesus: "Por que os discípulos de João e os discípulos dos fariseus jejuam, e os teus discípulos não jejuam?"19Jesus respondeu: "Os convidados de um casamento poderiam, por acaso, fazer jejum, enquanto o noivo está com eles? Enquanto o noivo está com eles, os convidados não podem jejuar. 20Mas vai chegar o tempo em que o noivo será tirado do meio deles; aí, então, eles vão jejuar. 21Ninguém põe um remendo de pano novo numa roupa velha; porque o remendo novo repuxa o pano velho e o rasgão fica maior ainda. 22Ninguém põe vinho novo em odres velhos; porque o vinho novo arrebenta os odres velhos e o vinho e os odres se perdem. Por isso, vinho novo em odres novos".

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

 

São Sebastião

- por Padre Alexandre Fernandes

São Sebastião, defensor da Igreja e apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos

O santo de hoje nasceu em Narbonne; os pais eram oriundos de Milão, na Itália, do século terceiro. São Sebastião, desde cedo, foi muito generoso e dado ao serviço. Recebeu a graça do santo batismo e zelou por ele em relação à sua vida e à dos irmãos.

Ao entrar para o serviço no Império como soldado, tinha muita saúde no físico, na mente e, principalmente, na alma. Não demorou muito, tornou-se o primeiro capitão da guarda do Império. Esse grande homem de Deus ficou conhecido por muitos cristãos, pois, sem que as autoridades soubessem – nesse tempo, no Império de Diocleciano, a Igreja e os cristãos eram duramente perseguidos –, porque o imperador adorava os deuses. Enquanto os cristãos não adoravam as coisas, mas as três Pessoas da Santíssima Trindade.

Esse mistério o levava a consolar os cristãos que eram presos de maneira secreta, mas muito sábia; uma evangelização eficaz pelo testemunho que não podia ser explícito.

São Sebastião tornou-se defensor da Igreja como soldado, como capitão e também como apóstolo dos confessores, daqueles que eram presos. Também foi apóstolo dos mártires, os que confessavam Jesus em todas as situações, renunciando à própria vida. O coração de São Sebastião tinha esse desejo: tornar-se mártir. E um apóstata denunciou-o para o Império e lá estava ele, diante do imperador, que estava muito decepcionado com ele por se sentir traído. Mas esse santo deixou claro, com muita sabedoria, auxiliado pelo Espírito Santo, que o melhor que ele fazia para o Império era esse serviço; denunciando o paganismo e a injustiça.

São Sebastião, defensor da verdade no amor apaixonado a Deus. O imperador, com o coração fechado, mandou prendê-lo num tronco e muitas flechadas sobre ele foram lançadas até o ponto de pensarem que estava morto. Mas uma mulher, esposa de um mártir, o conhecia, aproximou-se dele e percebeu que ele estava ainda vivo por graça. Ela cuidou das feridas dele. Ao recobrar sua saúde depois de um tempo, apresentou-se novamente para o imperador, pois queria o seu bem e o bem de todo o Império. Evangelizou, testemunhou, mas, dessa vez, no ano de 288 foi duramente martirizado.

São Sebastião, rogai por nós!

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

O Esposo lhes será tirado… (Mc 2,18-22)

 

Na Primeira Aliança, Israel, povo de Deus, é apresentado sob a figura da esposa. O Senhor Javé é o esposo fiel e sempre pronto a perdoar as infidelidades de seu povo. Esta é uma imagem forte, que acena para um profundo anseio de intimidade entre o Deus transcendente, inacessível, e a humanidade condensada em Israel. Nele, todos os povos participarão das núpcias definitivas.

 

            No livro de Oséias, essa relação é agudizada: a esposa é uma ex-prostituta que, depois conquistada pelo profeta, volta à prostituição. Imagem do povo amado por Deus. “Ama de novo à mulher que foi amada de meu amigo, e que assim adultera, pois é assim que o Senhor ama os filhos de Israel!” (Os 3,1)

 

            No incomparável “Cântico dos Cânticos”, o livro sagrado mostra o diálogo entre o Amado e a Amada. Todos os sentidos humanos são ali explorados – o rubro das maçãs e a alvura do lírio, o aroma do incenso e da canela, o sabor das uvas e das tâmaras, a vertigem das sandálias na dança – tudo para ilustrar “a paixão violenta como o Xeol”, isto é, o amor indizível do Esposo para com seu povo.

 

            Na plenitude dos tempos, nascido de Mulher e humanado, vem o próprio Filho de Deus para nos ensinar a amar o amor definitivo, selando em sangue a Nova e Eterna Aliança. Às margens do Rio Jordão, João Batista corre a nos alertar: É Ele o esposo! Não podemos deixar que se afaste na escuridão da noite!

 

            E querem esses loucos fariseus que nós façamos jejum?! Ora, é tempo de festa! É hora de esticar as cordas de nossa tenda! (Is 54,2) A vinha em flor exala o seu perfume (Ct 2,13). As talhas de vinho estão transbordando em Caná! (Jo 2) A colheita foi farta e os celeiros estão estufados de trigo! Um Deus se esconde em nossa casa! (Is 45,15)                      

 

            Pois a Primavera passou. Os tamborins se calaram. A alcova foi devassada. O Noivo preso e condenado. Cravado na Cruz. Podem ouvir o seu lamento? Quem irá chorar por Ele? Quem levará aromas para seu sepulcro? Quem cobrirá de rosas o seu túmulo?

 

            Até que Ele volte à vida, jejuaremos na noite, enquanto as lágrimas tornam férteis nossos campos e nossa terra… Porque nenhum consolo encontra a Filha de Sião…

 

Orai sem cessar: “Senhor, fazei-nos reviver os dias de outrora!” (Lm 5,21)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

26ª Semana do Tempo Comum