20 de Maio de 2019

5ª Semana da Páscoa - Segunda-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

 

SEGUNDA FEIRA – V SEMANA DA PÁSCOA

(Branco, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Ressuscitou o bom pastor, que deu a vida por suas ovelhas e quis morrer pelo rebanho, aleluia!

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que unis os corações dos vossos fiéis num só desejo, dai ao vosso povo amar o que ordenais e esperar o que prometeis, para que, na instabili-dade deste mundo, fixemos os nossos corações onde se encontram as verdadeiras alegrias. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: At 14,5-18

 

– Leitura dos Atos dos Apóstolos: Naqueles dias, em Icônio, 5pagãos e judeus, tendo à frente seus chefes, estavam dispostos a ultrajar e apedrejar Paulo e Barnabé. 6Ao saberem disso, Paulo e Barnabé fugiram e foram para Listra e Derbe, cidades de Licaônia, e seus arredores. 7Aí começaram a anunciar o Evangelho. 8Em Listra, havia um homem paralítico das pernas, que era coxo de nascença e nunca fora capaz de andar. 9Ele escutava o discurso de Paulo. E este, fixando nele o olhar e notando que tinha fé para ser curado, 10disse em alta voz: “Levanta-te direito sobre os teus pés”. O homem deu um salto e começou a caminhar. 11Vendo o que Paulo acabara de fazer, a multidão exclamou em dialeto licaônico: “Os deuses desceram entre nós em forma de gente!” 12Chamavam a Barnabé Júpiter e a Paulo Mercúrio, porque era Paulo quem falava. 13Os sacerdotes de Júpiter, cujo templo ficava defronte à cidade, levaram à porta touros ornados de grinaldas e queriam, com a multidão, oferecer sacrifícios. 14Ao saberem disso, os apóstolos Barnabé e Paulo rasgaram as vestes e foram para o meio da multidão, gritando: 15“Homens, que estais fazendo? Nós também somos homens mortais como vós, e vos estamos anunciando que precisais deixar esses ídolos inúteis para vos converterdes ao Deus vivo, que fez o céu, a terra, o mar e tudo o que neles existe. 16Nas gerações passadas, Deus permitiu que todas as nações seguissem o próprio caminho. 17No entanto, ele não deixou de dar testemunho de si mesmo através de seus benefícios, mandando do céu chuvas e colheitas, dando alimento e alegrando vossos corações”. 18E assim falando, com muito custo, conseguiram que a multidão desistisse de lhes oferecer um sacrifício.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 115,1-2.3-4.15-16 (R: 1)

 

– Não a nós, ó Senhor, não a nós, ao vosso nome, porém, seja a glória.
R: Não a nós, ó Senhor, não a nós, ao vosso nome, porém, seja a glória.

– Não a nós, ó Senhor, não a nós, ao vosso nome, porém, seja a glória, porque sois todo amor e verdade! Por que hão de dizer os pagãos: “Onde está o seu Deus, onde está?”

R: Não a nós, ó Senhor, não a nós, ao vosso nome, porém, seja a glória.

– É nos céus que está o nosso Deus, ele faz tudo aquilo que quer. São os deuses pagãos ouro e prata, todos eles são obras humanas.

R: Não a nós, ó Senhor, não a nós, ao vosso nome, porém, seja a glória.

– Abençoados sejais do Senhor, do Senhor que criou céu e terra! Os céus são os céus do Senhor, mas a terra ele deu para os homens.

R: Não a nós, ó Senhor, não a nós, ao vosso nome, porém, seja a glória.
 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– O Espírito Santo, o paráclito, haverá de lembrar-vos de tudo o que tenho falado, aleluia (Jo14,26).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 14,21-26

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: 21“Quem acolheu os meus mandamentos e os observa, esse me ama. Ora, quem me ama será amado por meu Pai, e eu o amarei e me manifestarei a ele”. 22Judas – não o Iscariotes – disse-lhe: “Senhor, como se explica que te manifestarás a nós e não ao mundo?” 23Jesus respondeu-lhe: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. 24Quem não me ama não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. 25Isso é o que vos disse enquanto estava convosco. 26Mas o Defensor, o Espírito Santo que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

São Bernardino de Sena

- por Padre Alexandre Fernandes

Na Itália, Bernardino nasceu na nobre família senense dos Albizzeschi, em 8 de setembro de 380, na pequena Massa Marítima, em Carrara.

Ficou órfão da mãe quando tinha três anos e do pai aos sete, sendo criado na cidade de Sena por duas tias extremamente religiosas, que o levaram a descobrir a devoção a Nossa Senhora e a Jesus Cristo. 
 

Depois de estudar na Universidade de Sena, formando-se aos vinte e dois anos, abandonou a vida mundana e ingressou na Ordem de São Francisco, cujas regras abraçou de forma entusiasmada e fiel. Apoiando o movimento chamado "observância", que se firmava entre os franciscanos, no rigor da prática da pobreza vivida por são Francisco de Assis, acabou sendo eleito vigário-geral de todos os conventos dos franciscanos da observância.

 

Aos trinta e cinco anos de idade, começou o apostolado da pregação, exercido até a morte. E foi o mais brilhante de sua época. Viajou por toda a Itália ensinando o Evangelho, com seus discursos sendo taquigrafados por um discípulo com um método inventado por ele. O seu legado nos chegou integralmente e seu estilo rápido, bem acessível, leve e contundente, se manteve atual até os nossos dias. Os temas freqüentes sobre a caridade, humildade, concórdia e justiça, traziam palavras duríssimas para os que "renegam a Deus por uma cabeça de alho" e pelas "feras de garras compridas que roem os ossos dos pobres". 
 

Naquela época, a Europa vivia grandes calamidades, como a peste e as divisões das facções políticas e religiosas, que provocavam morte e destruição. Por onde passava, Bernardino restituía a paz, com sua pregação insuperável, ardente, empolgante, até mesmo usando de recursos dramáticos, como as fogueiras onde queimava livros impróprios, em praça pública. Além disso, como era grande devoto de Jesus, ele trazia as iniciais JHS – Jesus Salvador dos Homens – entalhadas num quadro de madeira, que oferecia para ser beijado pelos fiéis após discursar. 
 

As pregações e penitências constantes, a fraca alimentação e pouco repouso enfraqueciam cada vez mais o seu físico já envelhecido, mas ele nunca parava.

 

Bernardino morreu no convento de Áquila, no dia 20 de maio de 1444. Só assim ele parou de pregar, com sessenta e quatro anos de idade
 

Tamanha foi a impressão causada por essa vida fiel a Deus que, apenas seis anos depois, em 1450, foi canonizado.

 

São Bernardino de Sena é o patrono dos publicitários italianos e de todo o mundo.

FONTE: DERRADEIRAS GRAÇAS 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Guardará minha Palavra… (Jo 14,21-26)

 

            Entre os judeus – e Jesus era um deles, é bom lembrar… -, o verbo “guardar” tem ressonâncias muito especiais. No vocabulário técnico da tradição rabínica, “receber”, “guardar” e “transmitir” eram os verbos reveladores do homem justo e fiel. O grande dom de Deus ao povo escolhido era a Torah, a Lei intermediada por Moisés no Sinai. O israelita fiel se orientava por ela, recebendo a Lei, guardando-a e transmitindo com integridade, sem lhe alterar sequer um iode, a menor de todas as letras.

 

            Trazendo tudo isto para nosso tempo, diríamos que a virtude em questão é a obediência. Esta palavra, de origem latina, significa um ob-audiência, ou seja, a atitude de quem fica de frente para quem está falando, pronto a lhe obedecer. Assim como o filho que ouve as ordens e conselhos do pai.

 

            Neste Evangelho, Jesus associa a obediência ao amor. Começa por dizer que o Pai amará quem acolhe fielmente a Palavra dele, manifestada por Jesus. Isto é, a obediência suscita o amor. Mas o Mestre acrescenta: “Quem não me ama não guarda as minhas palavras”, o que deixa claro que é por amor que alguém se vê motivado a obedecer. O filho obedece ao Pai porque o ama. O tão esquecido “temor de Deus” – dom do Espírito Santo – não significa outra coisa, a não ser isto: “A última coisa que desejo neste mundo é entristecer meu Pai, que tanto me ama. Minha obediência é minha resposta de amor a quem me ama assim!”

 

            Vivemos um tempo de rebeldia. Poucos desejam obedecer. Mesmo nos Institutos de vida consagrada, a obediência foi a tal ponto atenuada e reduzida, em nome da responsabilidade e da liberdade de consciência, que acontecem arrepios quando falamos do carisma de nossa querida Comunidade Católica Nova Aliança: “obediência incondicional e amorosa à Igreja”.

 

            – “À Igreja?!” – estranhou uma freira, fazendo careta. “Nós devemos obedecer é a Deus!” Como se fosse possível obedecer a Deus, a quem não vemos, sem obedecer à Igreja, que fala em nome de Deus…

 

            A marca registrada dos santos não foi o milagre, os dons excepcionais ou as experiências místicas. Tudo isto, se aconteceu, veio como consequência de uma vida inteiramente submetida à vontade de Deus.

 

            Como anda nossa obediência à voz de Deus que fala pela Igreja?

 

Orai sem cessar: “No meu coração conservo as tuas ordens, Senhor!” (Sl 119,11)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.