22 de Agosto de 2019

20ª semana comum Quinta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

QUINTA FEIRA – NOSSA SENHORA RAINHA
(branco, pref. de Maria – ofício da memória)

 

Antífona da entrada

 

– A rainha está à vossa direita com suas vestes de ouro, ornada de esplendor (Sl 44,10).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que fizestes a mãe de vosso Filho nossa mãe e rainha, dai-nos, por sua intercessão, alcançar o reino do céu e a glória prometida aos vossos filhos e filhas. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Is 9,1-6

 

– Leitura do livro do profeta Isaías – 1O povo, que andava na escuridão, viu uma grande luz; para os que habitavam nas sombras da morte, uma luz resplandeceu. 2Fizeste crescer a alegria, e aumentaste a felicidade; todos se regozijam em tua presença como alegres ceifeiros na colheita, ou como exaltados guerreiros ao dividirem os despojos. 3Pois o jugo que oprimia o povo, – a carga sobre os ombros, o orgulho dos fiscais – tu os abateste como na jornada de Madiã. 4Botas de tropa de assalto, trajes manchados de sangue, tudo será queimado e devorado pelas chamas. 5Porque nasceu para nós um menino, foi-nos dado um filho; ele traz aos ombros a marca da realeza; o nome que lhe foi dado é: Conselheiro admirável, Deus forte, Pai dos tempos futuros, Príncipe da Paz. 6Grande será o seu reino e a paz não há de ter fim sobre o trono de Davi e sobre o seu reinado, que ele irá consolidar e confirmar em justiça e santidade, a partir de agora e para todo o sempre. O amor zeloso do Senhor dos exércitos há de realizar estas coisas.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 113, 1-2.3-4.5-6.7-8 (R: 2)

 

 – Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

 

Louvai, louvai, ó servos do Senhor, louvai, louvai o nome do Senhor! Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade.

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

 

Do nascer do sol até o seu ocaso, louvado seja o nome do Senhor! O Senhor está acima das nações, sua glória vai além dos altos céus.

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

 

Quem pode comparar-se ao nosso Deus, ao senhor, que no alto céu tem o seu trono e se inclina para olhar o céu e a terra?

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

 

Levanta da poeira o indigente e do lixo ele retira o pobrezinho, para fazê-lo assentar-se com os nobres, assentar-se com os nobres do seu povo.

R: Bendito seja o nome do Senhor, agora e por toda a eternidade!

 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

 – Maria, alegra-te, ó cheia de graça, o Senhor é contigo; és bendita entre todas as mulheres da terra! (Lc 1,28).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 1, 26-38

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, 26o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia, chamada Nazaré, 27a uma virgem desposada com um homem que se chamava José, da casa de Davi e o nome da virgem era Maria. 28Entrando, o anjo disse-lhe: Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo. 29Perturbou-se ela com estas palavras e pôs-se a pensar no que significaria semelhante saudação. 30O anjo disse-lhe: Não temas, Maria, pois encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. 32Ele será grande e chamar-se-á Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi; e reinará eternamente na casa de Jacó, 33e o seu reino não terá fim. 34Maria perguntou ao anjo: Como se fará isso, pois não conheço homem? 35Respondeu-lhe o anjo: O Espírito Santo descerá sobre ti, e a força do Altíssimo te envolverá com a sua sombra. Por isso o ente santo que nascer de ti será chamado Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, até ela concebeu um filho na sua velhice; e já está no sexto mês aquela que é tida por estéril, 37porque a Deus nenhuma coisa é impossível. 38Então disse Maria: Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tua palavra. E o anjo afastou-se dela.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

Nossa Senhora Rainha

- por Padre Alexandre Fernandes

Nossa Senhora é aquela que do Céu reina sobre as almas cristãs, a fim de que haja a salvação

Instituída pelo Papa Pio XII, celebramos hoje a Memória de Nossa Senhora Rainha, que visa louvar o Filho, pois já dizia o Cardeal Suenens: “Toda devoção a Maria termina em Jesus, tal como o rio que se lança ao mar”.

Paralela ao reconhecimento do Cristo Rei encontramos a realeza da Virgem a qual foi assunta ao Céu. Mãe da Cabeça, dos membros do Corpo místico e Mãe da Igreja; Nossa Senhora é aquela que do Céu reina sobre as almas cristãs, a fim de que haja a salvação: “É impossível que se perca quem se dirige com confiança a Maria e a quem Ela acolher” (Santo Anselmo).

Nossa Senhora Rainha, desde a Encarnação do Filho de Deus, buscou participar dos Mistérios de sua vida como discípula, porém sem nunca renunciar sua maternidade divina, por isso o evangelista São Lucas a identifica entre os primeiros cristãos: “Maria, a mãe de Jesus” (Atos 1,14). Diante desta doce realidade de se ter uma Rainha no Céu que influencia a Terra, podemos com toda a Igreja saudá-la: “Salve Rainha” e repetir com o Papa Pio XII que instituiu e escreveu a Carta Encíclica Ad Caeli Reginam (à Rainha do Céu): “A Jesus por Maria. Não há outro caminho”.

Nossa Senhora Rainha, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Senhor está contigo! (Lc 1,26-38)

 

            Por quase doze anos, preguei o Evangelho em uma capelinha dos Vicentinos, no bairro Ipiranga, em Belo Horizonte. Atrás do altar, na parede, havia dois pequenos nichos com imagens: de um lado, Santa Helena, a rainha; de outro, Santa Zita, a empregada doméstica. Na primeira imagem, a coroa na cabeça. Na segunda, o balde na mão. Bastavam as duas imagens para apontar a missão da Igreja: servir para reinar…

 

            Hoje, a liturgia da Igreja celebra a memória de Nossa Senhora Rainha. O Evangelho escolhido registra uma cena capital na história da salvação: o momento da Encarnação do Verbo em Maria, quando Gabriel, mensageiro de Deus, traz a proposta que a Virgem acolhe da forma mais completa. Em uma frase densa e sem floreios, Maria adere ao convite divino: “Eis a escrava do Senhor… Faça-se em mim…” O “fiat” da versão latina traduz um verbo grego no modo optativo para expressar não apenas uma atitude passiva diante da iniciativa do Espírito Santo, mas o desejo de colaborar com ele. Assim, Maria compromete toda a sua pessoa com o desígnio de Deus.

 

            Desde já, o divino e o humano entram em comunhão. Se, um dia, a mulher cooperara para a queda do gênero humano (cf. Gn 3), agora a Mulher colabora para sua regeneração. O Criador permanece o mesmo, mas a criatura, insuflada pelo Espírito, mostra-se inteiramente outra. O Filho da Mulher é o Filho de Deus e, com isso, formamos uma só família real.

 

            Como ensina Santo Tomás de Aquino, “o mistério da Encarnação não se realizou porque Deus, de alguma maneira, foi tirado do estado em que estivera eternamente, mas porque se uniu de uma nova maneira à criatura, ou antes, uniu-a si”.

 

            Maurice Zundel faz uma observação notável: “À grande recusa de amor que cobriu de trevas o esplendor das origens, a esse desvio capital, a essa conversão do homem para si mesmo que desloca sua unidade, desagregando todas as potências de seu ser, a este orgulho que o descentra, o exterioriza e o materializa, entregando-o a todos os assaltos do mundo exterior e submetendo-o a todas as fatalidades da matéria, o Amor, cuja amplitude não pode ser restrita por nossas falhas, vai opor esta nova criação que ora se realiza no seio da Virgem: a Humanidade, toda desapropriada de si mesma, que gravita no campo da Divindade, a Humanidade que tem seu Eu em Deus, em um perfeito teocentrismo, a Humanidade que subsiste no Verbo como o sacramento vivo da Palavra eterna, a Humanidade sagrada de nosso Senhor, Jesus Cristo, ‘que está acima de tudo, o Deus bendito para sempre’ (Rm 9,5)”.

 

            Somos inseparáveis de Deus. A Mãe do Rei é inseparável de seu Filho. É como Rainha que ela vem servir…

 

Orai sem cessar: “Entra com todo esplendor a Filha do Rei…” (Sl 45,14)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.