22 de Fevereiro de 2019

6ª Semana do Tempo Comum - Sexta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

SEXTA FEIRA – CÁTEDRA DE SÃO PEDRO APÓSTOLO

(branco, glória, pref. dos apóstoçlos – ofício da festa)

 

Antífona da entrada

 

– O Senhor disse a Simão Pedro: Roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça. E tu, por tua vez, confirma os teus irmãos (Lc 22,32).

 

Oração do dia

 

– Concedei, ó Deus todo poderoso, que nada nos possa abalar, pois edificastes a vossa Igreja sobre aquela pedra que foi a profissão de fé do apóstolo Pedro. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: 1Pd 5,1-4

– Leitura da primeira carta de são Pedro: Caríssimos, 1exorto aos presbíteros que estão entre vós, eu, presbítero como eles, testemunha dos sofrimentos de Cristo e participante da glória que será revelada: 2Sede pastores do rebanho de Deus, confiado a vós; cuidai dele, não por coação, mas de coração generoso; não por torpe ganância, mas livremente; 3não como dominadores daqueles que vos foram confiados, mas antes, como modelos do rebanho. 4Assim, quando aparecer o pastor supremo, recebereis a coroa permanente da glória.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: 23,1-3a.3b-4.5.6 (R: 1)

 

– O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.
R: O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.

– O Senhor é o pastor que me conduz; não me falta coisa alguma. Pelos prados e campinas verdejantes ele me leva a descansar. Para as águas repousantes me encaminha, e restaura as minhas forças.

R: O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.

– Ele me guia no caminho mais seguro, pela honra do seu nome. Mesmo que eu passe pelo vale tenebroso, nenhum mal eu temerei. Estais comigo com bastão e com cajado, eles me dão a segurança!

R: O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.

– Preparais à minha frente uma mesa, bem à vista do inimigo; com óleo vós ungis minha cabeça, e o meu cálice transborda.

R: O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.

– Felicidade e todo bem hão de seguir-me, por toda a minha vida; e, na casa do Senhor, habitarei pelos tempos infinitos.

R: O Senhor é o pastor que me conduz, não me falta coisa alguma.
 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Tu és Pedro, e sobre esta pedra eu construirei minha Igreja, e as portas do inferno não irão derrubá-la (Mt 16,18).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 16,13-19

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, 13Jesus foi à região de Cesareia de Filipe e ali perguntou aos seus discípulos: “Quem dizem os homens ser o Filho do Homem?” 14Eles responderam: “Alguns dizem que é João Batista; outros que é Elias; outros ainda, que é Jeremias ou algum dos profetas”. 15Então Jesus lhes perguntou: “E vós, quem dizeis que eu sou?” 16Simão Pedro respondeu: “Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo”. 17Respondendo, Jesus lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi um ser humano que te revelou isso, mas o meu Pai que está no céu. 18Por isso eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra construirei a minha Igreja, e o poder do inferno nunca poderá vencê-la. 19Eu te darei as chaves do Reino dos Céus: tudo o que tu ligares na terra será ligado nos céus; tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

Festa da Cátedra de São Pedro

- por Padre Alexandre Fernandes

Cristo escolheu São Pedro para ser o primeiro Papa da Igreja e o capacitou pelo Espírito Santo

É com alegria que hoje nós queremos conhecer um pouco mais a riqueza do significado da cátedra, do assento, da cadeira de São Pedro que se encontra na Itália, no Vaticano, na Basílica de São Pedro. Embora a Sé Episcopal seja na Basílica de São João de Latrão, a catedral de todas as catedrais, a cátedra com toda a sua riqueza, todo seu simbolismo se encontra na Basílica de São Pedro.

Fundamenta-se na Sagrada Escritura a autoridade do nosso Papa: encontramos no Evangelho de São Mateus no capítulo 6, essa pergunta que Jesus fez aos apóstolos e continua a fazer a cada um de nós: “E vós, quem dizei que eu sou?” São Pedro,0 em nome dos apóstolos, pode assim afirmar: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. Jesus então lhe disse: “Feliz és tu, Simão, filho de Jonas, porque não foi nem a carne, nem o sangue que te revelou isso, mas meu Pai que está no céus, e eu te declaro: Tu és Pedro e sobre essa pedra edificarei a minha Igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; eu te darei a chave dos céus tudo que será ligado na terra serás ligado no céu e tudo que desligares na terra, serás desligado nos céus”.

Logo, o fundador e o fundamento, Nosso Senhor Jesus Cristo, o Crucificado que ressuscitou, a Verdade encarnada, foi Ele quem escolheu São Pedro para ser o primeiro Papa da Igreja e o capacitou pelo Espírito Santo com o carisma chamado da infalibilidade. Esse carisma bebe da realidade da própria Igreja porque a Igreja é infalível, uma vez que a alma da Igreja é o Espírito Santo, Espírito da verdade.

Enfim, em matéria de fé e de moral a Igreja é infalível e o Papa portando esse carisma da infalibilidade ensina a verdade fundamentada na Sagrada Escritura, na Sagrada Tradição e a serviço como Pastor e Mestre.

De fato, o Papa está a serviço da Verdade, por isso, ao venerarmos e reconhecermos o valor da Cátedra de São Pedro, nós temos que olhar para esses fundamentos todos. Não é autoritarismo, é autoridade que vem do Alto, é referência no mundo onde o relativismo está crescendo, onde muitos não sabem mais onde está a Verdade.

Nós olhamos para Cristo, para a Sagrada Escritura, para São Pedro, para este Pastor e Mestre universal da Igreja, então temos a segurança que Deus quer nos dar para alcançarmos a Salvação e espalharmos a Salvação.

Essa vocação é do Papa, dos Bispos, dos Presbíteros, mas também de todo cristão.

São Pedro, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Simão Pedro respondeu… (Mt 16,13-19)

 

            Quase sempre, nós lemos este Evangelho com o foco fixado no conteúdo da resposta de Pedro: “Tu és o Cristo…” Com isso, naturalmente, deixamos de lado outro aspecto de grande importância: o fato de que Pedro… respondeu!

 

            Sim, Simão Pedro é o apóstolo que responde. Jesus Cristo tem a pergunta, Pedro tem a resposta, inspirada diretamente pelo Pai (cf. Mt 16,17). Concretamente, Pedro é a Igreja que entra em diálogo com Cristo e, Àquele que se apresenta como EU-SOU, retruca prontamente e sem vacilar: TU ÉS.

 

            Eis o comentário do beneditino François Trévedy: “Ao tomar do Espírito a iniciativa de ser o primeiro a responder, Pedro assume – na medida em que ele a recebe – a responsabilidade da Igreja. Pedro toma a Igreja por esposa: o ato de nascimento é também um contrato de casamento. Pedro toma a Igreja como esposa para conduzi-la a seu Senhor. Não há cristologia fora da boca de Pedro. Só existe cristologia exata e pertinente na boca da Igreja; mais ainda, na medida em que a Igreja é inteiramente uma resposta, não existe cristologia senão a própria Igreja”.

 

            “Tu és Pedro.” “Jesus e Pedro – EU-SOU e seu Povo – só se sustentam mutuamente na existência pela mútua conversação que trocam entre si. Pedro só tem estatura e estatuto na medida em que ele confessa. A Igreja só tem existência enquanto ‘conversante’ e ‘confessante’: a Igreja só existe e se mantém de pé enquanto Confissão de fé, em palavras e em atos. A Igreja está em Pedro, começa em Pedro como aquela que confessa, igualmente como ela está em Maria e começa em Maria como aquela que consente.”

 

            A celebração eucarística tem sido geralmente apresentada como um diálogo entre a Assembleia e seu Presidente, mas nem sempre se recorda que o sacerdote que ali preside o faz “in persona Christi”, o que transfere o diálogo para outro patamar: não é com o padre que dialogamos, mas com Cristo.

 

            Na Eucaristia, a Igreja dialoga com a Trindade: invocamos o Espírito Santo e ele muda a substância do pão e do vinho no Corpo e Sangue de Cristo. Invocamos o Cordeiro, que tira o pecado do mundo e nos dá a paz. Invocamos o Pai, fonte do pão, que só é “nosso” porque ele no-lo dá na Pessoa do Filho.

 

            A Igreja é esta Pedra de carne que se reúne em torno da pedra do altar e ali se une a Cristo, o Rochedo que nos salva. A resposta de Pedro orienta na história todas as nossas respostas.

 

Orai sem cessar: “Ee me invocará e lhe darei resposta!” (Sl 91,15)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.