23 de Maio de 2020

6a Semana de Páscoa Sábado

- por Pe. Alexandre

SABADO DA VI SEMANA DA PÁSCOA
(branco – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

– Povo resgatado por Deus, proclamai suas maravilhas: ele vos chamou das trevas à luz admirável, aleluia! (1Pd 2,9)

 

Oração do dia

– Ó Deus, inspirai aos nossos corações a prática das boas obras para que, buscando sempre o que é melhor, vivamos, constantemente o mistério pascal. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: At 18, 23-28

– Leitura dos Atos dos Apóstolos – Naqueles dias, 23Paulo permaneceu algum tempo em Antioquia. Em seguida, partiu de novo e atravessou sucessivamente as regiões da Galácia e da Frígia, fortalecendo todos os discípulos. 24Entrementes, um judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem eloquente e muito versado nas Escrituras, chegou a Éfeso. 25Era instruído no caminho do Senhor, falava com fervor de espírito e ensinava com precisão a respeito de Jesus, embora conhecesse somente o batismo de João. 26Começou, pois, a falar na sinagoga com desassombro. Como Priscila e Áquila o ouvissem, levaram-no consigo, e expuseram-lhe mais profundamente o caminho do Senhor. 27Como ele estava querendo passar para a Acaia, os irmãos apoiaram-no e escreveram aos discípulos para que o acolhessem bem. Pela graça de Deus, a presença de Apolo aí foi muito útil aos fiéis. 28pois com grande veemência refutava publicamente os judeus, provando, pelas Escrituras, que Jesus era o Messias.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 47, 2-3.8-9.10 (R: 8a)

O Senhor é o grande Rei de toda a terra.
R: O Senhor é o grande rei de toda a terra.

– Povos todos do universo, batei palmas, gritai a Deus aclamações de alegria! Porque sublime é o Senhor, o Deus Altíssimo, o soberano que domina toda a terra.

R: O Senhor é o grande rei de toda a terra.

– Porque Deus é o grande Rei de toda a terra, ao som da harpa acompanhai os seus louvores! Deus reina sobre todas as nações, está sentado no seu trono glorioso.

R: O Senhor é o grande rei de toda a terra.

– Os chefes das nações se reuniram com o povo do Deus santo de Abraão, pois só Deus é realmente o Altíssimo, e os poderosos desta terra lhe pertencem!

R: O Senhor é o grande rei de toda a terra.

 

Aclamação ao santo Evangelho.

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

– Saí do Pai e vim para ao mundo, eu deixo o mundo e vou ao Pai (Jo 16,28).

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 16, 23b-28.– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 23b“Em verdade, em verdade vos digo: se pedirdes ao Pai alguma coisa em meu nome, ele vo-la dará. 24Até agora nada pedistes em meu nome; pedi, e recebereis; para que a vossa alegria seja completa. 25Disse-vos estas coisas em linguagem figurativa. Vem a hora em que não vos falarei mais em figuras, mas claramente vos falarei do Pai. 26Naquele dia pedireis em meu nome, e não vos digo que vou pedir ao Pai por vós, 27pois o próprio Pai vos ama, porque vós me amastes e acreditastes que eu vim da parte de Deus. 28Eu saí do Pai e vim ao mundo; e novamente parto do mundo e vou para o Pai”.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

São Juliano esposo fiel

- por Pe. Alexandre

Era casado e possuía uma hospedaria. Nela, ele partilhava a vida eterna que trazia em seu coração. Esposo fiel que amou a família e os necessitados.

No ano de 305, o imperador Diocleciano começou uma perseguição aos cristãos. Juliano, então, passou a acolher em sua hospedaria os cristãos perseguidos.

Alguns homens denunciaram Juliano. Ele foi arrancado de casa e levado ao tribunal. Por não renunciar à fé em Cristo, foi condenado e decapitado. Hoje, ele vive com Cristo na Glória. Continuamos em tempos de perseguição, velada em alguns lugares e, em outros, bem visível.

Que o santo de hoje possa interceder para que, o Espírito Santo, nos ajude a sermos ousados em nosso testemunho, sem medo da morte e das perseguições, certos de que a nossa recompensa se encontra no céu.

São Juliano, rogai por nós!

Meditação

- por Pe. Alexandre

Eu saí do Pai… (Jo 16,23b-28)

 

Ao longo dos evangelhos, aqui e ali alguém levanta interrogações a respeito de Jesus de Nazaré, diante da dificuldade em conciliar a simplicidade do aprendiz de carpinteiro com o poder do taumaturgo e a autoridade do mestre.

Ora, se ainda havia alguma dúvida a respeito da pessoa de Jesus Cristo e de sua natureza, esta frase do Evangelho constitui a sua plena revelação. “Revelação” no sentido estrito de “retirar o véu” que cobria o mistério e, até então, impedia nosso acesso a ele: “Eu saí do Pai e vim ao mundo”. Sem meias palavras, é a declaração formal de sua divindade, que situa Jesus infinitamente acima de qualquer profeta, ou reformador social, ou dos curandeiros de seu tempo.

São bem conhecidas as clássicas perguntas acerca da natureza do homem: quem sou? De onde vim? Para onde vou? Neste Evangelho, Jesus quis declarar-se sem reservas, mostrando sua origem (o Pai) e seu alvo (o mundo). É assim que ele manifesta aos discípulos a sua Páscoa (= passagem) desde o seio da Trindade até o encontro direto com a humanidade, quando ele pode ser visto, ouvido e apalpado (cf. 1Jo 1,1). Como escreveu o apóstolo João, “a Vida se manifestou, nós a vimos e testemunhamos, estava junto de nós e se tornou visível para nós”.

Fortalecida por esta inesperada revelação, a fé dos discípulos consegue agora compreender que Jesus lhes foi enviado como o sinal definitivo do amor do Pai (cf. Jo 3,16). Isto, porém, não impede que eles ouçam com certa angústia a frase seguinte: “Agora eu deixo o mundo e vou para o Pai”. Bem próximo do momento culminante de sua missão, o sacrifício cruento do Calvário, quando leva ao extremo o seu despojamento [kênosis], ao ponto de experimentar em sua humanidade a ausência do Pai, Jesus tem consciência de seu regresso à condição original.

Diante disso, os discípulos se animam a fazer um ato de fé: “Agora nós sabemos que saíste de Deus”. Frágil declaração, logo posta à prova nos momentos cruciais da prisão e crucificação de seu Mestre! E Jesus sabe disso: “Vós me deixareis sozinhos. Mas eu não estou só. O Pai está sempre comigo”. (Jo 16,32)

Esta é a fé que a Igreja sustenta ao longo dos séculos: “Tendo feito a purificação dos pecados, [o Filho] sentou-se à direita da majestade divina, nas alturas”. (Hb 1,3c) Mas ele voltará…

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.