24 de Abril de 2019

Oitava da Páscoa - Quarta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

QUARTA FEIRA – OITAVA DA PÁSCOA

(Branco,glória pref.da Páscoa I,  ofício próprio)

 

Antífona da entrada

 

– Vinde benditos de meu Pai: tomai posse do reino preparado para vós desde o princípio do mundo, aleluia!  (Mt 25,34).

 

Oração do dia

 

– Ó Deus, que nos alegrai todos os anos com a solenidade da ressurreição do Senhor, concedei-nos, pelas festas que celebramos nesta vida, chegar às eternas alegrias. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: At 3,1-10

 

– Leitura dos Atos dos Apóstolos: Naqueles dias, 1Pedro e João subiram ao templo para a oração das três horas da tarde. 2Então trouxeram um homem, coxo de nascença, que costumavam colocar todos os dias na porta do Templo, chamada Formosa, a fim de que pedisse esmolas aos que entravam.
3Quando viu Pedro e João entrando no Templo, o homem pediu uma esmola. 4Os dois olharam bem para ele e Pedro disse: “Olha para nós!” 5O homem fitou neles o olhar, esperando receber alguma coisa. 6Pedro então lhe disse: “Não tenho ouro nem prata, mas o que tenho eu te dou: em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, levanta-te e anda!” 7E pegando-lhe a mão direita, Pedro o levantou. Na mesma hora, os pés e os tornozelos do homem ficaram firmes. 8Então ele deu um pulo, ficou de pé e começou a andar. E entrou no Templo junto com Pedro e João, andando, pulando e louvando a Deus. 9O povo todo viu o homem andando e louvando a Deus. 10E reconheceram que era ele o mesmo que pedia esmolas, sentado na porta Formosa do Templo. E ficaram admirados e espantados com o que havia acontecido com ele.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 105,1-2.3-4.6-7.8-9 (R: 3b)

 

– Exulte o coração dos que buscam o Senhor.
R: Exulte o coração dos que buscam o Senhor.

– Dai graças ao Senhor, gritai seu nome, anunciai entre as nações seus grandes feitos! Cantai, entoai salmos para ele, publicai todas as suas maravilhas!

R: Exulte o coração dos que buscam o Senhor.

– Gloriai-vos em seu nome que é santo, exulte o coração que busca a Deus! Procurai o Senhor Deus e seu poder, buscai constantemente a sua face!

R: Exulte o coração dos que buscam o Senhor.

– Descendentes de Abraão, seu servidor, e filhos de Jacó, seu escolhido, ele mesmo, o Senhor, é nosso Deus, vigoram suas leis em toda a terra.

R: Exulte o coração dos que buscam o Senhor.

– Ele sempre se recorda da Aliança, promulgada a incontáveis gerações; da Aliança que ele fez com Abraão, e do seu santo juramento a Isaac.

R: Exulte o coração dos que buscam o Senhor.

 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Este é o dia que o Senhor fez para nós, alegremo-nos e nele exultemos!

(Sl 117,24)

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 24,13-35

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

– Glória a vós, Senhor!  

 

13Naquele mesmo dia, o primeiro da semana, dois dos discípulos de Jesus iam para um povoado chamado Emaús, distante onze quilômetros de Jerusalém. 14Conversavam sobre todas as coisas que tinham acontecido. 15Enquanto conversavam e discutiam, o próprio Jesus se aproximou e começou a caminhar com eles. 16Os discípulos, porém, estavam como cegos, e não o reconheceram. 17Então Jesus perguntou: “Que ides conversando pelo caminho?” Eles pararam, com o rosto triste, 18e um deles, chamado Cléofas, lhe disse: “Tu és o único peregrino em Jerusalém que não sabe o que lá aconteceu nestes últimos dias? 19Ele perguntou: “Que foi?” Os discípulos responderam: “O que aconteceu com Jesus, o Nazareno, que foi um profeta poderoso em obras e palavras, diante de Deus e diante de todo o povo. 20Nossos sumos sacerdotes e nossos chefes o entregaram para ser condenado à morte e o crucificaram. 21Nós esperávamos que ele fosse libertar Israel, mas, apesar de tudo isso, já faz três dias que todas essas coisas aconteceram! 22É verdade que algumas mulheres do nosso grupo nos deram um susto. Elas foram de madrugada ao túmulo 23e não encontraram o corpo dele. Então voltaram, dizendo que tinham visto anjos e que estes afirmaram que Jesus está vivo. 24Alguns dos nossos foram ao túmulo e encontraram as coisas como as mulheres tinham dito. A ele, porém, ninguém o viu”. 25Então Jesus lhes disse: “Como sois sem inteligência e lentos para crer em tudo o que os profetas falaram! 26Será que o Cristo não devia sofrer tudo isso para entrar na sua glória?” 27E, começando por Moisés e passando pelos Profetas, explicava aos discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele. 28Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. 29Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: “Fica conosco, pois já é tarde e a noite vem chegando!” Jesus entrou para ficar com eles. 30Quando se sentou à mesa com eles, tomou o pão, abençoou-o, partiu-o e lhes distribuía. 31Nisso os olhos dos discípulos se abriram e eles reconheceram Jesus. Jesus, porém, desapareceu da frente deles. 32Então um disse ao outro: “Não estava ardendo o nosso coração quando ele nos falava pelo caminho, e nos explicava as Escrituras?” 33Naquela mesma hora, eles se levantaram e voltaram para Jerusalém onde encontraram os Onze reunidos com os outros. 34E estes confirmaram: “Realmente, o Senhor ressuscitou e apareceu a Simão!” 35Então os dois contaram o que tinha acontecido no caminho, e como tinham reconhecido Jesus ao partir o pão.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

São Fidélis de Sigmaringa

- por Padre Alexandre Fernandes

O santo de hoje nasceu em Sigmaringa (Alemanha) no ano de 1577. Seu nome de batismo era Marcos Rei. Era dotado de grande habilidade com os estudos. Marcos era um cristão católico, tornando-se mais tarde um conhecido filósofo e advogado. Porém, havia um chamado que o inquietava: a consagração total a Deus, a vida no ministério sacerdotal.

Renunciando a tudo, entrou para a família franciscana, para os Capuchinhos. Enquanto noviço, viveu um grande questionamento: se fora do convento ele não faria mais para Deus, do que dentro da vida religiosa. Buscou então seu mestre de noviciado que, no discernimento, percebeu que era uma tentação.

Passado isso, ele se empenhou na busca pela santidade. Seu nome agora se tornou “Fidélis” ou “Fiel’. E buscou ser fiel à vontade de Deus. Estudou Teologia, foi ordenado e enviado à Suíça para uma missão especial com outros irmãos: propagar a Sã Doutrina Católica.

São Fidélis dedicou-se totalmente em iluminar as consciências e rechaçar as doutrinas que combatiam a Igreja de Cristo.

Depois de uma Santa Missa, com cerca de 45 anos, teve o discernimento de que estava próxima sua partida. Fez uma oração de entrega a Deus e, logo em seguida, foi preso e levado por homens que queriam que ele renunciasse à fé.

Fidélis deixou claro que não o faria, e que não temia a morte. Ajoelhou-se e rezou: “Meu Jesus, tende piedade de mim. Santa Maria, Mãe de Deus, assisti-me”. Recebeu várias punhaladas e morreu ali, derramando seu sangue pela Verdade, por amor a Cristo e Sua Igreja.

São Fidélis, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

E a noite vem chegando… (Lc 24,13-35)

 

            O Evangelho de hoje nos coloca diante de uma das páginas mais tocantes do Novo Testamento: os discípulos de Emaús. Cléofas e o anônimo são dois desanimados, derrotados pelas circunstâncias, esmagados pela notícia da inaceitável morte de seu Mestre. O dramático desfecho do Calvário sufocava toda esperança. Por isso mesmo, desfeitos os sonhos, voltavam para a vida velha. Só não contavam com a companhia do estranho Caminheiro…

 

            Lev Gillet comenta: “Os discípulos de Emaús estavam perturbados e tristes enquanto se achavam reduzidos aos seus próprios arrazoados”. Quando, porém, o Senhor os substitui e põe-se a explicar as Escrituras, tudo se torna claro para eles, tudo se pacifica. Aqueles que arrazoavam e discutiam deixam de fazê-lo. Todas as perplexidades se desvanecem perante as calmas certezas dadas pelo Mestre.

 

            É assim também conosco… Em certos momentos, todos nós somos peregrinos de Emaús, caminhando na noite que cai, com nossas ansiedades, nossas dúvidas, nossas angústias, nossos raciocínios, nossas discussões internas e mútuas.

 

            E Alguém vem por trás de nós, junta-se a nós, entra na mistura confusa de nossos sentimentos e de nossas ideias. E uma grande claridade penetra em nós. Faz-se uma grande paz. Talvez não reconheçamos a Presença suprema e cheia de vida, mas, tal como os discípulos de Emaús, pressionando Jesus para que ele não vá adiante, toda a nossa alma grita para esse desconhecido Poder: “Oh! Não nos deixe ainda! Não vá embora! Permaneça conosco!”

 

            Então, nosso verdadeiro problema não era a angústia, mas a solidão. Nosso remédio não era bem a vitória, mas a Presença. Tampouco era o rumo que nos daria sentido, mas a Companhia.

 

            E como permanecer angustiado naquela mesa onde o Ressuscitado parte o Pão? Como temer a derrota em sua Presença? Como prosseguir na rota de fuga quando o Companheiro se assenta conosco? Agora os seus olhos se abriram. Reconhecem a viva Presença de Cristo em seus gestos rituais. Uma luz inesperada invade o seu íntimo, afastando as sombras da noite e as trevas da morte.

 

Como termina o relato deste Evangelho? Aqueles dois discípulos fujões – os missionários demissionários – prontamente se levantaram da mesa e, mesmo em plena noite, retomaram o caminho de Jerusalém, onde se uniram aos Onze e testemunharam diante da assembleia reunida. A certeza da Ressurreição vinha devolver ao cenário do Gólgota a sua verdadeira dimensão.

 

            Seria assim a nossa vida? Desânimo, derrota, angústia? Será que ainda não nos demos conta da Presença de Jesus em nossa mesa?

 

Orai sem cessar: “O Senhor santificou os seus convidados…” (Sf 1,7)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

14º Domingo do Tempo Comum