25 de Fevereiro de 2021

1a Semana da Quaresma - Quinta-feira

- por Pe. Alexandre

QUINTA FEIRA – I SEMANA DA QUARESMA
(roxo, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

– Ouvi, Senhor, minha oração, compreendei o meu lamento. Atendei à voz de meu apelo, ó meu rei e meu Deus! (Sl 5,2).

 

Oração do dia

– Dai-nos, ó Deus, pensar sempre o que é reto e realizá-lo com solicitude. E, como só podemos existir em vós, fazei-nos viver segundo a vossa vontade. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Es 4, 17n.r.aa-bb.gg-hh

– Leitura do livro de Ester: Naqueles dias, 17na rainha Ester, temendo o perigo de morte que se aproximava, buscou refúgio no Senhor. 17pProstrou-se por terra desde a manhã até o anoitecer, juntamente com suas servas, e disse: 17q“Deus de Abraão, Deus de Isaac e Deus de Jacó, tu és bendito. Vem em meu socorro, pois estou só e não tenho outro defensor fora de ti, Senhor, 7rpois eu mesma me expus ao perigo. 17ªa Senhor, eu ouvi, dos livros de meus antepassados, que tu libertas, Senhor, até o fim, todos os que te são caros.
17bb Agora, pois, ajuda-me, a mim que estou sozinha e não tenho mais ninguém senão a ti, Senhor meu Deus. 17gg Vem, pois, em auxílio de minha orfandade. Põe em meus lábios um discurso atraente, quando eu estiver diante do leão, e muda o seu coração para que odeie aquele que nos ataca, para que este pereça com todos os seus cúmplices. 17hh E livra-nos da mão de nossos inimigos. Transforma nosso luto em alegria e nossas dores em bem-estar”.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 138,1-2a.2bc-3.7c-8 (R: 3a)

 

– Naquele dia em que gritei, vós me escutastes, ó Senhor!
R: Naquele dia em que gritei, vós me escutastes, ó Senhor!


– Ó Senhor, de coração eu vos dou graças, porque ouvistes as palavras dos meus lábios! Perante os vossos anjos vou cantar-vos e ante o vosso templo vou prostrar-me.

R: Naquele dia em que gritei, vós me escutastes, ó Senhor!


– Eu agradeço vosso amor, vossa verdade, porque fizestes muito mais que prometestes; naquele dia em que gritei, vós me escutastes e aumentastes o vigor da minha alma.

R: Naquele dia em que gritei, vós me escutastes, ó Senhor!


– Estendereis o vosso braço em meu auxílio e havereis de me salvar com vossa destra. Completai em mim a obra começada; ó Senhor, vossa bondade é para sempre! Eu vos peço: não deixeis inacabada esta obra que fizeram vossas mãos!

R: Naquele dia em que gritei, vós me escutastes, ó Senhor!

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 7,7-12

 

Salve, ó Cristo, imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

Salve, ó Cristo, imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

 

– Criai em mim um coração que seja puro, dai-me de novo a alegria de ser salvo! (Sl 50,12.14)

 

Salve, ó Cristo, imagem do Pai, a plena verdade nos comunicai!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

– Glória a vós, Senhor!   

– Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: 7“Pedi e vos será dado! Procurai e achareis! Batei e a porta vos será aberta! 8Pois todo aquele que pede recebe; quem procura encontra; e a quem bate a porta será aberta.
9Quem de vós dá ao filho uma pedra, quando ele pede um pão? 10Ou lhe dá uma cobra, quando ele pede um peixe? 11Ora, se vós, que sois maus, sabeis dar coisas boas a vossos filhos, quanto mais vosso Pai que está nos céus dará coisas boas aos que lhe pedirem! 12Tudo quanto quereis que os outros vos façam, fazei também a eles. Nisto consiste a Lei e os Profetas”.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

Santa Valburga

- por Pe. Alexandre

Valburga nasceu em Devonshire, na Inglaterra meridional em 710. Era uma princesa dos Kents, cristãos que desde o século III se sucediam no trono. Ela viveu cercada de nobreza e santidade. Seus parentes eram reverenciados nos tronos reais, mas muitos preferiram trilhar o caminho da santidade e foram elevados ao altar pela Igreja, como seu pai, são Ricardo e os irmãos Vilibaldo e Vunibaldo.

Valburga tinha completado dez anos quando seu pai entregou o trono ao sobrinho, que tinha atingido a maioridade e levou a família para viver num mosteiro. Poucos meses depois, o rei e os dois filhos partiram em peregrinação para Jerusalém, enquanto ela foi confiada à abadessa de Wimburn. Dois anos depois seu pai morreu em Luca, Itália. Assim ela ficou no mosteiro onde se fez monja e se formou. Depois escreveu a vida de Vunibaldo e a narrativa das viagens de Vilibaldo pela Palestina, pois ambos já eram sacerdotes.

Em 748, foi enviada por sua abadessa à Alemanha, junto com outras religiosas, para fundar e implantar mosteiros e escolas entre populações recém-convertidas. Na viagem, uma grande tempestade foi aplacada pelas preces de Valburga, por ela Deus já operava milagres. Naquele país, foi recebida e apoiada pelo bispo Bonifácio, seu tio, que consolidava um grande trabalho de evangelização, auxiliado pelos sobrinhos missionários.

Designou a sobrinha para a diocese de Eichestat onde Vunibaldo que havia construído um mosteiro em Heidenheim e tinha projeto para um feminino na mesma localidade. Ambos concluíram o novo mosteiro e Valburga eleita a abadessa. Após a morte do irmão, ela passou a dirigir os dois mosteiros, função que exerceu durante dezessete anos. Nessa época transpareceu a sua santidade nos exemplos de sua mortificação, bem como no seu amor ao silêncio e na sua devoção ao Senhor. As obras assistenciais executadas pelos seus religiosos fizeram destes mosteiros os mais famosos e procurados de toda a região.

Valburga se entregou a Deus de tal forma que os prodígios aconteciam com freqüência. Os mais citados são: o de uma luz sobrenatural que envolveu sua cela enquanto rezava, presenciada por todas as outras religiosas e o da cura da filha de um barão, depois de uma noite de orações ao seu lado.

Morreu no dia 25 de fevereiro de 779 e seu corpo foi enterrado no mosteiro de Heidenheim, onde permaneceu por oitenta anos. Mas, ao ser trasladado para a igreja de Eichestat, quando de sua canonização, em 893, o seu corpo foi encontrado ainda intacto. Além disso, das pedras do sepulcro brotava um fluído de aroma suave, como um óleo fino, fato que se repetiu sob o altar da igreja onde o corpo foi colocado.

Nesta mesma cerimônia, algumas relíquias da Santa foram enviadas para a França do Norte, onde o rei Carlos III, o Simples, havia construído no seu palácio de Atinhy, uma igreja dedicada a Santa Valburga. O seu culto, em 25 de fevereiro, se espalhou rápido, porque o óleo continuou brotando. Atualmente é recolhido em concha de prata e guardado em garrafinhas distribuídas para o mundo inteiro. Os devotos afirmam que opera milagres.

Meditação

- por Pe. Alexandre

Se ele pedir um pão… (Mt 7,7-12)

Admirável a pedagogia do Mestre de Nazaré! Notável a sua didática! Ensina de modo claro, simples, utilizando situações e figuras do dia-a-dia da Palestina. Exatamente aquele meio onde se come pão feito no quintal, no forno de pedra; onde a falta de carne é suprida com os ovos e com os peixes de Genesaré.

E Jesus quer mostrar o insuperável amor de Deus por seu povo. Para isso, ele recorre à situação familiar, quando o pai é o encarregado de alimentar os filhos. Com um tríplice contraste, o Rabi vai argumentar pela via do absurdo: pedras em lugar de pão, serpente em lugar de peixe, escorpião em lugar do ovo.

Não é fortuita a escolha dessas imagens. Há entre elas uma relação de semelhança, como bem acentuou Joachim Jeremias em um comentário. O pão caseiro da Palestina, onde não havia padarias como as nossas, é do tipo “pão sírio”, de forma achatada como um disco. Exatamente no formato das pedras da região. No Mar da Galileia, havia muitos peixes de morfologia anguiforme (com o desenho de enguias), em tudo semelhantes a serpentes. E o escorpião do deserto vivia dentro de uma espécie de casulo: branco e ovoide, com a aparência de um ovo.

Ora, nada mais fácil que trapacear com uma criança pequena e, iludindo-a com as aparências, dar-lhe uma pedra em vez de pão. A cobra em lugar do peixe. O lacrau em lugar do ovo. Em sua lição magistral, Jesus acentua o contraste: o pão é macio, quente, orgânico; a pedra é dura, fria, inorgânica. O peixe é manso, indefeso; a serpente é agressiva, venenosa. O ovo traz em sua gema o germe da vida; o escorpião traz em sua cauda o veneno da morte.

É a hora de Jesus dar uma laçada e concluir a lição: “Vocês fariam isso? Enganariam assim aos seus filhos? Dariam pedra por pão? Cobras por peixes? Morte por vida? Ora, se vocês – que são maus – sabem dar boas coisas a seus filhos, quanto o Pai do céu – que é bom! – dará a seus filhos muitas coisas boas…”

A síntese é óbvia: “Pedi e recebereis!” Quem pede, recebe. Batendo à porta, ela se abrirá. Vocês não rezam a um deus cruel. Não pedem esmolas a um feitor indiferente. Não precisam arrancar os dons do céu a golpes de aríete. É a um Pai que vocês se dirigem quando rezam. Ele sabe de que vocês necessitam. Não deixará que lhes falte o essencial à vida…

 

            Rezo como filho? Como mendigo? Como réu?

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.