25 de Março de 2021

5a semana da Quaresma Quinta-feira

- por Pe. Alexandre

QUINTA FEIRA – ANUNCIAÇÃO DO SENHOR

(branco, glória, creio, pref. próprio, ofício da solenidade)

 

Antífona da entrada

– Ao entrar no mundo, Cristo disse: eis-me aqui, ó Pai para fazer a tua vontade (Hb 10,5.7).

 

Oração do dia

– Ó Deus, quisestes que vosso Verbo, se fizesse homem no seio da virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Is 7,10-14;8,10

 

– Leitura do livro profeta Isaías: Naqueles dias, 10o Senhor falou com Acaz, dizendo: 11“Pede ao Senhor teu Deus que te faça ver um sinal, quer provenha da profundeza da terra, quer venha das alturas do céu”. 12Mas Acaz respondeu: “Não pedirei nem tentarei o Senhor”. 13Disse o profeta: “Ouvi então, vós, casa de Davi; será que achais pouco incomodar os homens e passais a incomodar até o meu Deus? 14Pois bem, o próprio Senhor vos dará um sinal. Eis que uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e lhe porá o nome de Emanuel, 8,10porque Deus está conosco.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 40,7-8a.8b-9.10.11 (R: 8a.9a)

 

– Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!
R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

– Sacrifício e oblação não quisestes, mas abristes, Senhor, meus ouvidos; não pedistes ofertas nem vítimas, holocaustos por nossos pecados, e então eu vos disse: “Eis que venho!”

R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

– Sobre mim está escrito no livro: “Com prazer faço a vossa vontade, guardo em meu coração vossa lei!”

R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

– Boas-novas de vossa justiça anunciei numa grande assembléia; vós sabeis: não fechei os meus lábios!

R: Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

– Proclamei toda a vossa justiça, sem retê-la no meu coração; vosso auxílio e lealdade narrei. Não calei vossa graça e verdade na presença da grande assembléia.

R:  Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor!

2ª Leitura: Hb 10,4-10

 

– Leitura da carta aos Hebreus: Irmãos, 4é impossível eliminar os pecados com o sangue de touros e bodes. 5Por isso, ao entrar no mundo, Cristo afirma: “Tu não quiseste vítima nem oferenda, mas formaste-me um corpo. 6Não foram do teu agrado holocaustos nem sacrifícios pelo pecado. 7Por isso eu disse: Eis que eu venho. No livro está escrito a meu respeito: Eu vim, ó Deus, para fazer a tua vontade”. 8Depois de dizer: “Tu não quiseste nem te agradaram vítimas, oferendas, holocaustos, sacrifícios pelo pecado” — coisas oferecidas segundo a Lei — 9ele acrescenta: “Eu vim para fazer a tua vontade”. Com isso, suprime o primeiro sacrifício, para estabelecer o segundo. 10É graças a esta vontade que somos santificados pela oferenda do corpo de Jesus Cristo, realizada uma vez por todas.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 1,26-38

 

Glória a Cristo, Palavra eterna do Pai, que é amor!

 

– A Palavra se fez carne e habitou entre nós. E nós vimos sua glória que recebe de Deus Pai (Jo 1,14)

 

Glória a Cristo, palavra eterna do Pai, que é amor!

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, 26o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, 27a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José. Ele era descendente de Davi e o nome da Virgem era Maria. 28O anjo entrou onde ela estava e disse: “Alegra-te, cheia de graça, o Senhor está contigo!”  29Maria ficou perturbada com estas palavras e começou a pensar qual seria o significado da saudação. 30O anjo, então, disse-lhe: “Não tenhas medo, Maria, porque encontraste graça diante de Deus. 31Eis que conceberás e darás à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus. 32Ele será grande, será chamado Filho do Altíssimo, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davi. 33Ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó, e o seu reino não terá fim”. 34Maria perguntou ao anjo: “Como acontecerá isso, se eu não conheço homem algum?” 35O anjo respondeu: “O Espírito Santo virá sobre ti, e o poder do Altíssimo te cobrirá com sua sombra. Por isso, o menino que vai nascer será chamado Santo, Filho de Deus. 36Também Isabel, tua parenta, concebeu um filho na velhice. Este já é o sexto mês daquela que era considerada estéril, 37porque para Deus nada é impossível”. 38Maria, então, disse: “Eis aqui a escrava do Senhor; faça-se em mim segundo a tua palavra!” E o anjo retirou-se.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

Anunciação do Senhor

- por Pe. Alexandre

Neste dia, a Igreja festeja solenemente o anúncio da Encarnação do Filho de Deus. O tema central desta grande festa é o Verbo Divino que assume nossa natureza humana, sujeitando-se ao tempo e espaço.

Hoje é o dia em que a eternidade entra no tempo ou, como afirmou o Papa São Leão Magno: “A humildade foi assumida pela majestade; a fraqueza, pela força; a mortalidade, pela eternidade.”

Com alegria contemplamos o mistério do Deus Todo-Poderoso, que na origem do mundo cria todas as coisas com sua Palavra, porém, desta vez escolhe depender da Palavra de um frágil ser humano, a Virgem Maria, para poder realizar a Encarnação do Filho Redentor:

“No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem e disse-lhe: ‘Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo.’ Não temas , Maria, conceberás e darás à luz um filho, e lhe porás o nome de Jesus. Maria perguntou ao anjo: ‘Como se fará isso, pois não conheço homem?’ Respondeu-lhe o anjo:’ O Espírito Santo descerá sobre ti. Então disse Maria: ‘Eis aqui a serva do Senhor. Faça-se em mim segundo a tu palavra’” (cf. Lc 1,26-38).

Sendo assim, hoje é o dia de proclamarmos: “E o Verbo se fez carne e habitou entre nós” (Jo 1,14a). E fazermos memória do início oficial da Redenção de TODOS, devido à plenitude dos tempos. É o momento histórico, em que o SIM do Filho ao Pai precedeu o da Mãe: “Então eu disse: Eis que venho (porque é de mim que está escrito no rolo do livro), venho, ó Deus, para fazer a tua vontade” (Hb 10,7). Mas não suprimiu o necessário SIM humano da Virgem Santíssima.

Cumprindo desta maneira a profecia de Isaías: “Por isso, o próprio Senhor vos dará um sinal: uma virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará Deus Conosco” (Is 7,14). Por isso rezemos com toda a Igreja:

“Ó Deus, quisestes que vosso Verbo se fizesse homem no seio da Virgem Maria; dai-nos participar da divindade do nosso Redentor, que proclamamos verdadeiro Deus e verdadeiro homem. Por nosso Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo”.

Meditação

- por Pe. Alexandre

… te cobrirá com a sua sombra… (Lc 1,26-38)

 

Na Primeira Aliança, a presença de Deus junto a seu povo era assinalada por uma sombra, uma coluna de nuvem que apontava o caminho a seguir. A mesma nuvem espessa que enchia a Tenda de Reunião de forma tão densa, que já ninguém podia ali entrar (cf. Ex 40,34-35).

Neste Evangelho, inaugurando a Nova Aliança, a nova Tenda é Maria, prometida em casamento. Nada mais sugestivo que o Senhor se dirija a uma noiva para consumar o matrimônio de Deus com a Humanidade, através da Encarnação de seu próprio Filho! É sobre Maria de Nazaré que a “sombra” de Deus vem repousar em definitivo.

O encanto e o mistério da cena da Anunciação magnetizaram os olhares dos artistas ao longo dos séculos. A intuição de Fra Angelico e Leonardo da Vinci, a penetração teológica de Bernardo de Claraval, o místico lirismo de Claudel – eis apenas alguns exemplos dessa atração irradiada pelo momento da Encarnação do Verbo em Maria. Pintores, pregadores e poetas sabem que se trata de um instante único da história dos homens, que é também a História da Salvação.

Este Evangelho da Anunciação é um “espaço sagrado” aberto à nossa permanente visitação. Ou melhor, um espaço que nos convida a entrar e ali permanecer, como quem encontrou sua morada definitiva. François Trévedy percebeu-o muito bem:

“Os mistérios de Maria não são simples vitrines para nós, mas domicílios. O que esta página evoca, em sua inocência tão intencional, é a maneira como a Palavra se relaciona com cada um de nós; em outros termos, o único acontecimento interessante e decisivo que, através de todos os outros (e não em alguns outros) possa vir a nós. Deus passa à nossa porta mais pessoal, a mais baixa, e faz a busca de nossa humanidade individual que ainda falta à sua paixão pela carne (cf. Cl 1,24). Se a disputamos com ele, se nós a recusamos, como poderemos confessar: ‘Et homo factus est?’ [E fez-se homem].”

Foi EM Maria, uma jovem mulher, que a eternidade do Verbo assumiu nosso tempo e o transformou em sua Hora, a hora de nossa salvação. A Porta do Céu para os homens é também a Porta da Terra para o Filho que desce em busca de nossa humanidade. Porta de entrada e de saída, Maria nos induz ao Caminho, a única Via para o Pai.

Maria, Mãe de Deus, conhece a Hora. Conhece a “hora da Vida”, quando o Verbo se faz carne. E conhece a “hora de nossa morte”, como rezamos em cada Ave-Maria. Nela se deu a primeira pulsação do Salvador feito homem. Nela se dará com segurança a nossa última pulsação nesta terra.

 

 

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.