29 de Outubro de 2019

30ª semana comum Terça-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

TERÇA FEIRA DA XXX SEMANA COMUM
(verde – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Exulte o coração dos que buscam a Deus. Sim, buscai o Senhor e sua força, procurai sem cessar a sua face (Sl 104, 3).

 

Oração do dia

 

– Deus eterno e todo-poderoso, aumentai em nós a fé, a esperança e a caridade e dai-nos amar o que ordenais para conseguirmos o que prometeis. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Rm 8, 18-25

– Leitura da carta de são Paulo aos Romanos – Irmãos, 18eu entendo que os sofrimentos do tempo presente nem merecem ser comparados com a glória que deve ser revelada em nós. 19De fato, toda a criação está esperando ansiosamente o momento de se revelarem os filhos de Deus. 20Pois a criação ficou sujeita à vaidade, não por sua livre vontade, mas por sua dependência daquele que a sujeitou; 21também ela espera ser libertada da escravidão da corrupção e, assim, participar da liberdade e da glória dos filhos de Deus. 22Com efeito, sabemos que toda a criação, até o tempo presente, está gemendo como que em dores de parto. 23E não somente ela, mas nós também, que temos os primeiros frutos do Espírito, estamos interiormente gemendo, aguardando a adoção filial e a libertação para o nosso corpo. 24Pois já fomos salvos, mas na esperança. Ora, o objeto da esperança não é aquilo que a gente está vendo; como pode alguém esperar o que já vê? 25Mas se esperamos o que não vemos, é porque o estamos aguardando mediante a perseverança.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 126, 1-2ab.2cd-3.4-5.6 (R: 3a)

 

– Maravilha fez conosco o Senhor!

R: Maravilha fez conosco o Senhor!

 

– Quando o Senhor reconduziu nossos cativos, parecíamos sonhar; encheu-se de sorriso nossa boca, nossos lábios, de canções.

R: Maravilha fez conosco o Senhor!

 

– Entre os gentios se dizia: “Maravilhas fez com eles o Senhor!” Sim, maravilhas fez conosco o Senhor, exultemos de alegria!

R: Maravilha fez conosco o Senhor!

 

– Mudai a nossa sorte, ó Senhor, como torrentes no deserto. Os que lançam as sementes entre lágrimas ceifarão com alegria.

R: Maravilha fez conosco o Senhor!

 

– Chorando de tristeza sairão, espalhando suas sementes; cantando de alegria voltarão, carregando os seus feixes!

R: Maravilha fez conosco o Senhor!

 

Aclamação ao santo Evangelho.

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

 – Graças te dou ó, Pai, Senhor do céu e da terra, pois revelastes os mistérios do teu reino aos pequeninos, escondendo-os aos doutores! (Mt 11,25).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Lucas: Lc 13, 18-21

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Lucas.

– Glória a vós, Senhor!

 

– Naquele tempo, 18Jesus dizia: “A que é semelhante o Reino de Deus, e com que poderei compará-lo? 19Ele é como a semente de mostarda, que um homem pega e atira no seu jardim. A semente cresce, torna-se uma grande árvore e as aves do céu fazem ninhos nos seus ramos”. 20Jesus disse ainda: “Com que poderei ainda comparar o Reino de Deus? 21Ele é como o fermento que uma mulher pega e mistura com três porções de farinha, até que tudo fique fermentado”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!

Beata Chiara Luce Badano

- por Padre Alexandre Fernandes

Hoje a Igreja celebra a memória da Beata Chiara Luce Badano, uma jovem nascida em Sasselo na Itália em 1971 e falecida em 1990, vítima de um tumor ósseo, concluindo uma vida marcada por uma fé luminosa e pela adesão à espiritualidade do Movimento dos Focolares. Vamos conhecer um pouco dessa alma que desde cedo teve o seu coração arrebatado pelo fogo do Divino Amor. Chiara Badano nasceu em 29 de outubro de 1971 e em 1981, com o pai e a mãe, participou do Family Fest, em Roma – uma manifestação mundial do Movimento dos Focolares. Para todos três foi o início de uma nova vida. Na sua pequena cidade Chiara lançou-se a amar as colegas de escola e estava decidida a viver com radicalidade o Evangelho que a tinha fascinado.  Desde pequena, foi muito generosa no corresponder ao ideal de amor de Deus e do próximo. Com os seus atos de caridade Chiara mostrava e dava Deus a todos que passavam pela vida dela. Poucos anos depois Chiara sentiu uma forte dor nas costas, durante uma partida de tênis. Tiveram início exames clínicos de todos os tipos para definir a causa das dores. Logo chegou-se ao diagnóstico de um tumor ósseo. Os tratamentos eram muito dolorosos e Chiara os enfrenta com grande coragem. Diante de cada nova “surpresa” o seu oferecimento é decidido: “Por ti, Jesus, se tu queres eu também quero!”. Todos os que a visitavam pensavam em lhe levar afeto e consolação, mas na realidade eram eles a receber conforto e encorajamento. Durante a doença doava Jesus, não fazendo pregações, mas difundindo alegria e esperança de vida eterna, este era o seu apostolado. Esta jovem, de aparência frágil, na realidade era uma mulher forte.  Sofria, mas a alma cantava. Rejeitou a morfina porque – dizia – “ a morfina me tira a lucidez e eu posso oferecer a Jesus somente a minha dor”. No final de dezembro de 1989, quando a doença a estava devorando, Chiara Lubich fundadora do movimento dos focolares lhe deu um nome novo, Chiara, agora se tornava Chiara ‘Luce’. Nome certíssimo porque Chiara era uma explosão de luz divina, que surpreendia todos. O coração de Chiara encerrava um amor grande: Amava o próximo, amava a Igreja, amava o Papa. O vestido nupcial, com o qual Chiara foi ao encontro do Senhor Jesus, estava enriquecido pelos sete diamantes da espiritualidade cristã e focolarina: – Deus Amor; | fazer a vontade de Deus;| Palavra de Vida vivida; |amor para com o próximo; |amor recíproco que realiza a unidade; |presença de Jesus na unidade. Mas o sétimo diamante, este é o mais precioso, que brilha mais do que os outros, é o amor a Jesus Crucificado e Abandonado. Foi este amor que lhe infundiu a energia espiritual, a graça capaz de suportar toda a adversidade, aceitando a cruz e o sofrimento, com alegria e serena fortaleza.  Chiara Luce foi para o céu no dia 7 de outubro de 1990. Ela tinha pensado em tudo: nos cantos para o seu funeral, nas flores, no penteado e no vestido, que queria que fosse branco, como de uma noiva. Muitas pessoas estiveram presentes no seu funeral. Falaram sobre o paraíso e sobre a alegria de ser Deus. Os que a conheceram sentem-se impulsionados a viver com radicalidade o Evangelho. É uma santidade contagiosa! Chiara Luce Badano, uma jovem moderna, esportiva, nos transmite uma mensagem de otimismo e de esperança. Também hoje, o breve período da juventude, pode ser vivido na santidade. Também hoje existem jovens íntegros, que na família, na escola, na sociedade não desperdiçam a própria vida. A Beata Chiara Luce Badano é uma missionária de Jesus, que anuncia a boa nova para um mundo rico de comodidades, mas muitas vezes doente de tristeza e de infelicidade. Ela nos convida a reencontrar a frescura e o entusiasmo da fé. E o convite é dirigido a todos: antes de tudo aos jovens, mas também aos adultos, aos consagrados, aos sacerdotes. A todos é dada a graça suficiente para se fazerem santos.
Beata Chiara Luce, rogai por nós.

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

59. A MANIFESTAÇÃO DOS FILHOS DE DEUS

– O sentido da nossa filiação divina.

– Filhos no Filho.

– Conseqüências da filiação divina.

I. LEMOS NO SALMO II estas palavras que se aplicam em primeiro lugar ao Messias: O Senhor disse-me: “Tu és o meu filho, Eu hoje te gerei”1. Desde a eternidade, o Pai gera o Filho, e todo o ser da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade consiste na filiação, em ser Filho. O hoje mencionado pelo Salmo significa um sempre contínuo, eterno, pelo qual o Pai dá o ser ao seu Unigênito2.

Para que exista uma filiação, no sentido preciso da palavra, requere-se igualdade de natureza3. Por isso, somente Jesus Cristo é o Unigênito do Pai. Em sentido amplo, pode-se dizer que todas as criaturas, especialmente as espirituais, são filhas de Deus, ainda que com uma filiação muito imperfeita, pois a semelhança que têm com o Criador não é, de modo nenhum, identidade de natureza.

No entanto, com o Batismo, produziu-se na nossa alma uma regeneração, um novo nascimento, uma elevação sobrenatural, que nos fez participantes da natureza divina. Esta elevação sobrenatural deu origem a uma filiação divina imensamente superior à filiação humana própria de cada criatura. São João, no prólogo do seu Evangelho, diz-nos que a todos os que o receberam (a Cristo), deu-lhes o poder de se tornarem filhos de Deus, àqueles que crêem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus4. “O Filho de Deus fez-se homem – explica Santo Atanásio – para que os filhos do homem, os filhos de Adão, se fizessem filhos de Deus […]. Ele é o Filho de Deus por natureza; nós, por graça”5.

A filiação divina ocupa um lugar central na mensagem de Jesus Cristo e é um ensinamento contínuo na pregação da Boa Nova cristã, como sinal eloqüente do amor de Deus pelos homens. Considerai que amor nos mostrou o Pai – escreve São João – em querer que sejamos chamados filhos de Deus, e que o sejamos na realidade6. Esta condição de filhos, ainda que deva ter a sua plenitude no Céu, é já nesta vida uma realidade gozosa e cheia de esperança. Como nos diz São Paulo numa das Leituras da Missa de hoje, este mundo criado espera ansiosamente a manifestação dos filhos de Deus… porque sabemos que todas as criaturas gemem e estão como que com dores de parto até agora. E não só elas, mas também nós mesmos, que temos as primícias do Espírito, também nós gememos no nosso interior, esperando a adoção de filhos de Deus…7 O Apóstolo refere-se à plenitude dessa adoção, pois já nesta terra fomos constituídos filhos de Deus, que é a nossa maior glória e o maior dos nossos títulos: Portanto, já nenhum de vós é servo, mas filho; e se é filho, também é herdeiro8.

As palavras que desde a eternidade o Pai aplica ao seu Unigênito, são atribuídas agora a cada um de nós. O Senhor diz-nos: Tu és o meu filho, Eu hoje te gerei. Este hoje é a nossa vida terrena, pois todos os dias o Senhor nos dá esse novo ser. “Diz-nos: Tu és o meu filho. Não um estranho, não um servo benevolamente tratado, não um amigo, o que já seria muito. Filho! Concede-nos livre trânsito para vivermos com Ele a piedade de filhos e também – atrevo-me a afirmar – a desvergonha de filhos de um Pai que é incapaz de lhes negar seja o que for”9.

II. TU ÉS O MEU FILHO

O Senhor falou constantemente desta realidade aos seus discípulos. Umas vezes diretamente, ensinando-os a dirigir-se diretamente a Deus como Pai10, apresentando-lhes a santidade como imitação filial do Pai11…; e também por meio de numerosas parábolas, nas quais Deus é representado pela figura do pai12.

A filiação divina não consiste somente em que Deus nos tenha querido tratar como um pai aos seus filhos e em que nós nos dirijamos a Ele com a confiança dos filhos. Não é um simples grau mais elevado na linha dessas filiações que, num sentido amplo, todas as criaturas têm em relação a Deus, conforme a sua maior ou menor semelhança com o Criador. Isto já seria um dom imenso, mas o amor de Deus foi muito mais longe e fez-nos realmente filhos seus. Enquanto essas outras filiações são na realidade modos de expressão, a nossa filiação divina é filiação em sentido estrito, embora nunca possa ser como a de Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus. Para o homem, não pode haver nada maior, nada mais impensável e mais inalcançável, do que esta relação filial13.

A nossa filiação é uma participação na plena filiação exclusiva e constitutiva da Segunda Pessoa da Santíssima Trindade. “Desta filiação natural – explica São Tomás de Aquino –, deriva para muitos a filiação por certa semelhança e participação”14. É a partir desta filiação que entramos em intimidade com a Santíssima Trindade: é uma verdadeira participação na vida do Pai, do Filho e do Espírito Santo.

No que se refere à nossa relação com as divinas Pessoas, pode-se, pois, dizer que somos filhos do Pai no Filho pelo Espírito Santo15. “Mediante a graça recebida no Batismo, o homem participa do eterno nascimento do Filho a partir do Pai, porque é constituído filho adotivo de Deus: filho no Filho”16. “Ao sair das águas da sagrada fonte, todo o cristão ouve de novo aquela voz que um dia se fez ouvir nas margens do rio Jordão: Tu és o meu Filho muito amado, em ti pus todo o meu enlevo (Lc 3, 22), e compreende ter sido associado ao Filho predileto, tornando-se filho adotivo (cfr. Gál 4, 4-7) e irmão de Cristo”17.

A filiação divina deve estar presente em todos os momentos do nosso dia, mas deve manifestar-se sobretudo se alguma vez sentimos com mais força a dureza da vida.

“Parece que o mundo desaba sobre a tua cabeça. À tua volta, não se vislumbra uma saída. Impossível, desta vez, superar as dificuldades.

“Mas tornaste a esquecer que Deus é teu Pai? Onipotente, infinitamente sábio, misericordioso. Ele não te pode enviar nada de mau. Isso que te preocupa, é bom para ti, ainda que agora os teus olhos de carne estejam cegos.

Omnia in bonum! Tudo é para bem! Senhor, que outra vez e sempre se cumpra a tua sapientíssima Vontade!”18

III. A FILIAÇÃO DIVINA não é um aspecto entre muitos da vocação do cristão: de algum modo, abarca todos os outros. Não é propriamente uma virtude que tenha os seus atos particulares, mas uma condição permanente do batizado que vive a sua vocação. A piedade que nasce dessa nova condição do homem que segue os passos de Jesus “é uma atitude profunda da alma, que acaba por informar a existência inteira: está presente em todos os pensamentos, em todos os desejos, em todos os afetos”19. Se considerarmos atentamente os desígnios de Deus, podemos dizer que todos os dons e graças nos foram dados para nos constituírem como filhos de Deus, como imitadores do Filho até chegarmos a ser alter Christus, ipse Christus20, outro Cristo, o próprio Cristo.

Cada vez temos de parecer-nos mais com Cristo. A nossa vida deve refletir a sua. Por isso a filiação divina deve ser objeto da nossa oração e das nossas reflexões com muita freqüência. Assim a nossa alma virá a encher-se de paz no meio das maiores tentações ou contratempos, pois viveremos abandonados nas mãos de Deus. Um abandono que não nos dispensará do empenho por melhorar, nem de empregar todos os meios humanos ao nosso alcance para lutar contra a doença, a penúria econômica, a solidão…, mas que nos dará paz no meio dessa luta. A vida dos santos, mesmo no meio de muitas provas, sempre esteve cheia dessa serenidade, como deve estar a nossa.

A filiação divina é também o fundamento da fraternidade cristã, que está acima do vínculo de solidariedade que existe entre os homens. Nos outros, devemos ver filhos de Deus, irmãos de Jesus Cristo, chamados a um destino sobrenatural. Desta maneira, ser-nos-á fácil prestar-lhes essas pequenas ajudas diárias de que todos necessitamos e, sobretudo, indicar-lhes amavelmente o caminho que leva ao Pai comum.

A nossa Mãe Santa Maria ensinar-nos-á a saborear essas palavras do Salmo II que líamos no começo desta meditação, e a considerá-las como realmente dirigidas a cada um de nós: Tu és o meu filho, Eu hoje te gerei.

(1) Sl 2, 7; (2) cfr. João Paulo II, Audiência geral, 16.10.85; (3) cfr. São Tomás de Aquino, Suma teológica, III, q. 32, a. 3 c; (4) Jo 1, 12-13; (5) Santo Atanásio, De Incarnatione contra arrianos, 8; (6) 1 Jo 3, 1; (7) Rom 8, 19-23; (8) Gál 4, 7; (9) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, É Cristo que passa, n. 185; (10) cfr. Mt 6, 9; (11) cfr. Mt 5, 48; (12) cfr. J. Bauer, Diccionario de teologia biblica, Herder, Barcelona, 1967, verbete Filiación; (13) cfr. M. C. Calzona, Filiación divina y cristiana en el mundo, em La misión del laico en la Iglesia y en el mundo, EUNSA, Pamplona, 1987, pág. 301; (14) São Tomás de Aquino, Comentário ao Evangelho de São João, 1, 8; (15) cfr. Fernando Ocáriz, Hijos de Dios en Cristo, EUNSA, Pamplona, 1972, pág. 98; (16) João Paulo II, Homilia, 23.03.80; (17) João Paulo II, Exortação Apostólica Christifideles laici, 30.12.88, 11; (18) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, Via Sacra, IXª estação, n. 4; (19) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, Amigos de Deus, n. 146; (20) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, É Cristo que passa, n. 96.

18ª Semana do Tempo Comum