30 de Abril de 2019

2ª Semana da Quaresma - Terça-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

TERÇA FEIRA – II SEMANA DA PÁSCOA

(Branco, ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Alegremo-nos, exultemos e demos glória a Deus, porque o Senhor todo-poderoso tomou posse do seu reino, aleluia (Ap 19,7.6).

 

Oração do dia

 

– Fazei-nos, ó Deus todo poderoso, proclamar o poder do Cristo ressuscitado, e, tendo recebido as primícias de seus dons, consigamos possuí-los em plenitude. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, que convosco vive e reina, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: At 4,32-37

 

– Leitura dos Atos dos Apóstolos: 32A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma. Ninguém considerava como próprias as coisas que possuía, mas tudo entre eles era posto em comum. 33Com grandes sinais de poder, os apóstolos davam testemunho da ressurreição do Senhor Jesus. E os fiéis eram estimados por todos. 34Entre eles ninguém passava necessidade, pois aqueles que possuíam terras ou casas, vendiam-nas, levavam o dinheiro, 35e o colocavam aos pés dos apóstolos. Depois, era distribuído conforme a necessidade de cada um. 36José, chamado pelos apóstolos de Barnabé, que significa filho da consolação, levita e natural de Chipre, 37possuía um campo. Vendeu e foi depositar o dinheiro aos pés dos apóstolos.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 93,1ab.1c-2.5 (R: 1a)

 

– Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.
R: Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

– Deus é Rei e se vestiu de majestade, revestiu-se de poder e de esplendor!

R: Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

– Vós firmastes o universo inabalável, vós firmastes vosso trono desde a origem, desde sempre, ó Senhor, vós existis!

R: Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

– Verdadeiros são os vossos testemunhos, refulge a santidade em vossa casa, pelos séculos dos séculos, Senhor!

R: Reina o Senhor, revestiu-se de esplendor.

 

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– O Filho do homem há de ser levantado, para que quem nele crer possua a vida eterna (Jo 3,14).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo João: Jo 3,7b-15

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo João

– Glória a vós, Senhor!  

 

Naquele tempo, disse Jesus a Nicodemos: 7b“Vós deveis nascer do alto. 8O vento sopra onde quer e tu podes ouvir o seu ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece a todo aquele que nasceu do Espírito”. 9Nicodemos perguntou: “Como é que isso pode acontecer?” 10Respondeu-lhe Jesus: “Tu és mestre em Israel, mas não sabes estas coisas? 11Em verdade, em verdade, te digo, nós falamos daquilo que sabemos e damos testemunho daquilo que temos visto, mas vós não aceitais o nosso testemunho. 12Se não acreditais, quando vos falo das coisas da terra, como acreditareis se vos falar das coisas do céu? 13E ninguém subiu ao céu, a não ser aquele que desceu do céu, o Filho do Homem. 14Do mesmo modo como Moisés levantou a serpente no deserto, assim é necessário que o Filho do Homem seja levantado, 15para que todos os que nele crerem tenham a vida eterna”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!  

 

São José Benedito Cottolengo

- por Padre Alexandre Fernandes

Hoje, lembramos São José Benedito Cottolengo que nasceu em Bra, na Itália, onde desde de pequeno demonstrou-se inclinado à caridade. Com o passar do tempo e trabalho com sua vocação, tornou-se um sacerdote dos desprotegidos na diocese de Turim.

Quando teve que atender uma senhora grávida, que devido à falta de assistência social, morreu em seus braços; espantado, retirou-se em oração e nisso Deus fez desabrochar no seu coração a necessidade da criação de uma casa de abrigo que, mesmo em meio às dificuldades, foi seguida por outras. Esse grande homem de Deus acolhia pobres, doentes mentais, físicos, ou seja, todo tipo de pessoas carentes de amor, assistência material, físico e espiritual.

Confiando somente nos cuidados do Pai do Céu, estas casas desde a primeira até a verdadeira cidade da caridade que surgiu, chamou-se “Pequena Casa da Divina Providência”. Diante do Santíssimo Sacramento, José Cottolengo e outros cristãos, que se uniram a ele nesta experiência de Deus, buscavam ali forças para bem servir aos necessitados, pois já dizia ele: “Se soubesses quem são os pobres, os servirias de joelhos!”.

Entrou no Céu com 56 anos.

São José Benedito Cottolengo, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

O Espírito sopra onde quer… (Jo 3,7b-15)

 

            Um diálogo noturno. O mestre fariseu entrevê umas fagulhas de luz nas palavras e nos gestos do Filho do carpinteiro. Já é a graça de Deus trabalhando em seu coração. Por isso ele procura por Jesus. Por que à noite? Talvez para ter intimidade… para não ser interrompido… talvez por que as trevas não podem envolver a Luz…

 

            Nicodemos já consegue negar que na pessoa de Jesus de Nazaré pulsa uma força que ultrapassa infinitamente os limites humanos. Nada que ele possa “explicar”, nada que consiga reduzir a alguma proposição lógica, mas nem por isso pode ser sufocada nos porões de sua consciência.

 

            E o mestre em Israel vai ouvir de Jesus uma frase que anula qualquer arrazoado humano: “O Espírito sopra onde quer, e tu ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem e para onde vai”.

 

            Nicodemos talvez devesse contentar-se apenas com um pormenor: “Não sabes”. A limitada razão humana não pode conter o Espírito de Deus. Não pode explicá-lo. Sem a iluminação gratuita fornecida por Deus, o homem é incapaz de penetrar os mistérios da vida divina que lhe é oferecida.

 

            O fariseu Nicodemos e todos os teólogos que viriam depois dele precisam urgentemente acolher a lição de Joseph Ratzinger: “Graças a um amor acumulado, graças a um encontro feliz, o homem experimenta um dom superior que por si mesmo não saberia suscitar nem criar; compreender que, nesse encontro, recebe muito mais do que poderiam dar os dois juntos. Na luminosidade e na alegria de tal encontro, ele entrevê a proximidade da alegria absoluta e do encontro absoluto que corresponde a todo encontro humano”.

 

            É assim que Nicodemos já não pode negar – afirma Louis Bouyer – o caráter sobrenatural de Jesus: ele se impõe a nós por seus efeitos, mas nosso esforço por explicá-lo permanecerá sempre ineficaz. Não se pode domar o Vento, nem desviá-lo de seu rumo. O Vento vem a nós para que nós nos abandonemos ao seu dinamismo. Como o navegante abre suas velas ao sopro do vento, o homem é chamado a deixar-se dirigir pelo Espírito de Deus.

 

            Claro, isto tem um preço. Certamente teremos de morrer para nosso homem velho, abrir mão de seus preconceitos, despir-se de velhas armaduras, tornar-se frágil, dócil, húmil… De Paulo de Tarso a Agostinho de Hipona, de Francisco de Assis a Teresa de Calcutá, sempre existe uma morte que prepara para a vida. É preciso nascer de novo…

 

Orai sem cessar: “Não me prives, Senhor, de teu santo Espírito!” (Sl 51,13)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.