30 de Agosto de 2019

21ª semana comum Sexta-feira

- por Padre Alexandre Fernandes

SEXTA FEIRA – XXI SEMANA DO TEMPO COMUM

(Verde – ofício do dia)

 

Antífona da entrada

 

– Inclinai, Senhor, o vosso ouvido e escutai-me; salvai, meu Deus, o servo que confia em vós. Tende compaixão de mim, clamo por vós o dia inteiro (Sl 85,1).

 

Oração do dia

 

– Deus que unis os corações dos vossos fieis num só desejo, dai ao vosso povo amar o que ordenais e esperar o que prometeis para que, na instabilidade deste mundo, fixemos os nossos corações onde encontram as verdadeiras alegrias. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: 1Ts 4,1-8

 

– Leitura da primeira carta de são Paulo aos Tessalonicenses: 1Meus irmãos, eis o que vos pedimos e exortamos no Senhor Jesus: Aprendestes de nós como deveis viver para agradar a Deus, e já estais vivendo assim. Fazei progressos ainda maiores! 2Conheceis, de fato, as instruções que temos dado em nome do Senhor Jesus. 3Esta é a vontade de Deus: vivei na santidade, afastai-vos da impureza; 4cada um saiba tratar o seu parceiro conjugal com santidade e respeito, 5sem se deixar levar pelas paixões, como fazem os pagãos que não conhecem a Deus. 6Que ninguém, nessa matéria, prejudique ou engane seu irmão, porque o Senhor se vinga de tudo, como já vos dissemos e comprovamos. 7Deus não nos chamou à impureza, mas à santidade. 8Portanto, desprezar estes preceitos não é desprezar um homem e sim, a Deus, que nos deu o Espírito Santo.

 

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 97,1.2b.5-6.10.11-12 (R: 12a)

 

– Ó justos, alegrai-vos no Senhor!
R: Ó justos, alegrai-vos no Senhor!

– Deus é Rei! Exulte a terra de alegria, e as ilhas numerosas rejubilem! Treva e nuvem o rodeiam no seu trono, que se apoia na justiça e no direito.

R: Ó justos, alegrai-vos no Senhor!

– As montanhas se derretem como cera ante a face do Senhor de toda a terra; e assim proclama o céu sua justiça, todos os povos podem ver a sua glória.

R: Ó justos, alegrai-vos no Senhor!

– O Senhor ama os que detestam a maldade, ele protege seus fiéis e suas vidas, e da mão dos pecadores os liberta.

R: Ó justos, alegrai-vos no Senhor!

– Uma luz já se levanta para os justos, e a alegria, para os retos corações. Homens justos, alegrai-vos no Senhor, celebrai e bendizei seu santo nome!

R: Ó justos, alegrai-vos no Senhor!

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– Vigiai e orai para ficardes de pé ante o filho do homem! (Lc 21,36).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 25,1-13

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

– Glória a vós, Senhor!   

 

– Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos esta parábola: 1”O Reino dos Céus é como a história das dez jovens que pegaram suas lâmpadas de óleo e saíram ao encontro do noivo. 2Cinco delas eram imprevidentes, e as outras cinco eram previdentes. 3As imprevidentes pegaram as suas lâmpadas, mas não levaram óleo consigo. 4As previdentes, porém, levaram vasilhas com óleo junto com as lâmpadas. 5O noivo estava demorando e todas elas acabaram cochilando e dormindo. 6No meio da noite, ouviu-se um grito: ‘O noivo está chegando. Ide ao seu encontro!’ 7Então as dez jovens se levantaram e prepararam as lâmpadas. 8As imprevidentes disseram às previdentes: ‘Dai-nos um pouco de óleo, porque nossas lâmpadas estão se apagando’. 9As previ­dentes responderam: ‘De modo nenhum, porque o óleo pode ser insuficiente para nós e para vós. É melhor irdes comprar aos vendedores’. 10Enquanto elas foram comprar óleo, o noivo chegou, e as que estavam preparadas entraram com ele para a festa de casamento. E a porta se fechou. 11Por fim, chegaram também as outras jovens e disseram: ‘Senhor! Senhor! Abre-nos a porta!’ l2Ele, porém, respondeu: ‘Em verdade eu vos digo: Não vos conheço!’ 13Portanto, ficai vigiando, pois não sabeis qual será o dia, nem a hora”.

 

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

São Cesário de Arles

- por Padre Alexandre Fernandes

São Cesário de Arles buscava comunicar a ortodoxia da fé 

Os santos, como ninguém, entenderam que a Graça do Cristo que quer santificar a todos, é sempre a mesma, na eficiência, abundância e liberalidade. Cesário de Arles foi um destes homens que se abriu ao querer de Deus, e por isso como Bispo tornou-se uma personalidade marcante do seu tempo.

Cesário nasceu na França em 470, e ao deixar sua casa entrou para o mosteiro de Lérins, onde se destacou pela inteligência, bom humor, docilidade e rígida penitência, que mais tarde acabou exigindo imperfeitamente dos monges sob sua administração. Diante dos excessos de penitências, Cesário precisou ir se tratar na cidade de Arles – Sul da França- local do aprofundamento dos seus estudos e mais tarde da eleição episcopal.

São Cesário de Arles, até entrar no Céu com 73 anos de idade, ocupou-se até o fim com a salvação das almas e isto fazia, concretamente, pela força da Palavra anunciada e escrita, tornando-se assim o grande orador popular do Ocidente latino e glória para a vida monástica. Já que escreveu duas Regras monásticas. Em tudo buscava comunicar a ortodoxia da Fé e aquilo que lutava para viver com o Espírito Santo e irmãos, por isto no campo da moral cristã, Cesário de Arles salientava o cultivo da justiça, prática da misericórdia e o cuidado da castidade.

São Cesário de Arles, rogai por nós!

FONTE: Canção Nova 
 

Meditação

- por Padre Alexandre Fernandes

Fechou-se a porta… (Mt 25,1-13)

 

            Temos um tempo. Temos uma vida. Só uma. Conforme a Carta aos Hebreus, só se vive uma vez e, logo após nossa morte, segue-se o juízo que decide nossa eternidade. (Hb 9,27.) Pintemos a mesma cena em cores mais vivazes: Deus preparou-nos um banquete, a festa das núpcias do Cordeiro, seu Filho; e espera que fiquemos atentos, despertos, preparados para o grito que se ouvirá no meio da noite fechada de nossa História: “Aí vem o noivo!” Neste momento, quem estiver preparado, entrará para o festim. Quem chegar depois, achará a porta fechada.

 

            Eram dez as virgens – símbolo da alma à espera do Senhor. Cinco delas eram sábias, cinco insensatas. Prefiro a tradução antiga: cinco prudentes e cinco loucas. Trata-se de uma escolha entre a prudência e a loucura. A prudência deriva certo “azeite” que foi acumulado, reserva para a Hora H. A loucura consiste em não levar a sério a urgência da hora e cochilar sem o óleo do Espírito. Para o místico russo do Séc. XIX, São Serafim de Sarov, o “azeite” que alimenta a chama das lâmpadas noturnas é o próprio Espírito Santo. Sem ele, ficamos nas trevas. Com ele, nossas lamparinas se acendem e acompanhamos, festivos, a entrada do Cordeiro de Deus para o banquete nupcial.

 

            Há muitas formas de cochilar. Concentração exclusiva no trabalho, na carreira e nos negócios, isto é, em “ganhar a vida”, como se não houvesse lá no alto um Pai providente. Uma corrida tresloucada em busca do sucesso, saltando de palco em palco, de projeto em projeto, de produção em produção. Uma luta encarniçada para tomar posse e conservar o poder, usando para isso de todos os meios e procedimentos, custe o que custar, doa a quem doer.

Isto é loucura, diz o Evangelho. Loucura que nos distrai do essencial – o amor de Deus e o amor ao próximo -, ao mesmo tempo que nos fragmenta a alma, dilacera o corpo e entreva o espírito. Pura loucura.

 

            Enquanto isto, os pequeninos – que tudo esperam do Senhor – dedicam seu tempo à oração e ao serviço aos irmãos, à meditação da Palavra e a vivê-la no dia-a-dia, ao convívio fraterno e à adoração. Assim, suas lâmpadas permanecem com o óleo da vida, a presença atuante do Espírito de Deus, que permite caminhar na penumbra, enquanto não chega a Aurora…

 

            A Aurora vai chegar. A luz vencerá as trevas. O Noivo não tarda a chegar. Mas, quando chegar, estaremos despertos?

 

Orai sem cessar: “Minha alma espera pelo Senhor,

                             mais ansiosa que os vigias pela manhã.” (Sl 130,6)

Texto de Antônio Carlos Santini, da Comunidade Católica Nova Aliança.

14º Domingo do Tempo Comum