31 de Julho de 2020

17a Semana Comum Sexta-feira

- por Pe. Alexandre

SEXTA FEIRA – SANTO INÁCIO DE LOIOLA – PRESBÍTERO E FUNDADOR
(cor branco, pref. comum ou dos pastores – ofício da memória)

 

Antífona da entrada

– Ao nome de Jesus, todo joelho se dobre no céu, na terra e nos abismos; e toda língua proclame, para a glória de Deus Pai, que Jesus Cristo é Senhor,

(Fl 2,10).

 

Oração do dia

– Ó Deus, que suscitastes em vossa Igreja santo Inácio de Loiola para propagar a maior glória do vosso nome, fazei que, auxiliados por ele, imitemos seu combate na terra, para partilharmos no céu sua vitória. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo.

 

1ª Leitura: Jr 26,1-9

– Leitura do livro do profeta Jeremias: 1No início do reinado de Joaquim, filho de Josias, rei de Judá, foi comunicada da parte do Senhor esta palavra, que dizia: 2“Assim fala o Senhor: Põe-te de pé no átrio da casa do Senhor e fala a todos os que vêm das cidades de Judá, para adorar o Senhor no templo, todas as palavras que eu te mandei dizer. Não retires uma só palavra; 3talvez eles as ouçam e voltem do mau caminho, e eu me arrependa da decisão de castigá-los por suas más obras. 4A eles então dirás: Isto diz o Senhor: Se não vos dispuserdes a viver segundo a lei que vos dei, 5a escutar as palavras dos meus servos, os profetas, que eu vos tenho enviado com solicitude e para vossa orientação, e que vós não tendes escutado, 6farei desta casa uma segunda Silo e farei desta uma cidade amaldiçoada por todos os povos da terra”. 7Os sacerdotes e profetas, e todo o povo presente ouviram Jeremias dizer estas palavras na casa do Senhor. 8Quando Jeremias acabou de dizer tudo e que o Senhor lhe ordenara falasse a todo o povo, prenderam-no os sacerdotes, os profetas e o povo, dizendo: “Este homem tem que morrer! 9Por que dizes, em nome do Senhor, a profecia: ‘Esta casa será como Silo, e esta cidade será devastada e vazia de habitantes’?” Todo o povo juntou-se contra Jeremias na casa do Senhor.

– Palavra do Senhor.

– Graças a Deus.

 

Salmo Responsorial: Sl 69,5.8-10.14 (R:14c)

 

– Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.
R: Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.

– Mais numerosos que os cabelos da cabeça, são aqueles que me odeiam sem motivo; meus inimigos são mais fortes do que eu; contra mim eles se voltam com mentiras! Por acaso poderei restituir alguma coisa que de outros não roubei?

R: Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.

– Por vossa causa é que sofri tantos insultos, e o meu rosto se cobriu de confusão; eu me tornei como um estranho a meus irmãos, como estrangeiro para os filhos de minha mãe.

R: Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.

– Pois meu zelo e meu amor por vossa casa me devoram como fogo abrasador; e os insultos de infiéis que vos ultrajam recaíram todos eles sobre mim!

R: Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.

– Por isso elevo para vós minha oração, neste tempo favorável, Senhor Deus! Respondei-me pelo vosso imenso amor, pela vossa salvação que nunca falha!

R: Respondei-me, ó Senhor, pelo vosso imenso amor.

Aclamação ao santo Evangelho

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

– A palavra do Senhor permanece eternamente, e esta é a palavra que vos foi anunciada (1Pd 1,25).

 

Aleluia, aleluia, aleluia.

 

Evangelho de Jesus Cristo, segundo Mateus: Mt 13,54-58

 

– O Senhor esteja convosco.

– Ele está no meio de nós.

– Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo † segundo Mateus

– Glória a vós, Senhor!   

 

– Naquele tempo, 54dirigindo-se para a sua terra, Jesus ensinava na sinagoga, de modo que ficavam admirados. E diziam: “De onde lhe vem essa sabedoria e esses milagres? 55Não é ele o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria, e seus irmãos não são Tiago, José, Simão e Judas? 56E suas irmãs não moram conosco? Então, de onde lhe vem tudo isso?” 57E ficaram escandalizados por causa dele. Jesus, porém, disse: “Um profeta só não é estimado em sua própria pátria e em sua família!” 58E Jesus não fez ali muitos milagres, porque eles não tinham fé.

– Palavra da salvação.

– Glória a vós, Senhor!   

Santo Inácio de Loyola

- por Pe. Alexandre

Neste dia, celebramos a memória deste santo que, em sua bula de canonização, foi reconhecido como tendo “uma alma maior que o mundo”.

Inácio nasceu em Loyola na Espanha, no ano de 1491, e pertenceu a uma nobre e numerosa família religiosa (era o mais novo de doze irmãos), ao ponto de receber com 14 anos a tonsura, mas preferiu a carreira militar e assim como jovem valente entregou-se às ambições e às aventuras das armas e dos amores. Aconteceu que, durante a defesa do castelo de Pamplona, Inácio quebrou uma perna, precisando assim ficar paralisado por um tempo; desse mal Deus tirou o bem da sua conversão, já que depois de ler a vida de Jesus e alguns livros da vida dos santos concluiu: “São Francisco fez isso, pois eu tenho de fazer o mesmo. São Domingos fez isso, pois eu tenho também de o fazer”.

Realmente ele fez, como os santos o fizeram, e levou muitos a fazerem “tudo para a maior glória de Deus”, pois pendurou sua espada aos pés da imagem de Nossa Senhora de Montserrat, entregou-se à vida eremítica, na qual viveu seus “famosos” exercícios espirituais, e logo depois de estudar Filosofia e Teologia lançou os fundamentos da Companhia de Jesus.

A instituição de Inácio iniciada em 1534 era algo novo e original, além de providencial para os tempos da Contra-Reforma. Ele mesmo esclarece: “O fim desta Companhia não é somente ocupar-se com a graça divina, da salvação e perfeição da alma própria, mas, com a mesma graça, esforçar-se intensamente por ajudar a salvação e perfeição da alma do próximo”.

Com Deus, Santo Inácio de Loyola conseguiu testemunhar sua paixão convertida, pois sua ambição única tornou-se a aventura de salvar almas e o seu amor a Jesus. Foi para o céu com 65 anos e lá intercede para que nós façamos o mesmo agora “com todo o coração, com toda a alma, com toda a vontade”, repetia.

Santo Inácio de Loyola, rogai por nós!

Meditação

- por Pe. Alexandre

Não fez ali muitos milagres… (Mt 13,54-58)

 

Um Evangelho que devia espantar o leitor! A começar do fato de que o evangelista tenha registrado um “fracasso” de Jesus. Os biógrafos de um herói, de um grande vulto da História, tratam de dar ênfase às realizações e conquistas do personagem escolhido. Por outro lado, ocultam bem suas falhas ou, no mínimo, tratam de “dourar a pílula” para não lhe estragar a imagem.

Aqui, não. São Mateus declara, com todas as letras, que Jesus não pôde fazer muitos prodígios em sua terra natal. Em outras terras, ele limpara o leproso, expulsara demônios, acalmara a tempestade. Em Nazaré, veem nele apenas o “filho do carpinteiro”. A objetividade racionalista de seus conterrâneos ata as mãos do Senhor.

Temos aqui uma lição. Deus, que é onipotente, não costuma invadir nossas vidas com demonstrações gratuitas de poder. Ele conta com nossa cooperação. Ele aguarda de nossa parte algum tipo de abertura para sua intervenção. Tanto que, antes de realizar certas curas, Jesus perguntava ao cego, ou ao surdo ou ao paralítico: “Que queres que eu te faça?” Aos dois cegos, ele pergunta: “Credes que eu posso fazer isto?” (Mt 9,28) E antes de ressuscitar a filha de Jairo, diz ao Pai: “Não temas, crê somente.” (Lc 8,50)

Quando lemos a vida dos santos, dos fundadores de Institutos religiosos, dos missionários, assombra-nos a imprudente ousadia de todos eles quando se lançam a empresas humanamente utópicas, sem contar com recursos materiais nem apoio humano, mas tão somente com a certeza de que a obra era de Deus e, por isso mesmo, sua Graça não lhes faltaria jamais.

E mais: com raríssimas exceções, as iniciativas desses homens de Deus enfrentaram todo tipo de obstáculo e oposição: ciúmes, calúnias, denúncias, campanhas de difamação, traições internas. E lá vão esses maravilhosos servos de Deus, sempre adiante, enquanto o Senhor faz em suas vidas os milagres que ainda não faz nas nossas… Também nós recebemos de Deus tarefas e missões que jamais conseguiremos realizar se contamos apenas com nossas próprias forças. Construir uma família, educar os filhos no bem, atuar para a transformação da sociedade…

E Jesus, desejoso de fazer o impossível em nossa vida, vem perguntar: “Você crê que eu posso fazer isso?”

29ª Semana do Tempo Comum

Utilizamos seus dados para analisar e personalizar nossos conteúdos e anúncios durante a sua navegação em nossa plataforma e em serviços de terceiros parceiros. Ao navegar pelo nosso site, você nos autoriza a coletar tais informações e utilizá-las para estas finalidades. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade.