Festa da Dedicação da Basílica de Latrão

Festa da Dedicação da Basílica de Latrão

Hoje celebramos a Dedicação da
Basílica do Latrão, Catedral do Papa, Bispo de Roma. No século IV o Imperador
Constantino deu este grande edifício ao Papa São Silvestre I, que o consagrou,
dedicando-o a Deus como Catedral de Roma. A nova Catedral foi dedicada ao
Divino Salvador e, mais tarde, também aos Santos João Batista e João Evangelista.
Como se localiza numa antiga chácara da nobre família romana dos Laterani, foi
chamada popularmente de São João do Latrão. Nela foram realizados os quatro
primeiros Concílios Ecumênicos realizados no Ocidente: em 1123 para resolver a
questão das Investiduras, provimento em algum cargo eclesiástico por parte do
poder civil. em 1139, para tratar sobre questões disciplinares; em 1179 para
tratar da forma de eleição do Papa; e em 1215, para tratar sobre várias
heresias e a reforma eclesial.  Em
primeiro lugar a importância de Roma  se
da por ser ali onde se acha o Chefe visível da Igreja de Jesus. Santo Inácio de
Antioquia, discípulo dos apóstolos, chama a Igreja de Roma de “cabeça da
caridade”, revelando a posição primacial, da sede romana e, portanto, também a
de seu Bispo. A Catedral por excelência é a do Papa em Roma, a Basílica de
Latrão “Mãe e Mestra de todas as Igrejas”. Tudo isto nos lembra da importância
do Templo, lugar sagrado no qual se cultua de modo especial a Deus. É nele que
se recebem os maiores favores divinos. Esta festa traz-nos em mente e ao
coração três aspectos da nossa fé.

Primeiro: Todo templo cristão
dedicado a Deus é imagem do próprio Cristo Segundo: A Igreja é, primeiramente,
a Comunidade Terceiro: A Basílica do Latrão é a Catedral da Igreja de Roma, a
Catedral do Papa. Na sua entrada há uma inscrição: “Mãe de todas as igrejas da
Cidade e do mundo”. Compreendamos! A Igreja de Roma (isto é, a Arquidiocese de
Roma) é a Igreja de Pedro e de Paulo, é a Igreja que preside à todas as outras
dioceses do mundo, é a mais venerável de todas as Igrejas da terra. O Papa,
como Bispo de Roma, é cabeça do Colégio dos Bispos e sinal visível da unidade
da Igreja na fé e na caridade. É por isso que hoje nos unimos à Igreja de Roma
na festa da Dedicação, da consagração da sua Catedral, a basílica do Latrão. A
Catedral de cada diocese é a Igreja do Bispo, sucessor dos Apóstolos. Assim
sendo, a festa de hoje convida-nos também a rezar pela Igreja de Deus que está
em Roma e pelo seu Bispo, Francisco.  A
Festa de hoje nos convida  a estreitar
nossos laços com Roma e o Papa, retomando nossa consciência do papel que ele
tem como Vigário de Pedro, a quem Cristo confiou sua Igreja. Num mundo tão
complexo, com tantas idéias, opiniões e modas, num cristianismo que vê surgir
tantas seitas sem nenhum fundamento teológico, sem nenhuma seriedade, sem
nenhum enraizamento na Tradição Apostólica, difundindo-se pela força do
dinheiro e a conivência dos meios de comunicação, ávidos de lucro, fazendo um
terrível mal à fé dos simples e desavisados – num mundo assim, reafirmemos
nossa comunhão firme, profunda e convicta com a Igreja de Roma e seu Bispo, a
quem o Cristo entregou de modo particular as chaves do Reino e deu a missão de
confirmar na fé os irmãos. A comunhão com Roma é garantia de estar naquela
comunhão que Cristo sonhou para a sua Igreja; é garantia de permanecer na fé
apostólica, transmitida uma vez por todas, é garantia de não cair num tipo de
cristianismo alheio àquilo que o Senhor Jesus pensou e estabeleceu.

Que a festa de hoje seja uma
feliz ocasião para professar, na exultação e no louvor, a nossa fé católica,
apostólica e Romana.