Festa de Nossa Senhora de Guadalupe

Festa de Nossa Senhora de Guadalupe

No dia 9 de dezembro de 1531, a Virgem Maria apareceu a um índio chamado Juan Diego, no monte Tepeyac, perto da cidade do México, manifestando-lhe o seu desejo de que se erigisse ali um templo. Depois de o tio de Juan Diego ter sido curado milagrosamente no dia 12 de dezembro, quando Juan levava ao bispo umas flores que a Virgem lhe dera, ao deixá-las cair do seu poncho apareceu gravada nessa peça do vestuário a imagem da Senhora que até hoje é venerada no Santuário da Basílica de Guadalupe, no México. Era o sinal que o bispo Juan de Zumárraga tinha pedido. Em 1553, o prelado construiu uma Basílica, como Nossa Senhora lhe tinha pedido.

Existem diversos documentos que testemunham esse episódio. O mais antigo é o Nican Mopohua, relato das aparições em língua azteca, baseado nas declarações de testemunhas oculares que presenciaram as entrevistas entre Zumárraga e Juan Diego. Conserva-se na Biblioteca Nacional do México.

I. A DEVOÇÃO a Nossa Senhora de Guadalupe no México tem a sua origem nos começos da evangelização desse país, quando os fiéis eram ainda muito poucos. Nossa Senhora apareceu a um camponês índio, de nome Juan Diego, e enviou-o ao bispo da cidade do México para manifestar-lhe o desejo de que lhe fosse dedicado um templo numa colina próxima, chamada Tepeyac. A Virgem disse ao índio na primeira aparição: “Quero muito, desejo muito que aqui me seja erigido um templo, em que me mostrarei e me darei às pessoas em todo o meu amor, no meu olhar compassivo, no meu auxílio, na minha salvação: porque em verdade Eu sou a vossa Mãe compassiva, tua e de todos os homens […]. Nesse templo escutarei os seus prantos e a sua tristeza, para remediá-los, para lhes curar todas as suas diversas penas, as suas misérias e as suas dores”1.

O bispo do lugar, antes de aceder ao pedido, quis um sinal. E Juan Diego, por indicação da Senhora dos Céus, cortou umas braçadas de rosas que ela fizera brotar sobre a árida colina, a mais de dois mil metros de altura, em pleno mês de dezembro. Depois, foi ter com o bispo e estendeu-lhe o seu branco ayate, o manto, onde colocara as flores. E quando as rosas caíram ao chão, “surgiu de repente a Amada imagem da Perfeita Virgem Santa Maria, Mãe de Deus, na forma e figura em que hoje se encontra”2. Essa imagem de Nossa Senhora de Guadalupe ficou impressa no rústico poncho do índio, tecido com fibras vegetais. Representa a Virgem como uma jovem mulher de rosto moreno, rodeada por uma luz radiante.

Maria disse a Juan Diego, e repete a todos os cristãos: “Não estou Eu aqui, Eu que sou a tua Mãe? Não estás debaixo da minha sombra? Não estás porventura no meu regaço?” Por que devemos temer, se Ela é a Mãe de Jesus e Mãe dos homens?

Com a aparição de Maria no monte Tepeyac, começou em todo o antigo território azteca um movimento excepcional de conversões, que se estendeu pela América Centro-Meridional e chegou até o longínquo arquipélago das Filipinas. “A Virgem de Guadalupe continua a ser ainda hoje o grande sinal da proximidade de Cristo, ao convidar todos os homens a entrar em comunhão com Ele para terem acesso ao Pai. Ao mesmo tempo, Maria é a voz que convida os homens à comunhão entre si…”3

A Virgem sempre precedeu os homens na evangelização dos povos. Não se entende o apostolado sem Maria. Por isso, agora que o Papa, Vigário de Cristo na terra, pede aos fiéis que se empenhem em recristianizar o mundo, recorremos a Ela para que “indique à Igreja os melhores caminhos que é preciso percorrer para empreender uma nova evangelização. Imploramos-lhe a graça de servir essa causa sublime com renovado espírito missionário”4. Suplicamos-lhe que nos mostre o modo de aproximarmos os nossos amigos de Deus e que Ela os prepare para receber a graça.

II. “VIRGEM DE GUADALUPE, Mãe das Américas…, vê como é grande a messe, e intercede junto do Senhor para que infunda fome de santidade em todo o Povo de Deus…”6.

Só assim – com uma intensa vida cristã, com amor e desejos de servir – é que poderemos levar a cabo essa nova evangelização em todo o mundo, a começar pelos que estão mais perto. Quanta messe carecida de braços que a recolham! Quanta gente com fome de verdade que não tem quem lha ensine! Quantas pessoas de todo o tipo e condição que desejariam aproximar-se de Deus e não encontram o caminho! Cada um de nós deve ser um indicador claro que aponte, com o exemplo e a palavra, o caminho certo que, por meio de Maria, termina em Cristo.

Partiu da Europa a primeira labareda que ateou a fé no continente americano. Quantos homens e mulheres, de raças tão diversas, encontraram a porta do Céu pela fé heróica e sacrificada daqueles primeiros evangelizadores! A Virgem abriu-lhes o caminho, e eles, apesar das dificuldades – com energia, paciência e sentido sobrenatural –, ensinaram por toda a parte os mistérios mais profundos da fé. “Encontramo-nos agora numa Europa onde se torna cada vez mais forte a tentação do ateísmo e do ceticismo; onde lança raízes uma penosa incerteza moral, com a desagregação da família e a degeneração dos costumes; onde domina um perigoso conflito de idéias e movimentos”8.

Nós, os cristãos, continuamos a ser fermento no meio do mundo. A levedura não perdeu o seu vigor nestes vinte séculos, porque é sobrenatural e sempre jovem, nova e eficaz. Por isso não ficaremos parados, como se nada pudéssemos fazer ou como se as dimensões do mal pudessem afogar a pequena semente que somos cada um dos que queremos seguir a Cristo. Se os primeiros que levaram a fé a tantos lugares tivessem ficado paralisados ante a ingente tarefa que se lhes apresentava, se somente tivessem confiado nas suas forças humanas, nada teriam levado a cabo. O Senhor anima-nos continuamente a não ficar para trás neste trabalho que se apresenta como algo “sobrenatural e humanamente fascinante”9.

Pensemos hoje, diante de Nossa Senhora de Guadalupe, uma vez mais, o que estamos fazendo ao nosso redor: se aproveitamos todas as ocasiões, sem deixar nenhuma, para falar com valentia aos nossos amigos da fé que trazemos no coração; se tomamos a sério a nossa formação, pois dela depende a formação dos outros; se dedicamos tempo à catequese ou a outras obras boas; se contribuímos economicamente para a manutenção de alguma tarefa que tenha como fim o aperfeiçoamento sobrenatural e humano das pessoas. Não devemos deter-nos ante o pensamento que é pouco o que podemos fazer, no meio de um trabalho profissional absorvente. Deus multiplica esse pouco; e, além disso, muitos poucos mudam um país inteiro.

III. IDE POR TODO O MUNDO e pregai o Evangelho a toda a criatura12.

Deus atua diretamente na alma de cada pessoa por meio da graça, mas é vontade do Senhor, afirmada em muitas passagens do Evangelho, que os homens sejam instrumentos ou veículos de salvação para os outros homens. Ide, pois, às encruzilhadas das ruas, e a quantos encontrardes, convidai-os para as núpcias14.

Os contactos profissionais, as reuniões sociais, uma viagem, são ocasiões que Deus põe ao nosso alcance para darmos a conhecer Jesus Cristo17. E como podemos descansar se, além disso, essas almas estão no nosso lar, no nosso trabalho, na nossa Faculdade ou na vizinhança?

Temos que pedir à Virgem o desejo vivo e eficaz de sermos almas valentes, audazes, atrevidas à hora de semear o bem, procurando, sem respeitos humanos, que não haja nenhum recanto da sociedade onde não se conheça a Cristo19, e não cessa de as produzir até o fim dos tempos. O Senhor dá às nossas palavras e obras uma eficácia sobrenatural que a maior parte das vezes desconhecemos.

Hoje pedimos a Nossa Senhora de Guadalupe que se mostre Mãe compassiva, que nos faça arautos do Evangelho, que saibamos compreender a todos, participando das suas alegrias e esperanças, de tudo aquilo que os inquieta para que, sendo muito humanos, possamos elevar os nossos amigos ao plano sobrenatural da fé. “Rainha dos Apóstolos! Aceita a prontidão com que queremos servir sem reservas a causa do teu Filho, a causa do Evangelho e a causa da paz, fundados na justiça e no amor entre os homens e entre as nações”20.

(1) Nican Mopohua, Relato das aparições, 28-32; (2) ib., 181-183; (3) João Paulo II, Angelus, 13-XII-1987; (4) ib.; (5) cfr. idem, Oração à Virgem de Guadalupe, México, 27-I-1979; (6) ib.; (7) idem, Discurso, 6-XI-1981; (8) A. del Portillo, Carta pastoral, 25-XII-1985; (9) ib.; (10) Mc 16, 1; (11) Conc. Vat. II, Decr. Apostolicam actuositatem, 3; (12) Mt 28, 18; (13) Mt 22, 9; (14) São João Crisóstomo, em Catena Aurea, vol. III, pág. 63; (15) cfr. Conc. Vat. II, op. cit., 14; (16) ib., 6; (17) Santa Teresa de Lisieux, Novisima Verba; (18) cfr. Josemaría Escrivá, Forja, n. 716; (19) cfr. Josemaría Escrivá, Caminho, n. 831; (20) João Paulo II, Homilia em Guadalupe, 27-I-1979.