Homilia Dominical – V DOMINGO DA PÁSCOA (19/05/2019)

Homilia Dominical – V DOMINGO DA PÁSCOA (19/05/2019)

No quinto domingo da Páscoa, João narra uma passagem da Última Ceia. Judas sai e Jesus, perto de partir, faz aos discípulos o seu discurso de despedida, seu testamento espiritual, com um jeito profundamente amoroso (“Filhinhos”). O Mestre introduz um novo mandamento para dar um pleno sentido a todos os outros mandamentos. Deus deu a Moises os dez mandamentos (três dedicados ao Pai, sete em relação aos outros) impressos na tábua. Jesus dá o novo mandamento imprimindo-o no coração dos discípulos. Em Deuteronômio 6 aprendemos a amar os outros como a nós mesmos. Muitas vezes amamos o outro como a nós mesmos e por isso queremos que o outro só faça o que queremos, que nos faça bem. A gente diz: “Eu fiz tudo pra você, coloquei toda minha esperança em você e você não foi capaz de corresponder”. Isso é troca, é coisificar o outro.
Cristo quer agora algo diferente: amar uns aos outros como Ele nos ama. Eis a novidade: amar não pensando em si nem no outro, mas amar como Ele. Jesus é a medida., o critério. Amar sem medida. Amar como Jesus amou.
Não invalidando os outros tipos de amor. Amar sem esperar. Quando o outro nos faz mal, transportamos isso para dentro de nós. O outro pode até puxar o nosso tapete, querer nos destruir, mas só levamos para o nosso coração aquilo que queremos. O veneno que o outro nos dá podemos tomar ou não. O verdadeiro amor é o que se descentra. Deus é a fonte absoluta do amor.
Lembro-me de Madre Teresa de Calcutá: “ …Dê ao mundo o melhor de você/ mas isso pode não ser o bastante./ Dê o melhor de você assim mesmo./ Veja você que, no final das contas,/é tudo entre você e Deus./Nunca foi entre você e os outros.” (Texto completo no meu site). Não podemos culpar as pessoas por nossa felicidade ou infelicidade. Precisamos aprender a desatar os nós dentro de nós. Precisamos amar como Jesus amou.