Olhar nos olhos e contemplar o horizonte

Olhar nos olhos e contemplar o horizonte

Na hierarquia do amor sobrenatural, nós não colocamos ninguém e nada que possa substituir a Deus. É o amor a Deus em primeiro lugar. Depois somos convidados a amar primeiramente a nós, irrepetíveis, criados a partir do sonho de Deus, que soprou sobre nós uma alma, nos dotou de uma família.

Quando sabemos quem somos, reconhecemos nossas fraquezas e grandezas, nosso amor nunca será de carências, de necessidades, que desfiguram uma relação.

No terceiro passo somos convidados a amar o outro. Quando nos amamos somos capazes de ir ao outro na medida certa, não é amor necessidade, é amor oblativo, amor doação, do jeito que Deus vê. É o amor generosidade. À medida que nos conhecemos e vamos nos descentrando, somos capazes de ir ao encontro do outro, entregar nossa vida ao outro.

São necessários alguns passos para que um amor na vida cristã se realize. O primeiro é pedirmos permissão para entrar na vida do outro. O amor não invade. Jesus disse: “Eis que estou à porta, eis que eu bato, se você abrir a porta e deixar que eu entre sentarei à mesa com você e cearei com você” – Ap 3, 20. Uma porta nunca pode ser arrombada. Ela precisa de permissão para que um dê espaço para o outro entrar, chegar e até ficar. Para que ele possa se assentar para conhecer melhor o outro.

Também existe algo tão importante, quando validamos o outro por aquilo que ele é. É difícil tentar mudar o outro. Podemos dizer: “Ah, vou fazê-lo do meu jeito”, mas é impossível. Duas pessoas que foram educadas de modo tão distinto e com personalidades tão distintas não podem mudar o outro. Fica desgastante na vida a dois. A beleza é quando conseguimos enxergar aquilo que o outro tem de melhor, suas possibilidades e alegrias e também suas dificuldades e misérias. Como é importante a validação do amor, a construção de um relacionamento em cima de uma base sólida. O amor sempre exige validação.

Depois há o amor do perdão. Deus é muito melhor para cada um de nós naquilo que merecemos. E sempre nos dá a chance, nunca escreve nossa história de modo que não possamos mudá-la, mas para que possamos reescrever a partir do tempo presente. O perdão é palavra mágica. Aquilo que não é trabalhado, que é escondido, colocado debaixo do tapete, e não é conversado no tempo certo, tende a voltar como um monstro, pode desfigurar a vida do casal.

Vocês não estão sozinhos, precisam estar abertos à comunidade. Quantas pessoas ao redor de vocês são essenciais na vida de cada um. A vida sempre será assim: olha nos olhos, olha para os outros, olha para os outros, olha nos olhos. Sempre esse movimento. Não é bom que se olhe apenas para o horizonte e se deixe de olhar o outro.