Santo Estêvão, protomártir

Santo Estêvão, protomártir

I. As portas do céu abriram-se para Santo Estêvão, que foi o primeiro dentre os mártires e por isso, coroado, triunfa no céu1.

Mal celebramos o nascimento do Senhor, e já a liturgia nos propõe a festa do primeiro que deu a vida por esse Menino que acaba de nascer. “Ontem Cristo foi envolvido em panos por nós; hoje, cobre Estêvão com a veste da imortalidade. Ontem uma estreita manjedoura sustentou Cristo-Menino; hoje, a imensidade do céu recebe Estêvão triunfante”2.

A Igreja quer recordar que a Cruz está sempre muito perto de Jesus e dos seus. Na luta pela justificação plena – a santidade –, o cristão depara com situações difíceis e ataques dos inimigos de Deus no mundo. O Senhor nos previne: Se o mundo vos odeia, sabei que antes do que a vós me odiou a mim… Lembrai-vos da palavra que eu vos disse: não é o servo maior do que o seu senhor. Se me perseguiram a mim, também vos perseguirão a vós3. E esta profecia cumpriu-se desde o começo da Igreja.

“Todos os tempos são de martírio, escreve Santo Agostinho. Não se diga que os cristãos não sofrem perseguição; a sentença do Apóstolo não pode falhar […]: Todos os que quiserem viver piedosamente em Cristo Jesus sofrerão perseguição (2 Tim 3, 12). Todos, diz; não excluiu ninguém, não excetuou ninguém. Se queres verificar se estas palavras são certas, começa a viver piedosamente e verás quanta razão teve o Apóstolo em dizê-las”4.

Já no começo da Igreja os primeiros cristãos de Jerusalém foram perseguidos pelas autoridades judaicas. Os Apóstolos foram açoitados por pregarem Cristo Jesus, e sofreram-no com alegria: Eles se retiraram da presença do Sinédrio, felizes por terem sido achados dignos de padecer ultrajes pelo nome de Jesus5. “Não se diz que não sofreram, mas que o sofrimento lhes causou alegria. Podemos vê-lo pela liberdade com que atuaram logo a seguir: imediatamente depois de terem sido flagelados, lançaram-se à pregação com admirável ardor”6.

Pouco tempo depois, o sangue de Estêvão7 seria o primeiro a ser derramado por Cristo, e já não cessaria de correr até os nossos dias. Com efeito, quando Paulo chegou a Roma, os cristãos já eram conhecidos pelo sinal inconfundível da Cruz e da contradição: Desta seita – dizem a Paulo os judeus romanos –, a única coisa que sabemos é que por toda a parte lhe fazem oposição8.

Quando o Senhor nos chama ou nos pede alguma coisa, conhece bem as nossas limitações e as dificuldades que encontraremos, mas não deixa de estar ao nosso lado, ajudando-nos com a sua graça: No mundo tereis tribulação, mas confiai: Eu venci o mundo9, diz-nos. Pedir-lhe-emos então a graça de imitar Santo Estêvão na sua fortaleza, na sua alegria e na sua ânsia de dar a conhecer a verdade cristã num mundo com perfis pagãos.

II. NEM SEMPRE a perseguição teve as mesmas características. Durante os primeiros séculos, pretendeu-se destruir a fé dos cristãos por meio da violência física. Em outros momentos da história, sem que essa violência desaparecesse, os cristãos viram-se – vêem-se – oprimidos nos seus direitos mais fundamentais, ou a braços com campanhas dirigidas a minar a fé dos mais simples e a desorientá-los. Mesmo em terras de grande tradição cristã, levanta-se todo o tipo de obstáculos para que se possam educar cristãmente os filhos, ou privam-se os cristãos, pelo mero fato de o serem, de justas oportunidades profissionais.

Não é infreqüente que, em sociedades que se chamam livres, o cristão tenha que viver num ambiente claramente adverso. Pode-se dar então uma perseguição disfarçada, com o recurso à ironia, que tenta ridicularizar os valores cristãos, ou à pressão ambiental, que pretende amedrontar os mais fracos: é uma dura perseguição não sangrenta, que não raras vezes se vale da calúnia e da maledicência. “Em outros tempos – diz Santo Agostinho –, incitavam-se os cristãos a renegar Cristo; agora, ensina-se os mesmos a negar a Cristo. Naquela época, incitava-se; agora ensina-se; antes, usava-se de violência, agora, de insídias; antes, ouvia-se o inimigo rugir; agora, apresenta-se com mansidão insinuante e envolvente, e dificilmente se deixa descobrir. Todos sabemos de que modo se violentavam os cristãos para que negassem a Cristo: procuravam atraí-los para que renegassem; mas eles, confessando Cristo, eram coroados. Agora ensina-se a negar a Cristo e, enganando-os, não querem que pareça que os afastam de Cristo”10. É como se o Santo estivesse retratando os dias de hoje.

O Senhor também quis prevenir os seus para que não se desnorteassem com a contradição que procede, não dos pagãos, mas dos próprios irmãos na fé, que com a sua atuação injusta, motivada geralmente por invejas, falso zelo e faltas de retidão de intenção, julgam que prestam um serviço a Deus11. Todas as oposições, mas especialmente estas, devem ser superadas junto do Senhor no Sacrário.

São circunstâncias que expressam um especial convite do Senhor para que estejamos unidos a Ele mediante a oração. São momentos em que devemos exercitar a fortaleza e a paciência, sem nunca querermos devolver mal por mal. Com a ajuda divina, a alma sairá dessas provas mais humilde e purificada, experimentará de um modo especial a alegria do Senhor e poderá dizer com São Paulo: Estou cheio de consolação, transbordo de alegria em todas as nossas tribulações12.

Ensinai-nos, ó Deus, a imitar o que celebramos, amando os nossos próprios inimigos, pois festejamos Santo Estêvão, vosso primeiro mártir, que soube rezar pelos seus perseguidores13.

III. O CRISTÃO que sofre perseguição por seguir Jesus tirará dessa experiência uma grande capacidade de compreensão e o propósito firme de não ferir, de não ofender, de não maltratar. O Senhor pede-nos, além disso, que oremos por aqueles que nos perseguem14,veritatem facientes in caritate, praticando a verdade com caridade15. Estas palavras de São Paulo levam-nos a ensinar a doutrina do Evangelho sem faltar à caridade de Jesus Cristo.

A última das Bem-aventuranças acaba com uma promessa apaixonada do Senhor: Bem-aventurados sereis quando vos insultarem, vos perseguirem e vos caluniarem por minha causa. Alegrai-vos e regozijai-vos porque grande será a vossa recompensa nos céus16. O Senhor é sempre bom pagador.

Estêvão foi o primeiro mártir do cristianismo e morreu por proclamar a verdade. Também nós fomos convocados para difundir a verdade de Cristo sem medo, sem dissimulações: Não temais os que matam o corpo e não podem matar a alma17. Por isso, quando se trata de proclamar a doutrina salvadora de Cristo, não podemos ceder perante os obstáculos, antes havemos de comportar-nos de tal modo que se cumpram em nós estas palavras de Caminho: “Não tenhas medo à verdade, ainda que a verdade te acarrete a morte”18.

A história da Igreja mostra que, às vezes, as tribulações fazem com que uma pessoa se acovarde e esmoreça no seu relacionamento com Deus; mas, em muitas outras ocasiões, fazem amadurecer as almas santas, que carregam a cruz de cada dia e seguem o Senhor identificadas com Ele. Vemos constantemente esta dupla possibilidade: uma mesma dificuldade – uma doença, incompreensões, etc. – tem efeitos diferentes conforme as disposições da alma. Se queremos ser santos, não há dúvida de que as nossas disposições devem ser as de seguir sempre de perto o Senhor, apesar de todos os obstáculos.

Em momentos de contrariedade, é de grande ajuda fomentar a esperança do Céu: ajuda-nos a ser firmes na fé perante qualquer tipo de perseguição ou tentativa de desorientação. “E se caminharmos sempre com esta determinação de antes morrer que deixar de chegar ao fim, mesmo que o Senhor vos leve com alguma sede por este caminho da vida, Ele vos dará de beber com toda a abundância na outra e sem temor de que vos venha a faltar”19.

Em épocas de dificuldades externas, devemos ajudar os nossos irmãos na fé a ser firmes perante essas oposições. Prestar-lhes-emos essa ajuda se não lhes faltarmos com o nosso exemplo, com a nossa palavra, com a nossa alegria, com a nossa fidelidade e a nossa oração; e sobretudo se procurarmos ser especialmente delicados em viver com eles a caridade fraterna, porque o irmão ajudado pelo seu irmão é como uma cidade amuralhada20; é inexpugnável.

A Virgem, nossa Mãe, está particularmente perto de nós em todas as circunstâncias difíceis. Hoje dirigimo-nos também de modo especial ao primeiro mártir que deu a vida por Cristo, pedindo-lhe que nos ajude a ser fortes em todas as tribulações.

(1) Antífona de entrada da Missa do dia 26 de dezembro; (2) São Fulgêncio, Sermão 3; (3) Jo 15, 18-19; (4) Santo Agostinho, Sermão 6, 2; (5) At 5, 41; (6) São João Crisóstomo, Homilia sobre os Atos dos Apóstolos, 14; (7) cfr. At 7, 54-60; (8) At 28, 22; (9) Jo 16, 33; (10) Santo Agostinho, Comentários sobre os salmos, 39, 1; (11) Jo 16, 2; (12) 2 Cor 7, 4; (13) Coleta da Missa do dia 26 de dezembro; (14) cfr. Mt 5, 44; (15) Ef 4, 15; (16) Mt 5, 11; (17) Mt 10, 28; (18) Bem-aventurado Josemaría Escrivá, Caminho, n. 34; (19) Santa Teresa, Caminho de perfeição, 20, 2; (20) Prov 18, 19.

Retirado do livro de meditações: Falar com Deus